Você está aqui: Página Inicial Notícias

Notícias

17/06/2011

Prova Brasil 2011 vai avaliar 5,2 milhões de estudantes das redes públicas

27/05/2011

A Prova Brasil de 2011, que será  realizada em novembro, deve envolver 5,2 milhões de estudantes. Cerca de 2,6 milhões matriculados no 5º ano e 2,5 milhões no 9º  ano do ensino fundamental.

A prova oficial vai ser aplicada a todos os alunos das redes públicas, que estiverem matriculados nas referidas séries, em escolas urbanas e rurais com, no mínimo, 20 alunos na turma avaliada.

Neste ano, também serão aplicadas as provas do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) - avaliação por amostragem de alunos do 5º e do 9º ano do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio.

Os desempenhos alcançados pelos alunos nos dois exames compõem o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) por escola, município e, ainda, em nível nacional.

Fonte: Correio do Povo

Audiovisual leva conhecimento e cultura a jovens de assentamento no Ceará

27/05/2011

Criado em 2005, o Núcleo de Audiovisual do Coqueirinho (Nuac) capacita jovens agricultores em tecnologias de informação e comunicação. Neste sábado, a experiência será compartilhada com

os jovens dos assentamentos Ipanema, que fica no município de Alto Santo, e Barra do Feijão, em Tabuleiro do Norte.

No Coqueirinho, as inscrições iniciais para a capacitação contemplaram vinte jovens de 15 a 30 anos, que foram treinados em onze módulos, com um total de 40 horas/aula. Linguagem audiovisual, documentário, produção, edição, câmera” foram alguns dos temas trabalhados.

Com o aprendizado, os jovens já registraram várias histórias de comunidades da região. O Nuac foi implantado por um convênio com o Instituto Nacional de Colonização na Reforma Agrária (Incra), Banco do Nordeste (BNB) e a Organização Não Governamental (ONG) Encine, da cidade de Fortaleza. Com um recurso de 21 mil reais, os jovens compraram equipamentos e custearam as oficinas. Hoje, o Núcleo funciona em uma sede improvisada em um dos chalés construídos pela comunidade para receber turistas.

Já profissionalizados, os participantes do núcleo realizam coberturas de eventos da Prefeitura, para o qual recebem uma contrapartida. O recurso, além de cobrir as despesas da produção, é dividido entre os jovens que realizaram o trabalho.

O Assentamento Coqueirinho

O Núcleo de Audiovisual do Coqueirinho é somente uma das atividades realizadas pelos moradores da região. Eles também desenvolvem cultivos de hortas orgânicas, sistemas agro-florestais, apiário, banco de sementes e turismo agroecológico, além de serem articuladores da Bodega – Nordeste Vivo e Solidário (rede de socioeconomia solidária de produtores rurais).

Fonte: Adital

Prêmio Nacional Empreendorismo Inovador

27/05/2011

A Associação Nacional de Entidades Promotoras de empreendimentos Inovadores (Anprotec) abriu inscrições até 5 de agosto para o Prêmio Nacional Empreendorismo Inovador.

Nessa edição o prêmio completa 15 anos de incentivo a inovação tecnológica no país.

As inscrições devem ser feitas nas seguintes categorias: melhor incubadora de empresas orientada para a geração de uso intenso de tecnologias; melhor parque tecnológico; melhor projeto de promoção da cultura do empreendedorismo inovador; melhor empresa incubadora e melhor empresa graduada.

A premiação será feita em 27 de outubro durante o XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras  de Empresas  em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.   As inscrições são por envio do Formulário por meio eletrônico para fernanda@anprotec.org.br, e devidamente preenchido para a ANPROTEC no endereço SCN, Quadra 01, Bloco C, Edifício Brasília Trade Center, Salas 209/211 – CEP 70711-902 – Brasília/DF, juntamente dos anexos.

Veja o regulamento no site http://www.anprotec.org.br.

Fonte: Rede de Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro

Projeto no Rio recebe inscrições para oficinas de produção audiovisual

27/05/2011

Depois de passar por Salvador, Volta Redonda e Cabo Frio, chega à cidade do Rio de Janeiro, o projeto ‘Laboratório – Experimentações Audiovisuais’. Idealizado pelo Instituto Claro, em parceria com a produtora Casa Redonda e os cineastas Philippe Barcinski e Marco Del Fiol, o projeto incentiva o aprimoramento de novos realizadores audiovisuais e reforça o conceito educativo do Festival Nacional de Curtíssima Metragem - Claro Curtas.

O objetivo da iniciativa é levar a diversas cidades brasileiras oficinas de produção de vídeo, com atividades práticas e teóricas, da estruturação da ideias até a captação e edição de imagens. No Rio, as oficinas, cujas vagas já foram preenchidas, acontecerão nos dias 7, 8 e 9 de junho no Complexo do Alemão e nos dias 11 e 12 em Manguinhos.

No dia 7 de junho, às 18h, o cineasta e educador Marco Del Fiol ministrará a palestra “Audiovisual e Mídias Móveis – Experimentação, expressão e aprendizado”, no Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes (Rua Itararé, 690 – Complexo do Alemão), onde também irão acontecer as oficinas. Já em Manguinhos, as oficinas acontecerão na Biblioteca Parque de Manguinhos (Av. Dom Helder Câmara, 1184 – Manguinhos).

O Laboratório - Experimentações Audiovisuais é parte da Plataforma Claro Curtas. O projeto é patrocinado pela Claro, por meio da Lei Estadual de incentivo a cultura do Governo do Estado / Secretaria de Cultura, e produzido pelo Centro de Cultura, Informação e Meio Ambiente (CIMA) e pela Casa Redonda.

Coordenadas por Philippe Barcinski e Marco Del Fiol, as oficinas, abertas a todos os realizadores e interessados por audiovisual, percorrerão várias cidades do país. Em módulos de apenas dois dias em cada local, num processo intenso de aprendizado e experimentação, os participantes de cada oficina produzirão vídeos de até três minutos e ensaios fotográficos, que serão publicados no site www.projetolaboratorio.com.br/ e exibidos nas comunidades beneficiadas pela iniciativa.

“A produção audiovisual era, até bem pouco tempo, privilégio de poucos. Hoje, no entanto, criar, produzir, editar e difundir conteúdos audiovisuais são práticas que estão ao alcance de quase toda a população. Com um simples celular, câmera fotográfica digital ou webcam é possível captar imagens e sons. A plataforma Claro Curtas busca justamente isso: estimular a experimentação, o aprendizado, a criação, e a produção do audiovisual via dispositivos móveis por todo Brasil”, explica Carime Kanbour, vice-presidente do Instituto Claro.

“Esta é uma oficina de linguagem. Não propomos uma ‘formação do olhar’, mas uma ‘reformação do olhar’. O participante é estimulado a fazer recortes do que vê e a ‘organizar’ essas imagens num discurso poético próprio. Cada um faz suas fotos, grava suas imagens e edita seus vídeos. Em cada etapa o participante é convidado a refletir sobre a sua produção e a do grupo”, comenta o cineasta Marco Del Fiol.

Além do Rio de Janeiro, ainda em 2011, as oficinas do Laboratório – Experimentações Audiovisuais vão percorrer os estados da Bahia, Minas Gerais, Pará e Rio Grande do Sul, compondo um circuito de aprendizado, criação, produção e difusão de vídeos e fotografias capazes de demonstrar os potenciais regionais de expressão por meio da linguagem audiovisual, de forma acessível e democrática.

Lançada no dia 30 de março, data do aniversário dos dois anos do Instituto Claro, a 3ª edição do Festival Nacional de Curtíssima Metragem - Claro Curtas propõe o tema “O tempo do agora” e traz novidades. A partir deste ano, será dividido em quatro categorias: Alunos do ensino médio, Universitários, participantes de ONGs, Pontos de Cultura e Cineclubes, e categoria Livre, voltada para os realizadores independentes. No total, serão premiados oito vídeos, sendo dois por categoria. As instituições de ensino vinculadas aos vencedores (com exceção da categoria Livre) também serão premiadas. São R$ 100 mil reais em prêmios, distribuídos em barras de ouro, equipamentos de gravação e edição e cursos de linguagem audiovisual.

Os interessados podem inscrever seus vídeos com duração entre 30 e 90 segundos feitos utilizando celulares, webcams, câmeras fotográficas digitais ou outros dispositivos móveis até o dia 17 de junho. Mais informações no site www.clarocurtas.com.br.

Fonte: Pauta Social

Novo ensino médio terá reflexos no vestibular tradicional

27/05/2011

As mudanças aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) para o Ensino Médio, que preveem um modelo de currículo dividido em áreas - ciência, tecnologia, cultura e trabalho - devem causar um efeito cascata, culminando com modificações profundas no vestibular.

O novo Ensino Médio visa a uma formação para o mercado de trabalho, enquanto a avaliação da maioria dos vestibulares prioriza o currículo do conteúdo completo, avaliam especialistas.

Na prática, a escola que quiser aderir ao projeto vai poder optar por uma das quatro áreas de atuação: ciência, tecnologia, cultura e trabalho. Cada escola escolherá sua vocação, por meio do "diálogo" entre corpo docente, alunos, redes de ensino e as comunidades locais.

Em cada área, algumas disciplinas serão mais destacadas do que outras. Na escola cultural, por exemplo, conteúdos como história, geografia e literatura terão mais ênfase. Já  disciplinas como matemática, física e química serão abordadas de uma forma que faça sentido para uma formação de cultura.

O psicopedagogo, jornalista e pesquisador da área educacional da Universidade Federal Fluminense, Eugênio Cunha, afirma que a mudança é o primeiro passo no longo caminho para melhorar a realidade do ensino no Brasil. Mas também destaca que não adianta preparar o aluno para o mercado de trabalho na escola e depois o submeter a uma prova de pura "decoreba", que vai definir se ele ingressa ou não na universidade.

Ramos, presidente do movimento Todos pela Educação, concorda e fala que as universidades devem começar a considerar uma modificação no seu tipo de avaliação. "O tipo de prova do Enem está muito bem casada com as mudanças no ensino médio. Os dois juntos funcionam", afirma.

O resultado de desempenho do último Enem, do ano 2009, comprova a tese. Atrás das escolas privadas, que lideram o topo do ranking, todos os estabelecimentos públicos são técnicos, ou seja, com ênfase em alguma habilidade.

Entre as mil escolas da lista, apenas 88 são públicas, em que 60 delas são federais, 26 estaduais e apenas duas municipais. Porém, entre essas instituições, todas são técnicas ou coordenadas por universidades, onde ambas tem uma educação voltada para o mercado, como o projeto aprovado pelo CNE.

Com uma prova que exige do candidato menos memorização e mais demonstração da sua capacidade de raciocínio, o Enem tem como objetivo avaliar as habilidades e competências do estudante.

Sobre a necessidade de as universidades terem ou não de mudar suas provas no vestibular, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) não quis se pronunciar e afirmou que vai estudar o caso antes de tomar uma posição. Apesar disso, algumas instituições já adotam modelos de prova parecidas com a do Enem, que são denominadas por Ramos como o "novo modelo de vestibular".

Exemplo disso é a Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), que desenvolve a prova para a Universidade de São Paulo (USP). Na primeira etapa da avaliação, são 90 questões interdisciplinares. Na segunda, os candidatos são cobrados pelas matérias ligadas à área de conhecimento do curso escolhido. De acordo com a carreira pretendida, os vestibulandos devem fazer testes discursivos de História, Química, Geografia, Biologia, Física, ou Matemática. Somente as provas de português e redação valem para todos os cursos. As carreiras de Música, Artes Plásticas, Artes Cênicas, Audiovisual, Esporte, Arquitetura e Design ainda tem provas de aptidões e habilidades específicas.

Outro exemplo é a Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista (Vunesp), da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), que também segue o mesmo modelo de avaliação do Enem. "Se os vestibulares permanecessem com esse modelo pautado pelo conteúdo apenas, sem levar em conta habilidades e competências, essas novas diretrizes do ensino médio certamente não teriam nem vingado", adianta Ramos.

"Atualmente, as escolas ensinam química e aquilo não significa nada para alguns alunos, é um conteúdo muito distante da realidade dele. A mudança proposta por nós visa dividir as escolas por áreas de interesse e ensinar para o estudante uma química sobre a perspectiva do mercado. Ou seja, uma química que faça sentido para ele, que ele saiba que vai usar durante a vida", explica Mozart Neves Ramos, presidente do Todos Pela Educação e membro do CNE, que aprovou por unanimidade o projeto, que ainda precisa ser homologado pelo ministro da Educação, Fernando Haddad, para entrar em vigor.

O objetivo da mudança é melhorar o cenário do ensino médio, que é visto como a etapa mais problemática da educação básica, devido aos altos índices de evasão. Segundo pesquisa do IBGE de 2009, 40% dos jovens de 15 a 17 anos abandonam a escola por desinteresse, e 27% por razões de trabalho e renda.

Além disso, dados do movimento Todos Pela Educação, publicados em dezembro do ano passado, mostram que somente 11% dos estudantes que terminam o terceiro ano do ensino médio estão tendo aprendizado apropriado em matemática, e cerca de 28% se formam com conhecimento de português.

O fundador do Instituto Crescer para a Cidadania, Dilermando Allan Filho, vê nas novas diretrizes o início de uma grande transformação, que permitirá ao jovem estar mais preparado para o mercado de trabalho. Apesar disso, enxerga nos pais, que acreditam que o ensino médio é somente uma preparação para o vestibular, o principal desafio.

"Uma pergunta simples que faço para quem tem dúvidas sobre a mudança é: quantos de vocês se lembram de como podemos identificar quando um movimento é retilíneo uniforme ou uniformemente variado? Provavelmente poucos que não seguiram a carreira de exatas. Ou seja, do que valeu todo o esforço do professor para explorar este conteúdo? Por que todos os alunos precisam aprender exatamente as mesmas coisas?", questiona.

Para Antônio Sérgio Martins de Castro, coordenador pedagógico do sistema de ensino da Editora Saraiva , a mudança é eficaz uma vez que visa a diminuir o excesso de conteúdo escolar: "O currículo do ensino médio chegou a um patamar que as escolas não têm mais como aumentar suas cargas horárias para cumpri-los integralmente. E esse inchaço se deve à cobrança realizada pela maioria dos processos seletivos para o ingresso ao curso superior. Isso também tem que mudar", diz.

Fonte: Terra

Prêmio de educação ambiental recebe inscrições

27/05/2011

As inscrições para a oitava edição do ‘Prêmio de Educação Ambiental Amigos do Mar’ estão abertas até o próximo dia 10 de junho. O projeto é uma parceria entre o Instituto Arcor Brasil e o Projeto Tamar. O objetivo é estimular os alunos a realizarem estudos temáticos de educação ambiental, com foco na importância da conservação das águas de nosso planeta.

Cada aluno de 2º a 5º ano poderá participar com um desenho enfocando o tema “Nossas águas sempre limpas”. Além de brindes, a escola vencedora receberá a visita da equipe técnica do Projeto Tamar, realizando atividades de educação ambiental com os alunos, o corpo docente, os pais e convidados da comunidade.

As inscrições são limitadas a mil  escolas do Brasil e devem ser realizadas pelo site www.amigosdomarnaescola.com.br. Os prêmios serão entregues de 7 de novembro a 16 de dezembro de 2011.

Fonte: Pauta Social

Fundação Idepac faz processo seletivo para cursos gratuitos em SP

27/05/2011

A Fundação Idepac realiza nos dias 2 e 9 de junho, às 13h, as provas do processo seletivo para o preenchimento de 500 vagas para os cursos gratuitos de Técnicas Administrativas, Departamento Pessoal, Contabilidade Básica, Escrita Fiscal e Informática.

Com 500 horas-aula e duração de seis meses, as aulas vão de 25 de julho a 20 de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 18h50 às 22h30.  “É muito grande a demanda de jovens que necessitam de capacitação, para terem maiores chances de conseguir o primeiro emprego. Assim como a de adultos, que desejam aperfeiçoar-se profissionalmente para aumentar a empregabilidade”, afirma S&eacu te;rgio Contente, idealizador e mantenedor da Fundação Idepac.

Podem concorrer às 500 vagas – um terço delas são reservadas para pessoas com idade superior a 24 anos – para os cursos no Idepac, jovens com idade a partir de 16 anos.

Os requisitos para participar são estar cursando ou já ter concluído o ensino médio e possuir renda familiar per capita de até um salário mínimo. O processo seletivo e os cursos são realizados na sede da entidade, na capital paulista (Rua Visconde de Itaboraí, 443, no bairro do Tatuapé). As inscrições devem ser efetuadas por meio do sitewww.idepac.org.br.

O processo seletivo é dividido em duas fases – um teste de múltipla escolha com 50 questões (20 de português, 20 de matemática e dez de conhecimentos básicos de informática) e uma entrevista –, realizadas no mesmo dia. Para participar do processo, os interessados devem apresentar, no dia da prova, RG, CPF e cópia simples de um comprovante de residência.

A Fundação Idepac fornece todo o material didático, uniforme e lanche aos alunos. Ao longo dos estudos, eles podem ser indicados para preencher vagas de trabalho colocadas à  disposição pelas 17 mil empresas clientes da Contmatic.

A Fundação Idepac, criada como ONG em abril de 2005 e instituída fundação em dezembro de 2007, é  mantida pelo empresário Sérgio Contente, presidente da Contmatic Phoenix, empresa desenvolvedora de softwares administrativos e de gestão (ERP). A Fundação oferece a jovens e adultos cursos profissionalizantes gratuitos na área administrativa e de informática.

Fonte: Fundação Idepac

Secretaria Nacional de Juventude fomenta intercâmbio internacional de políticas públicas para o segmento

27/05/2011

Como parte da estratégia de consolidar uma agenda de intercâmbio internacional sobre políticas públicas de juventude, a secretária nacional de Juventude, Severine Macedo, se reuniu, na última quarta-feira, com uma delegação de chineses, liderada por Lu Aon, primeiro-secretário da Liga da Juventude Comunista da China. O encontrou debateu a experiência dos dois países, especialmente as questões relacionadas ao trabalho e à geração de renda  para jovens.

Severine explicou a importância da juventude para o desenvolvimento do Brasil e ressaltou que, atualmente, o país tem a maior população jovem da sua história: 50 milhões de pessoas na faixa entre 15 e 29 anos.

Ela relatou os principais papéis da Secretaria Nacional de Juventude, como a articulação e coordenação das políticas para jovens no Governo Federal, o estímulo e a orientação das ações para o setor nos estados e municípios, o diálogo entre a União e os movimentos sociais juvenis e a coordenação do Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem Urbano.

A secretária também falou sobre a relevância da participação social na construção das políticas de juventude e convidou a delegação chinesa para comparecer à 2ª Conferência Nacional de Juventude, cuja primeira edição contou com a mobilização de mais de 400 mil jovens.

O interesse de Lu Aon foi, mais especificamente, nas políticas de geração de emprego e renda do governo brasileiro. Severine destacou o bom momento da economia nacional, com destaque para a descoberta do pré-sal e de grandes eventos – Copa do Mundo e Jogos Olímpicos –, que permitiu a redução do desemprego na população. Por outro lado, os desafios são a qualificação profissional e a inserção do jovem no mercado de trabalho. Neste sentido, ela destacou o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico, que irá atender 8 milhões de pessoas.

Outro ponto relatado por Severine foram as políticas específicas para grupos juvenis. Para as mulheres, o destaque foi para os programas que garantam renda e autonomia e equipamentos para que elas possam trabalhar e cuidar dos filhos. A preocupação com os jovens negros é o enfrentamento à mortalidade. E, no campo, o foco será a geração de rensa e o acesso ao crédito.

Por fim, a delegação oriental convidou Severine para conhecer a experiência de políticas para a juventude na China. Lu Aon explicou que a missão da Liga da Juventude Comunista é orientar, organizar servir e proteger os jovens chineses.

Fonte: Conjuve

Sou da Paz leva exposição sobre violência contra a mulher para São Carlos (SP)

27/05/2011

A exposição 16xArte: pelo fim da violência contra a mulher, idealizada pelo Instituto Sou da Paz em parceria com o Coletivo Imargem, será realizada na cidade de São Carlos, interior paulista.

A ideia da 16xArte nasceu em 2010, a partir do projeto Juventude, Gênero e Espaço Público do Sou da Paz, e tem o objetivo de sensibilizar a população por meio da arte sobre os problemas decorrentes da violência contra a mulher no Brasil.

O número 16 faz alusão  à Campanha 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra Mulher, realizada anualmente por organizações feministas de mais de 150 países. No Brasil, segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em 2010, a cada 24 segundos uma mulher é vítima de violência no país.

A exposição 16xArte, patrocinada pela Sempre Livre, da Johnson & Johnson, e pela EMPower, reúne obras de 16 jovens, mulheres e homens, que atuam como fotógrafos, poetas, grafiteiros e artistas plásticos na grande São Paulo.

Entre dezembro de 2010 e maio de 2011, a exposição passou por duas estações da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) na capital paulista e agora segue para interior a convite da Prefeitura de São Carlos que, interessada em combater a violência contra a mulher na região, vem promovendo o curso Tecendo a rede e construindo a cidadania das mulheres de São Carlos para sua população.

Interessados em participar podem se inscrever por meio do telefone (16) 3373-2708 ou e-mail  cultura@saocarlos.sp.gov.br

Exposição 16xArte em São Carlos

Quando? De 3 de junho a 1º de julho de 2011

Onde? Paço Municipal - Rua Episcopal, 1575 - Centro - São Carlos

Artistas: Aline Binns, Berimba de Jesus, Christina Poliana Castro, Elaine Braga, Elânia Lima, Emanuela Rosa, Enivo, G.R.I.F. Maçãs Podres, Harry Genesis 12, Mafu, Magrela, Micaela Cyrino, Ronaldo Costa, Sola, Thamara Lage e Willian Mangraff.

Debatepapo: Como parte da programação haverá no sábado, dia 4 de junho, uma oficina com experimentações práticas em arte urbana com sobre a temática, realizada pelo Coletivo Imargem. A atividade será realizada às 9h no Centro de Referência da Mulher, na rua Treze de Maio, 1732, Centro de São Carlos.

Fonte: Instituto Sou da Paz

Site da Febraban cadastra currículos e dá acesso a oportunidades no setor bancário

27/05/2011

A Febraban - Federação Brasileira de Bancos - lançou no dia 24 de maio (terça-feira), durante seu 13º  congresso de Recursos Humanos, o site Febraban Oportunidades (www.febrabanoportunidades.org.br), um canal pelo qual as pessoas que têm interesse em trabalhar no setor bancário poderão cadastrar seus currículos, que, por sua vez, serão acessados por 11 bancos: BIC, Bradesco, Citi, Fibra, HSBC, Itaú-Unibanco, Mercantil do Brasil, Safra, Santander, Votorantim e também o Banco do Brasil - nesse caso, para cadastro de aprendizes e estagiários, já que o ingresso regular é feito por meio de concurso público.

O diretor de Relações do Trabalho da Febraban, Magnus Ribas Apostólico, ressalta a importância do site: "O mercado de trabalho bancário oferece excelentes oportunidades de carreira e desenvolvimento, tanto para jovens quanto para profissionais já experientes".

Para os candidatos, o novo serviço proporciona um importante benefício de praticidade, já que não haverá mais a necessidade de cadastrar o currículo em cada uma das instituições. Basta entrar no site, criar um perfil com login e senha e, em seguida, preencher um cadastro, fornecendo dados sobre formação escolar, experiências anteriores e cursos de que já tenha participado. Caso haja interesse na contratação, o banco entrará em contato diretamente com o aspirante à vaga.

Já para as instituições participantes do projeto, o Febraban Oportunidades oferece a possibilidade de busca segmentada de candidatos, a partir de perfis que atendam suas necessidades, inclusive para atender os acordos da Febraban para ações afirmativas como com a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e com o MEC, para universitários bolsistas do ProUni, ou ainda pessoas com deficiência.

"O projeto facilitará a identificação de candidatos que possam contribuir para o aumento da diversidade no setor bancário", destaca o diretor de Relações Institucionais da FEBRABAN, Mário Sérgio Vasconcelos.

Nessa mesma linha, um dos objetivos do site é proporcionar acesso ao mercado de trabalho às pessoas que tenham participado de cursos promovidos pela Escola Febraban de Educação Financeira e aos jovens originários do Programa Nacional de Aprendizagem no Setor Bancário.

Além do cadastro de currículos, o Febraban Oportunidades oferece informações sobre o funcionamento dos bancos dos diversos departamentos em que as instituições poderão oferecer vagas - como, por exemplo, Marketing, Tesouraria, Recursos Humanos, Agências e Auditoria e Compliance. | www.febraban.org.br.

Fonte: Fator Brasil

Enciclopédia virtual e outras iniciativas colaborativas ajudam alunos a aprender

30/05/2011

O Wikcionário define o verbo colaborar como "trabalhar em comum, com outrem, na mesma obra". Na Wikipédia, estão associados à palavra colaboração os conceitos de "comunidade", "aprendizagem colaborativa" e "coletivismo". Postos em prática, os verbetes, escritos e editados por internautas, viram ferramentas de aprendizado. Alunos e professores de alguns colégios paulistanos utilizam, em plataformas digitais (como várias ferramentas Wiki e o Moodle), maneiras de construir o conhecimento em conjunto.

É o caso do Colégio Santa Maria, na zona sul, que desenvolve uma enciclopédia virtual de geografia. "Queremos colocar o aluno no papel de produtor", diz Muriel Alves, coordenador de tecnologia educacional. O trabalho foi realizado pelos alunos do 7.º ano em 2010 e será ampliado até o fim deste ano.

"Foi um jeito diferente de aprender. Ajudou muito a entender o conteúdo", explica a aluna Alessandra Orzechowski, de 12 anos. Para trabalhar o tema Descobrimento do Brasil, ela precisou fazer conexões com o Tratado de Tordesilhas, as capitanias hereditárias e a miscigenação da população. Foram 42 temas elaborados em 3 semanas. "A cada encontro o trabalho ia crescendo", conta o professor de geografia do colégio, Aldo Ordenes.

Para Matheus Simões, de 13 anos, aluno do mesmo colégio, o método funcionou. "Não vou esquecer o que aprendi. Eu interagi com o conteúdo."

Sintetizando um ano do que foi visto em sala de aula, todo o conteúdo fica disponível para consulta no site csm7anoa.pbworks.com. "O resultado pode ser usado como primeira referência de estudo", afirma Ordenes.

Vantagens. A ideia de conteúdos colaborativos está presente também no Colégio Pio XII. Os alunos do 2.º ano do ensino médio fizeram um dicionário e ligaram os temas trabalhados a vídeos, fotografias e ilustrações.

A possibilidade de associar conteúdos é uma das vantagens de ferramentas colaborativas como a Wiki. A necessidade de complementar conceitos com informações coletadas pelos colegas ajuda a compreender o conteúdo. "Linkar os temas dá um contexto maior", acrescenta a assessora de tecnologia do Pio XII, Elizabeth Fantauzzi.

No caso do Pio XII, os alunos encontraram outra vantagem: a colaboração de estudantes estrangeiros. O Moon Project, do qual participam os alunos do 7.º ano, compara as observações da Lua feitas em São Paulo com as anotações de crianças da mesma idade, no Texas (EUA).

Fonte: O Estado de S. Paulo/ Laís Cattassini

Twitter e Facebook na escola? "Pode, sim, desde que com cautela", diz especialista

30/05/2011

Em vez de estudar, seu filho/aluno passa muito tempo navegando nas mídias sociais, como o Facebook e o Twitter? Com um pouco de cautela, dá para transformar essas ferramentas, tidas como inimigas dos estudos, em uma forma divertida de entender melhor os conteúdos aprendidos em sala de aula.

Essa é a opinião do especialista em novas tecnologias Oge Marques, professor da Universidade Atlântica da Flórida. Ele esteve no Brasil para uma palestra sobre o tema em Curitiba (PR) na última sexta-feira (27).

 

“Por meio do Twitter, por exemplo, dá para aprofundar a discussão sobre temas da sala de aula e compartilhar vídeos, textos, fotos e outros”, diz Marques. O mesmo pode ser feito pelo Facebook. Com a ajuda da internet, a garotada tem nas mãos um jeito fácil de, sem sair de casa, interagir com professores e colegas para tirar dúvidas e adquirir materiais relativos a trabalhos, lição de casa e avaliações.

Armadilhas virtuais

Só é preciso ter cuidado com as armadilhas virtuais. Por exemplo, as fontes de informações poucos confiáveis, o cyberbullying – maus-tratos ao próximo via internet – e o acesso a conteúdos impróprios. “Para isso, a solução é permitir o uso das mídias sociais num ambiente controlado”, explica Marques.

Mas nem pense em autoritarismo e proibições. “Isso desestimula o uso benéfico das ferramentas”, aponta o especialista. O caminho é discutir o que são e para que servem sites como o Facebook e do Twitter, deixando claras que as consequências que podem trazer para a “vida real”.  Em outras palavras, refletir junto com a moçada em vez de intimidar.

“Este é um desafio também para os adultos”, diz Marques. Afinal, a idade não deixa a salvo os mais velhos de caírem numa fria usando a internet. “No caso da escola, é preciso que os educadores estejam preparados para trabalhar com as mídias sociais em aula.”

Professor mediador

Na era da informação, a função do professor não é mais somente a de apresentar conteúdos prontos. Precisa, sim, ser um mediador – alguém que ensina a melhor maneira de se obter as informações. Isso vale para os pais também. Para isso, é importante estimular a participação ativa dos alunos no processo educacional. “É uma revolução que está tomando lugar aos poucos”, acredita Marques.

Também é essencial levar em conta que muitos jovens nasceram na era da internet, mas nem por isso a dominam completamente. “É comum, por exemplo, que muitos não conheçam bem as opções de privacidade que existem no Facebook”, diz Marques. Portanto, um treinamento técnico prévio pode ser necessário.

Fonte: UOL

Enem 2011 já tem mais de 1,8 milhão de inscritos

30/05/2011

O número de inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) já passa de 1,8 milhões, segundo informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). O órgão espera que o total de participantes da edição deste ano chegue a 6 milhões. As inscrições seguem abertas até 10 de junho, exclusivamente pela internet.

Segundo a Agência Brasil, até as 18h do dia 27, São Paulo lidera em número de inscritos, com 316 mil, depois vem Minas Gerais (196 mil), Rio de Janeiro (139 mil) e Bahia (137 mil). As inscrições começaram na segunda-feira (23). As provas serão aplicadas nos dias 22 e 23 de outubro.

Em 2009, o MEC deu início a um projeto de substituição dos vestibulares tradicionais pelo Enem como forma de ingresso na universidade. A partir do resultado da prova, os alunos se inscrevem no Sistema de Seleção Unificada (SISu) e podem pleitear vagas em instituições públicas de ensino superior de todo o país.

A participação no Enem também  é pré-requisito para os estudantes interessados nas bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni). Os benefícios são distribuídos a partir do desempenho do candidato no exame e podem ser integrais ou parciais, dependendo da renda da família.

Fonte: Nota 10

Em 150 municípios brasileiros, apenas 28% dos entrevistados assumem preconceitos

30/05/2011

Esse é um dos dados da pesquisa Diversidade Sexual e Homofobia no Brasil, realizada pela Fundação Perseu Abramo nos anos de 2008 e 2009, em parceria com a organização alemã Rosa Luxemburgo Stiftung (RLS). O trabalho, coordenado pelo sociólogo da Universidade de São Paulo, Gustavo Venturi, será publicado em livro no mês de junho.

O estudo aponta crescimento da tolerância com minorias, ao registrar que 28% de 2.014 pessoas entrevistadas em 150 municípios brasileiros têm preconceito contra lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e transgêneros (LGBT). Quando comparado a outras pesquisas sobre racismo ou preconceitos contra idosos, o número é sete vezes maior. Apenas 4% dos entrevistados nesses levantamentos assumiram-se preconceituosos.

"As pessoas se sentem menos constrangidas de assumir o seu preconceito contra gays e lésbicas”, nota Gustavo Venturi.

Foi diante desse quadro de intolerância e urgência de uma política de enfrentamento à  homofobia, que o governo federal suspendeu a distribuição de um kit contra homofobia nas escolas do país. O material foi considerado de um tom não apropriado pela presidente Dilma Roussef, que sofreu pressões da bancada evangélica no legislativo para barrar a distribuição.

Na contramão dessa decisão, a pesquisa apontou como uma das variáveis que mais determina o nível de preconceito das pessoas é a escolaridade. Há uma grande diferença de preconceito entre quem nunca foi à escola e quem concluiu o ensino superior. A educação, por sua vez, é citada pela maioria dos entrevistados como a melhor forma de combater a homofobia.

Venturi avalia que o Estado precisa intervir, "por isso é tão fundamental uma política pública de enfrentamento a essa questão cultural que trata com maior tolerância a homofobia”.

O professor acredita que se o Estado não pode intervir na educação familiar, "deve considerar a educação em um segundo momento, quando as crianças vão para a escola”.

A suspensão do kit também foi criticada pela Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), que considerou a decisão um retrocesso no combate ao problema.

O pesquisador considera que a "pressão conservadora”, em especial no legislativo brasileiro, é uma reação às conquistas do movimento social LGBT.

"Eles tentam barrar o avanço no legislativo, mas o Supremo (Tribunal Federal), por outro lado, reconhece a união estável homoafetiva”, relembra Gustavo Venturi.

O sociólogo aposta que a mudança no sentido de um reconhecimento dos direitos da população LGBT é inevitável e que o movimento deve fazer-se ainda mais forte. "O padrão heteronormativo nunca foi tão confrontado como está sendo hoje”, avalia.

A pesquisa foi realizada em dois módulos: uma amostragem geral e outra com lésbicas e gays. O segundo módulo de entrevistas revelou um alto índice de preconceito institucional, ou seja, que foram praticados por agentes do Estado. Os entrevistados relataram terem sido submetidos a um tratamento diferenciado por sua orientação sexual pela polícia, em escolas, equipamentos de saúde, dentre outros. "Em um Estado democrático, isso é inaceitável”, afirma o sociólogo.

Como forma de combater essa realidade, Gustavo Venturi assinala quatro frentes: política pública, legislação, controle social da mídia e difusão do conceito de orientação sexual. Sobre essa última, o pesquisador acredita que é preciso difundir a ideia de que as pessoas não escolhem a sua orientação sexual. "Não se trata de uma preferência, mas de uma orientação, de algo que vem de dentro”, afirma

Fonte: Adital

Estudantes sugerem que governo amplie debate com professores e movimento LGBT

30/05/2011

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) sugeriu que o governo federal amplie o debate sobre o kit anti-homofobia com o Movimento de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (LGBT), com a Confederação dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e com a própria Ubes. Para o presidente da instituição, Yann Evanovick, o kit é uma boa ideia para combater o preconceito, mas o conteúdo que foi produzido não é o ideal.

“Se a sociedade está questionando, é porque existe alguma falha. É preciso rever isso para que as pessoas não se escandalizem”, disse Evanovick em entrevista ao Portal IG. Ele avaliou que o material, se revisado, será eficaz no combate ao preconceito nas escolas e afirmou que muitos alunos deixam de estudar por causa do bullying. “Todo instrumento que o Estado use para combater o preconceito, seja por racismo, seja contra homossexuais, é bom”.

Evanovick avaliou que o kit contra homofobia tem potencial para combater o preconceito, mas que o conteúdo produzido não é o ideal. Por isso, a Ubes apoiou a presidenta Dilma Rousseff de suspender a distribuição do material nas escolas públicas de ensino médio.

“Assisti aos vídeos. Um deles, no qual o rapaz é bissexual, passa uma mensagem que levaria pessoas que ainda não estão decididas sobre sua sexualidade a adotar o bissexualismo”, disse Evanovick.

A avaliação segue a linha da critica da presidenta Dilma Rousseff, que suspendeu o material na última quarta-feira (25/5). Para ela, a fala de um personagem do vídeo “Probabilidade” sobre o fato que seu interesse em ficar com meninos e meninas dobraria sua chance de encontrar alguém, sugere que bissexualidade seja a melhor opção e não cumpre o objetivo de combater a homofobia. A avaliação da presidenta foi reportada pelo ministro da Educação, Fernando Haddad, em entrevista ao UOL.

“A presidente entendeu que esse material, na opinião dela, não combate a homofobia. Ela entende que ele não foi desenhado de maneira apropriada para promover aquilo que ele pretende que é o combate à violência, a humilhação e a evasão desse público da escola”, disse. Ele afirmou que o kit anti-homofobia deverá estar pronto ainda neste ano para distribuição em 6 mil escolas e que não haverá custos adicionais.

Dilma disse ao Portal IG que não aceita "propaganda de opções sexuais”. “Não podemos intervir na vida privada das pessoas", afirmou durante uma cerimônia no Palácio do Planalto, na última quinta-feira (26/5). A presidenta disse, ainda, que o governo defende a luta contra práticas homofóbicas. “O governo pode, sim, ensinar que é necessário respeitar a diferença e que você não pode exercer práticas violentas contra os diferentes.”

Ela pediu a criação de uma comissão na Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência da República para avaliar qualquer material que seja produzido por ministérios “que dialoguem com questões relativas a costumes”, segundo o UOL.

Contraponto

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL), assumidamente gay e um dos maiores defensores das causas LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis e Transsexuais) na Câmara, discordou da decisão de Dilma Rousseff. “Achei precipitado a presidenta tomar uma decisão sem ouvir os atores em questão. Ela devia ter conhecimento de todos os pareceres favoráveis ao projeto. Os pareces da Unesco, do Conselho Federal de Psicologia, da UNE, e do próprio Conselho de Classificação Indicativa. Não é possível que essas instituições estejam erradas”, avaliou em entrevista ao IG.

Wyllys diz que a bancada evangélica, com o apoio de “setores da imprensa”, detonou uma “histeria coletiva sobre o tema”, por conta da “maneira mentirosa” como a proposta do kit contra a homofobia foi apresentada à sociedade. “[O deputado] Garotinho e companhia apresentaram um material do Ministério da Saúde para a redução de danos entre travestis como se fosse o projeto Escola sem Homofobia. Isso é agir de má fé”.

Ele acredita que a reação da bancada evangélica tem um alvo: o PLC 122 (que criminaliza a homofobia). “Essa campanha já está em curso. Tentam criar uma onda de terrorismo, uma histeria coletiva, como fizeram no segundo turno das eleições.”

Wyllys avaliou que o governo cedeu a pressão da bancada evangélica. “Ficou muito mais fácil de chantagear a presidenta” uma vez que parlamentares contrários ao projeto ameaçaram convocar o ministro-chefe da Casa Civil, Antônio Palocci, para dar explicações sobre o aumento do seu patrimônio na Câmara dos Deputados.

O kit anti-homifobia seria distribuído para alunos do ensino médio, professores e monitores e seria composto por cartilhas e vídeos, com um  manual de uso. As escolas não seriam obrigadas a receber o kit.

*Com informações do UOL, do IG e da Folha Online.

Fonte: Aprendiz

Jovens ocupados querem mudar de emprego, indica pesquisa

30/05/2011

Uma pesquisa elaborada pela Page Personnel, empresa do grupo especializado em recrutamentos Michael Page, indica que 52,9% de profissionais com idade entre 21 e 30 anos querem mudar de emprego em até seis meses.

O principal motivo apontado pelos entrevistados é a busca por melhores oportunidades diante da oferta de bons salários (62,1%).

O levantamento observa ainda que além de metas e desafios claros (41,4%) e promoção de cargo (34,5%), a qualidade de vida (34,5%) também constitui os principais fatores para a movimentação.

Rio de Janeiro e São Paulo

Diferentemente dos paulistas, os cariocas se preocupam mais com a qualidade de vida. O quesito ocupou o segundo lugar na lista de motivos para a troca do trabalho dos profissionais do Rio de Janeiro, com 50%. Em São Paulo, este volume foi de 30,2%, ocupando a quarta colocação no ranking dos paulistas.

Quando o assunto é a permanência dos profissionais no atual local de trabalho, os entrevistados no Rio de Janeiro acreditam que a promoção (20,8%) é o principal motivo. Já para os paulistas, o aumento salarial (25%) tem maior peso na hora da escolha.

Fonte: IG

Aumenta o número de jovens desempregados, registra IBGE

30/05/2011

Embora a taxa de desemprego registrada no mês de abril tenha chegado a 6,4%, o menor patamar para o mês desde 2002, os dados não são nada animadores para os jovens.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a desocupação entre as pessoas de 15 a 24 anos passou de 14,4% para 15%, mais que o dobro da média nacional.

Os números revelam uma contradição do mercado de trabalho: se, por um lado, sobram vagas nas companhias, por outro, não há pessoas qualificadas para preenchê-las.

Na visão de especialistas sobre o assunto, a maior barreira para os jovens é justamente a falta de preparo.

"Eles querem entrar nas empresas, mas não têm a qualificação específica", constatou a analista do IBGE Adriana Belinguy.

Fonte: Estado de Minas

Projeto compila dados de 140 pesquisas em educação e oferece caminhos para melhorar o aprendizado

31/05/2011

O Instituto Ayrton Senna e a ONG Todos pela Educação lançaram recentemente o site Caminhos para Melhorar o Aprendizado. Por meio de um abrangente estudo, o endereço eletrônico visa contribuir para o desenho de políticas públicas mais efetivas na promoção do aprendizado dos alunos, identificando – e se possível mensurando – a magnitude dos seus impactos.

A ferramenta, voltada a pais, gestores públicos e escolares, professores, especialistas e à comunidade em geral, oferece dados sobre condições e fatores intervenientes no processo de aprendizado. As referências foram extraídas de 140 pesquisas científicas nacionais e internacionais.

No endereço eletrônico é possível encontrar informações sobre cinco eixos: recursos da escola, plano e práticas pedagógicas, gestão da escola, gestão da rede de ensino e condições das famílias. Para cada um dos eixos há subitens com dados mais detalhados. No caso de recursos da escola, por exemplo, são abordados a exposição dos alunos ao professor, a situação do professor, a infraestrutura da escola e seus recursos pedagógicos.

O projeto de produção do site, que incluiu o trabalho de pesquisa de dados, teve início em 2007. A iniciativa foi coordenada pelo economista Ricardo Paes de Barros e envolveu 17 pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV/SP), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec-RJ).

Ao todo, cerca de 600 pesquisas foram analisadas pela equipe do projeto para a seleção dos 140 estudos adotados como referência para o projeto.

Fonte: Pauta Social

Bolsas de intercâmbio para alunos de escolas públicas

31/05/2011

O AFS Intercultura Brasil abriu inscrições para bolsas de intercâmbio para alunos de escolas públicas. Ao todo, 11 estudantes serão contemplados para uma temporada de estudos em países como México, Hungria, República Tcheca, Panamá, Turquia, Eslováquia, Tailândia, Costa Rica, República Dominicana, Argentina e Hong Kong.

A iniciativa é destinada a alunos de ensino médio, com idades entre 14 e 17 anos, com bom desempenho escolar e com renda familiar comprovada de até quatro salários mínimos. A bolsa corresponde a um ano letivo, com embarque previsto em 2012.

Além da mensalidade escolar, a iniciativa inclui suporte 24h durante o intercâmbio, passagem internacional de ida e de volta, hospedagem e alimentação em casa de família voluntária, seguro saúde com cobertura de até US$ 1 milhão, transporte e material escolar.

Os interessados devem fazer a sua inscrição no site www.afsbolsas.org.br. O AFS Intercultura Brasil é uma instituição não-governamental, sem fins lucrativos, que conta com mais de 1.000 voluntários ativos em todo o país.

Fonte: Agência Estado

Site do Projeto Guri permite a internauta produção musical de baixo custo

31/05/2011

Elder da Silva Souza tem 12 anos, mora em Pirassununga (SP). Estuda trompete, adora rock e música clássica. E já gravou com Arnaldo Antunes. Ele e outros meninos que estudam música por meio do Projeto Guri, uma ação do Governo do Estado de São Paulo que atende 51 mil alunos no interior do Estado, participaram da mais nova iniciativa para conseguir financiamento de pessoas físicas ao projeto educacional: o site Mixer Guri (www.mixerguri.org.br), plataforma que permite ao internauta montar uma música ao custo que poderá variar de R$ 0,50 a R$ 16.

Além do cantor e poeta Arnaldo Antunes e de vários "guris" e "ex-guris", também participaram do projeto instrumentistas como o percussionista Naná Vasconcelos, o guitarrista Edgard Scandurra, o multi-instrumentista e produtor Antonio Pinto, Jaques Morelenbaum, Siba, Fernando Catatau, Toninho Ferragutti, Teco Cardoso, Guilherme Kastrup e grupo Ensemble.

Segundo Alessandra Costa, diretora executiva da Associação Amigos do Projeto Guri, a ideia foi ampliar a captação de recursos, que já recebe ajuda de empresas privadas e de pessoas físicas na faixa dos 40 anos. Mas com essa iniciativa, a direção do projeto avalia que será possível ampliar a captação de recursos, principalmente, entre os mais jovens.

Após pressão do produtor Antonio Pinto, foi gravada uma música que servirá como modelo e que poderá  ser desconstruída pelos internautas. Segundo Alessandra, a ideia nem era a de divulgar uma música pronta, mas na conversa on-line com jornalistas realizada hoje, Antonio explicou o motivo de sua pressão: "É como se a internet fizesse remédio que cura o careca. Mas o careca não sabe. A canção foi a maneira de explicar para o careca que existe o remédio", brincou o músico.

Outro ponto positivo do projeto é fortalecer a ideia da construção musical sem barreiras e a desmistificação, difícil de se dissipar, dos abismos entre a música erudita e popular. Para Antonio, essa barreira já foi quebrada há muito tempo, mas reconhece que essa visão ainda existe em cabeças "quadradonas" e em lojas de disco.

Divisão

"O bolo dá para todo mundo", explicou Naná, cujo último disco, "Sinfonia & Batuques", funde erudito e popular, como ele definiu, criando um terceiro elemento. "Eu junto sinfônica com maracatu do Recife. É isso que vai dar uma terceira coisa, o que nossos filhos e netos estão querendo. É bom ter essa janela aberta", completa.

"Do ponto de vista de política publica, é um dos papéis do Estado criar essas 'portas' e 'janelas', essas comunicações entre mundos diferentes. Não abandonamos a música erudita, mas como política pública temos visão que tem que se transitar entre diversos espaços", completa Alessandra Costa.

Para jogar, o internauta deve acessar o menu "faça sua música" no site www.mixerguri.org.br. Escolher as combinações de instrumentos e vozes, num total de 64 trechos, que podem ser misturados de várias maneiras. De acordo com o release, "para se inspirar, o usuário pode conferir um clipe com a música base, que indica alguns caminhos que cada um pode percorrer para criar sua própria música".

Fonte: Agência Estado

2ª Conferência Nacional de Juventude mobiliza comissões em estados e municípios

31/05/2011

A comissão organizadora da 2ª  Conferência Nacional de Juventude estabeleceu, em sua última reunião, na quinta-feira (26/5), os prazos para as etapas estaduais e municipais, que são preparatórias para o evento. Os gestores têm até 17 de junho para estruturar comissões e chamar jovens para participar. Os regimentos internos, com as instruções de como cada comissão vai funcionar, deverão ser publicados até 1º de julho.

“O processo para a construção da conferência é piramidal. Deve ser organizado, primeiramente, pelo poder executivo nos municípios e estados, nas chamadas conferências regionais, para começar a ouvir os jovens”, explica o presidente do Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), Gabriel Medina, também militante do Fórum Nacional de Movimentos e Organizações Juvenis (Fonajuves).

Ele ressalta que, se não houver conferência em determinado local, é possível que a própria sociedade organize uma. Essas reuniões, chamadas conferências livres – que já ocorreram na 1ª Conferência, em 2008 – fazem parte de um processo desburocratizado, pelo qual o próprio jovem pode organizar discussões. O presidente do Conjuve ressalta que se engajar no processo é importante. “Nenhum setor da sociedade ganhou direitos, eles tiveram que ser conquistados”, diz.

Um dos objetivos da conferência é  a discussão de temas que normalmente não ganham destaque na sociedade. “Parece que falar dos problemas do jovem é necessariamente dialogar sobre droga e falta de responsabilidade”, analisa Medina. Para ele, questões como falta de planejamento de vida, pobreza extrema, trabalho precarizado e ingresso na universidade deveriam ser mais abordadas.

A 2ª Conferência de Juventude acontecerá na capital federal entre 9 e 12 de dezembro deste ano. O lançamento oficial do evento será em Brasília (DF), em 7 de junho, às 14h, no Palácio do Planalto. Autoridades governamentais, parlamentares, movimentos e entidades da sociedade civil deverão estar presentes.

No mesmo dia, a partir das 18h, haverá  uma reunião com a juventude partidária, envolvendo todos os partidos, com o objetivo de mobilizar esse público na organização da conferência.

A portaria do Regimento Interno do evento nacional já foi assinada pelo ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto de Carvalho. O documento foi publicado, no início de maio, no Diário Oficial da União.

Discussões

As principais discussões da conferência devem girar em torno da aprovação do Plano Nacional e do Estatuto da Juventude, ambos em tramitação no Congresso Nacional.

Segundo o deputado federal Reginaldo Lopes, que participa da comissão organizadora pela Frente Parlamentar da Juventude da Câmara Federal, mesmo que o Plano seja aprovado pela Câmara antes da conferência, vale a pena debater possíveis modificações no documento, que ainda será avaliado pelo Senado.

Fonte: Conjuve

Iniciativas fortalecem políticas públicas e o investimento social na infância e adolescência

31/05/2011

O matemático e escritor inglês Lewis Carroll certa vez escreveu: “quando não se sabe aonde se quer chegar, qualquer caminho serve”. Quando se olha para o terceiro setor, não é incomum organizações e voluntários querendo fazer o bem, mas que batem cabeça na hora de realizar ações, pois não têm clareza sobre o terreno em que andam.

A boa notícia é que existem organizações que não pensam simplesmente no fim de seus projetos, mas em formas de fortalecer políticas públicas e o próprio investimento social privado. Longe da prerrogativa de que informação é propriedade privada, cada uma dessas organizações lança produtos voltados para o benefício coletivo.

O primeiro exemplo – e o mais assertivo – foi lançado pelo Instituto Desiderata. Bebendo de diversas fontes de informação – administração pública e privada – a organização criou um sistema online de indicadores educacionais para acompanhar qualidade do ensino fundamental no Rio de Janeiro.

A complexidade dos dados, colocada de forma didática, permite a qualquer leitor visualizar, pelas 33 regiões administrativas do município, os indicadores educacionais de um universo de mais de 400 escolas de ensino fundamental. Qual a região com mais repetência de estudantes? Que escolas possuem um laboratório de informática? Onde existem mais alunos? População versus professores.... Enfim, a agulha do palheiro para quem olha para o mapa da educação.

Entenda-se aqui que, para a criação do produto final, foram inseridos indicadores de rendimento (aprovação e reprovação), de situação dos alunos (abandono e distorção de idade) e de desempenho (Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - Ideb). Some-se a isso um levantamento da infra-estrutura por escola.

“O nosso objetivo é que ele seja usado pela gestão pública, em primeiro lugar, incluindo aí a própria escola, que pode se ver naquela região em que ela está inserida, no enfrentamento de suas questões. Tal como para o investidor privado, que pode refinar sua ação, sendo um farol”, afirma a diretora do Instituto Desiderata, Beatriz Azeredo.

Muito além de ser um farol para investimentos fluminenses, o que Beatriz mostra é um potencial investimento em outras regiões. Levar a mesma expertise não necessita de adaptação ou alinhamento cultural. Tratam-se de dados empíricos, que podem ser sistmatizados em diferentes locais, basta aplicar a metodologia desenvolvida pelo instituto.

Na lupa disponibilizada pelo instituto, por exemplo, é possível constatar quais as escolas que baixam o desempenho de determinado local. Por isso, esses números permitem desenvolver um plano de ação que leve em conta as desigualdades internas das regiões administrativas.

“O sistema pode avaliar, de um lado, as políticas públicas e, de outro lado, as parcerias com o setor privado”, defende Beatriz. A iniciativa tem apoio irrestrito da Secretária Municipal de Educação do Rio de Janeiro, Claudia Costin, que compareceu ao lançamento do sistema.

Infância e adolescência em SP

Enquanto no Rio de Janeiro o tema é  Educação, em São Paulo é o atendimento e proteção a crianças e adolescentes. Na última semana, a Fundação Telefônica firmou parceria com a SEDS - Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, de São Paulo, para integrar sistemas de informações para esse público.

O objetivo da parceria é fortalecer a rede de atendimento e proteção a crianças e adolescentes, por meio da integração dos sistemas de dados Pró-Social (do Governo de São Paulo) e Redeca (desenvolvido pela Fundação).

Na prática, a expectativa é que as informações a respeito do público infanto-juvenil atendido por instituições públicas e privadas sejam ampliadas e atualizadas, para fornecer um painel completo dos serviços disponíveis de assistência social, saúde, educação e outras áreas, relativas ao seu desenvolvimento humano.

“Os dados consolidados são um rico insumo para secretarias de assistência social e Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente elaborarem diagnósticos e planos de ação”, afirma a gerente de Projetos da Fundação, Gabriella Bighetti.

Segundo ela, os investidores sociais privados que forem investir via Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente farão uma inversão mais estratégica na medida em que os conselhos tenham esses planos de ação definidos, a partir de um diagnóstico feito sobre uma base real de informações.

“O sistema será capaz de mostrar um retrato de todo o atendimento que é realizado para cada criança e cada adolescente do município, em todas as áreas (educação, saúde, assistência social, encaminhamentos a organizações etc), evidenciando também as carências e, portanto, as oportunidades de intervenção social”, argumenta.

O Redeca foi concebido há três anos pela Fundação Telefônica em conjunto com oito municípios paulistas. Trata-se de um sistema desenvolvido em software livre que cria e gerencia um banco de dados, através do qual cada criança tem um registro único, com todo o atendimento que recebe. A carga inicial de informações do Redeca provem do Cadastro Único, do governo federal.

Ao ser implantado pelo município, o sistema passa a receber dados das entidades participantes de toda a rede de proteção aos direitos de crianças e adolescentes. Isso ocorre de forma independente, ou seja, sem qualquer interferência da Fundação Telefônica, que é apenas a promotora do sistema de informações e não gerencia as diversas redes municipais que forem sendo implantadas.

Bem-Estar

Outra iniciativa que tem rendido frutos é a realizada pela Rede Nossa São Paulo, que elaborou um conjunto de indicadores que reúnem também aspectos subjetivos sobre as condições de vida em São Paulo. Trata-se do IRBEM (Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município), voltado para orientar ações de empresas, organizações, governos e toda a sociedade, considerando como foco principal o bem-estar das pessoas.

Para saber: na última pesquisa (feita com 1.512 entrevistados) realizada pela iniciativa, em janeiro deste ano, a percepção do paulistano sobre seu bem-estar na cidade tem melhorado, mas pouco, a cada ano. Em relação à mesma pesquisa feita no ano de 2009, o aumento na avaliação dos itens que compõem a sondagem foi de 4,8 para 5 -10 é a satisfação total.

"Se os índices sempre aumentarem assim, de décimos em décimos, ainda vai levar muito tempo para chegarem pelo menos à média de satisfação", diz Márcia Cavallari, diretora do Ibope, que conduziu a pesquisa.

Fonte: Gife

Educação profissional gratuita vai qualificar 5,6 mil em Goiás

01/06/2011

Os goianos de 16 cidades poderão qualificar-se, a partir de julho, em sete cursos técnicos oferecidos gratuitamente pelo Programa de Educação Técnico-Profissional a Distância de Goiás.

A iniciativa do governo do Estado, em parceria com o Ministério da Educação (MEC), foi lançada ontem, no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, com a presença de autoridades do governo de Goiás, prefeitos e representantes da área de educação.

O projeto custará  R$ 12 milhões em recursos federais e estaduais e vai ofertar 5,6 mil vagas. Serão R$ 4,5 milhões investidos em material didático e capacitação de pessoal, R$ 7 milhões para a remuneração dos tutores bolsistas e R$ 500 mil para a estruturação dos núcleos de Anápolis e Goiânia.

Além das duas cidades, as 5.600 vagas serão distribuídas nos municípios de Aparecida de Goiânia, Pirenópolis, Ceres, Goianésia, Uruaçu, Porangatu, Posse, Formosa, Catalão, Morrinhos, Jataí, Rio Verde, Luziânia e Iporá.

Os interessados poderão escolher entre as áreas de Administração, Contabilidade, Logística, Secretariado, Hospedagem, Multimeios Didáticos e Informática.

Cada pólo de aprendizagem terá turmas de 50 alunos por curso, com aulas ministradas por tutores presenciais, que irão acompanhar a aplicação do conteúdo. Os tutores a distância ministrarão cursos técnicos e receberão bolsas de R$ 700 a R$ 1.500, de acordo com o nível de atuação e formação profissional.

As primeiras 600 vagas já foram preenchidas em maio, a partir de um processo seletivo, e as aulas começam no fim de junho. Os outros cinco mil passarão por seleção mês que vem e seu ano letivo começa em agosto.

Além das aulas a distância, os cursos incluem aulas presenciais realizadas nos centros de educação profissional vinculados à Secretaria de Ciência e Tecnologia (Sectec). O estudante deve ter, no mínimo, 16 anos completos e ter concluído o ensino médio para matricular-se. Pela internet, é obrigatória a disponibilização de 20 horas semanais ao curso, sendo que os encontros presenciais ocuparão 20% da carga horária total.

Para o secretário de Ciência e Tecnologia, Mauro Faiad, o programa será um instrumento essencial para o desenvolvimento do Estado e para a diminuição das desigualdades econômicas e sociais.

Módulos atendem a carências de cada área

O secretário-chefe da Casa Civil, Vilmar Rocha, que representou o governador Marconi Perillo no lançamento do programa, ressaltou a importância de unir forças estaduais e federais para alcançar resultados sociais. "Nós amadurecemos no Brasil para não ter restrições partidárias ao interesse público da sociedade. Se é interesse da sociedade, os governos têm que fazer parcerias e ter uma visão de cooperação", argumentou.

Os cursos foram escolhidos após um estudo realizado por técnicos da Sectec, que encontrou carências em diversas áreas. "Nós estaremos agora com sete cursos e posteriormente contemplaremos outras cidades com outros cursos. Todas as pessoas interessadas em se qualificar podem se inscrever. São cursos gratuitos, basta que o aluno inscreva e passe por um processo seletivo", explica o secretário de Ciência e Tecnologia, Mauro Faiad.

Ele também apresentou dados da PNAD 2007, pesquisa realizada pelo IBGE, que revelam a carência de cursos profissionalizantes no País. "A maior parte dos cidadãos que estão fora do mercado de trabalho nunca frequentou um curso de qualificação profissional. Isso tudo mostra a necessidade de oferecermos cursos de educação profissional gratuitos", reforçou.

O presidente da Assembleia Legislativa, Jardel Sebba, lembrou que durante a instalação da Mitsubishi em Catalão os ocupantes dos melhores empregos foram buscados fora do Estado, porque o município não possuía mão de obra qualificada. "Em Catalão, a Mitsubishi estará investindo nos próximos cinco anos R$ 1 bilhão, aumentando de 3,5 mil a 5 mil empregos diretos e indiretos. E nós temos uma carência muito grande de mão de obra. Com esse programa, o problema poderá ser resolvido ou pelo menos minimizado.

"Os moradores da região sudeste, que poderiam ocupar os melhores empregos, ficaram de fora. Agora, com esse investimento, eu gostaria que tivesse justiça  para os nativos, que os moradores daquela área possam ficar com os melhores empregos", concluiu o presidente da Assembleia.

Fonte: Diário da Manhã - GO

Prêmio Itaú-Unicef prorroga inscrições até 15 de junho

01/06/2011

O objetivo do prêmio, iniciativa da Fundação Itaú Social e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) é reconhecer e estimular o trabalho de organizações sem fins lucrativos que contribuam em articulação com políticas públicas de educação e assistência social, para ampliar a aprendizagem de crianças, adolescentes e jovens.

Podem se inscrever organizações sociais de todo o Brasil. Em outubro, serão indicados até 32 projetos finalistas, um de cada porte por regional.

Esses finalistas, após receberem visita técnica, serão considerados vencedores regionais e cada um receberá R$ 20 mil.

Na etapa final, as organizações responsáveis pelos quatro projetos vencedores nacionais receberão mais R$ 80 mil cada. Haverá ainda um grande vencedor, cujo valor do prêmio é R$ 180 mil. A premiação nacional será realizada em novembro.

O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis nas agências do Banco Itaú, nos escritórios do Unicef e no site do concurso.

http://www.premioitauunicef.org.br/

Fonte: Pauta Social

Jovens da Guatemala se mobilizam por aprovação da Lei Nacional de Juventude

01/06/2011

O Centro de Ação Legal para os Direitos Humanos (Caldh) e organizações de juventude da Guatemala divulgaram um comunicado convocando para conferência de imprensa, nesta terça-feira (31), para falar sobre a exigência da aprovação da Lei Nacional de Juventude. O projeto, que passou em abril de 2010 pela segunda de três leituras no Parlamento, propõe garantir os direitos dos jovens, assim como a sua participação na elaboração de políticas públicas.

Na Guatemala, a maioria da população tem entre zero e 25 anos. Entretanto, o Caldh avalia que a juventude está em grande desvantagem frente a outros setores nacionais, porque não há uma lei que lhes reconheça como tais e lhes garanta seus diretos frente ao clima de violência que vive o país.

Com a campanha eleitoral já  iniciada, os jovens organizados esperam uma resposta positiva dos deputados com a aprovação da Lei, considerando que, nestas eleições, 44% dos votantes terão entre 18 e 35 anos. No caso da resposta ser negativa, o movimento juvenil fará um chamado para que não se vote por certos partidos no próximo dia 11 de setembro, data da eleição presidencial.

Além da normativa, os jovens demandam ao Congresso que lhes seja designado um orçamento entre 30 e 40 milhões de quetzales (3,94 e 5,26 milhões de dólares) para contar com uma secretaria e um conselho, nos quais se discutam e se implementem as políticas públicas a favor da juventude.

Com informações da imprensa internacional.

Fonte: Adital

Programa de Educação no Trânsito conscientiza 800 mil alunos brasileiros

01/06/2011

Um programa criado em Curitiba em 2006 tem contribuído para melhorar a educação no Trânsito. Trata-se do  “Se Essa Rua Fosse Minha”, criado em 2006 pelo empresário curitibano Faruk El-Khatib, diretor da Editora Fama. O trabalho consiste na distribuição de materiais didáticos sobre o bom comportamento no trânsito para estudantes e docentes de escolas municipais.

O kit, composto por um livro do aluno, um livro dos pais e outro dos professores, um manual de instruções, DVD, um jogo da memória, um cartaz, uma bolsa de material reciclável e um certificado de conclusão de curso, incentiva o respeito e civilidade nas ruas.

De acordo com Faruk, o programa aparece como o mais completo já visto no país, sobre o tema ao qual se propõe a abordar. Dentre os seus diferenciais está o tempo de duração: durante cerca de oito meses, temas como leis de trânsito, dicas para pedestres, comportamento adequado dentro dos veículos, cuidados no transporte escolar, atenção na entrada e saída de escolas, atenção em locais onde a sinalização é precária, preservação do meio ambiente, segurança na hora de se divertir e exercícios de cidadania são abordados em sala de aula. Além disso, é disponibilizada uma cartilha para os pais, que também aprendem sobre o tema.

“Além disso, para aplicar o programa aos alunos, os professores recebem uma capacitação para melhor aproveitamento do material durante a grade curricular”, explica Faruk. “O programa atinge diretamente os alunos do 1.º ao 9.º ano do ensino fundamental e indiretamente os educadores, pais, transportadores escolares e a comunidade em geral”, afirma.

Durante dez anos o empresário Faruk pesquisou e avaliou os dados do trânsito brasileiro e se deparou com números preocupantes. “Os assustadores números de mortes e acidentes me motivaram a criar algo nessa área”, explica.

Atualmente, os números do “Se Essa Rua Fosse Minha” no Brasil são bastante expressivos: 800 mil alunos atendidos, mais de 120 municípios beneficiados e mais de 3.500 professores capacitados desde 2006. As perspectivas são igualmente otimistas: o programa deverá ultrapassar a marca de um milhão de alunos até o final de 2011.

Fonte: Nota 10

Conselho da Criança e do Adolescente de São Paulo oferece 20 vagas para sociedade civil

01/06/2011

O Conselho Estadual da Criança e do Adolescente (Condeca) de São Paulo está com inscrições abertas para representantes da sociedade civil que desejaem exercer a função de conselheiro no biênio 2011/2013.

As inscrições para preencher 20 vagas se iniciaram no dia 9 de maio e vão até 6 de junho.

Podem candidatar-se às vagas pessoas indicadas por entidades de atendimento, defesa e proteção à criança e ao adolescente e movimentos sociais comprometidos com a causa da infância e da adolescência. Os interessados devem apresentar documentos que comprovem a atuação na causa e idoneidade pessoal.

A lista final de eleitores e candidatos credenciados será publicada no Diário Oficial do Estado, site e sede do Condeca-SP, até 30/06/11. A data da eleição será divulgada posteriormente em edital.

As inscrições devem ser protocoladas em envelope lacrado na sede do Condeca-SP, na Rua Antonio de Godoy, 122, 7º andar – CEP 01034-000, São Paulo/Capital, podendo ser postadas via sede, ou equivalente, estando os documentos em envelope lacrado, desde que o comprovante de postagem esteja dentro do prazo, até 06/06/11.

Fonte: Conjuve

Mato Grosso realizará conferências de juventude em 11 pólos regionais

01/06/2011

A Secretaria de Estado de Trabalho, Emprego, Cidadania e Assistência Social do Mato Grosso recebeu na manhã de segunda-feira (30.05) representantes de várias instituições vinculadas ao segmento da juventude de Mato Grosso. O objetivo da reunião foi discutir as conferências regionais que serão realizadas em 11 regiões do estado.

Os encontros regionais servirão de base para fomentar os assuntos que serão debatidos na 2ª Conferência Regional da Juventude. O governo pretende verificar as necessidades de grupos jovens de diferentes localidades do estado e do país, incluindo as comunidades rurais, quilombolas e indígenas.

O presidente do Conselho Nacional da Juventude, Gabriel Medina, esteve presente na reunião e declarou estar satisfeito com o resultado do encontro. “Sabemos que Mato Grosso possui várias complexidades, em razão do seu tamanho geográfico e da diversidade de sua população. Todavia, estamos satisfeitos em ver que o Governo possibilitou a construção de um trabalho conjunto com os vários atores da juventude do estado, no tocante ao planejamento e execução da 2ª Conferência Nacional da Juventude”, disse Medina.

Para o secretário adjunto de Assistência Social da Setecs-MT, José Rodrigues Rocha Júnior, que presidiu a reunião, os encontros também serão uma oportunidade de debater a implementação do Projeto “Inclusão Produtiva no Mundo do Trabalho”, uma ação que prevê a continuidade da formação profissional dos 7,2 mil jovens que participaram do Programa ProJovem Urbano, no ano passado. “O governo do Estado está à disposição das lideranças juvenis para dialogar sobre o desenvolvimento de políticas públicas que contemplem as pessoas entre 18 e 29 anos”, afirmou o secretário.

Comissão Estadual

Durante a reunião foi acordado também que será criada a Comissão Estadual da Juventude de Mato Grosso, que será formada por 18 membros, sendo nove oriundos de instituições governamentais e nove da sociedade civil organizada. Entre as atribuições da comissão estadual está a elaboração do regimento interno da instituição. Os membros da entidade poderão ainda articular a organização de conferências em cada um dos municípios de Mato Grosso no mês de agosto.

Fonte: Conjuve

Estudantes surdos aprendem mais em escolas bilíngües

01/06/2011

Crianças e jovens surdos aprendem mais e melhor quando frequentam escolas bilíngues. É o que mostra pesquisa do professor da Universidade de São Paulo Fernando Capovilla, que desde 2001 vem avaliando surdos entre seis e 25 anos.

No estudo, alunos surdos são submetidos a testes de compreensão de leitura, vocabulário e memória. Entre os 9,2 mil já avaliados, os melhores resultados foram dos que frequentaram escolas bilíngues, onde os alunos são surdos e, em muitos casos, os professores também, exigindo o maior uso da Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Psicólogo, Capovilla defende ensino em tempo integral e alfabetização em Libras, o que auxilia na leitura labial e na apreensão gradativa do português como segunda língua. Por isso, as aulas para as crianças surdas deveriam ser integralmente em Libras até o 7º ano do ensino fundamental, quando já se adquiriu mais vocabulário.

Ele é  a favor de uma "inclusão programada", na qual alunos surdos só convivem com os demais quando já conseguem se comunicar por Libras, português escrito e leitura labial.

Para ele, o modelo de ensino do Ministério da Educação para surdos em escolas regulares é equivocado. Ele entende que a cultura surda é depreciada, intérpretes escolares não têm formação adequada e o tempo para aprender Libras é pequeno.

Fonte: Diário Catarinense – SC

Estudantes portadores de deficiência carecem de estruturas acessíveis em universidades

01/06/2011

Apesar de estarem na vanguarda da educação no país, as principais universidades públicas do Rio de Janeiro ainda sofrem com problemas de acessibilidade. Estudar em uma faculdade pública pode se tornar uma via crucis para muitos alunos que necessitam de opções acessíveis para terem autonomia no espaço acadêmico.

A principal universidade pública do estado, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com quase 50 mil estudantes, sendo 35 mil apenas de graduação, é uma das que mais carece de estrutura acessível. Segundo dados da própria instituição, são cerca de 1.500 alunos com algum tipo de deficiência, apesar de também constarem neste número candidatos aprovados que, na ocasião do vestibular, estavam com pernas e braços engessados, por exemplo.

Segundo o Núcleo Interno de Acessibilidade (NIA) da UFRJ, obras para adaptar os ambientes universitários a portadores de deficiência já estão sendo feitas e a previsão inicial de conclusão é em 2014. Apesar disso, a três anos da data, pouco já se viu de modificações nos prédios da Ilha do Fundão e nos mais de 10 imóveis pertencentes à universidade em todo o estado.

No entanto, a falta de acessibilidade na UFRJ e em outras tantas universidades públicas é um problema legal. De acordo com a portaria 3284 do Ministério da Educação de 7 de novembro de 2003, os requisitos de acessibilidade do ambiente acadêmico fazem parte dos itens a serem avaliados para "autorização e credenciamento" de universidades, bem como para renovação e abertura de cursos superiores.

Na UFRJ, um projeto piloto é realizado na Faculdade de Letras e na Escola de Serviço Social. Estas são as primeiras unidades a receberem modificações estruturais que aumentem a acessibilidade dos alunos. Um dos principais obstáculos para o avanço em outras unidades é o tombamento. Muitos prédios históricos, como o da Escola de Música, na Lapa, e o Palácio Universitário da Praia Vermelha, que abriga cinco unidades acadêmicas, são tombados pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e, por isso, não podem receber alterações em sua estrutura original.

Para o analista de sistemas, Eduardo Câmara, 35 anos, que é deficiente físico e foi aluno da UFRJ até 2004, o tombamento do patrimônio não pode ser um impedimento para o acesso de pessoas com necessidades especiais.

"A preservação do patrimônio não pode chegar ao ponto de impedir o acesso das pessoas", disse Eduardo, que foi baleado após um assalto no fim do ano de 1998, e se locomove através de uma cadeira de rodas. Na época, Eduardo, que estudava no Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN), enfrentava dificuldades em ter aulas no segundo andar do prédio e não haver elevadores para sua locomoção. Além disso, faltava estrutura para atividades usuais como ir ao banheiro e almoçar.

"Foi muito chato quando voltei à universidade após o acidente, porque você perde muito da sociabilização. Rolou um afastamento do resto do grupo. Eu não conseguia almoçar com eles, porque o acesso era através de escadas. Não conseguia assistir aulas em um determinado laboratório, porque eram no segundo andar do prédio. Minha sorte era de que o NCE era um dos únicos locais da faculdade com banheiro adaptado naquela época", contou o cadeirante.

Eduardo acrescenta que uma das opções que lhe restava era ser carregado por outras pessoas. No entanto, ele lembra que além de ser constrangedor, o ato pode ser perigoso para quem sofre de uma lesão medular. Autor de um blog para cadeirantes, ele reconhece que houve melhorias nos últimos anos, mas diz que ainda é pouco para se garantir a acessibilidade.

"A realidade na UFRJ é  muito ruim para quem é cadeirante ou para quem tem outras dificuldades de locomoção. Lá dentro consegue ser um pouco pior do que o mundo aqui fora", garante.

Atualmente, a Universidade Federal Fluminense (UFF) também realiza um projeto para aumentar a acessibilidade em seus campi, assim como a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Esta, apesar de possuir rampas e elevadores, ainda precisa se adaptar a portadores de deficiências visual e auditiva.

Alunos encontram maior acessibilidade em instituições privadas

Na contramão de muitas universidades públicas, algumas faculdades privadas têm seguido a recomendação do MEC. Luciano Alves é um exemplo disso. O aluno de 24 anos cursa jornalismo em uma instituição privada do Rio. Segundo ele, reuniões mensais são realizadas para atender as necessidades dos portadores de deficiência da instituição.

"Antes de entrarmos, não havia acessibilidade nenhuma. A universidade fez uma estrutura plana no pático e levou a biblioteca para o térreo. Tivemos a atenção da direção para que orientássemos como a faculdade poderia nos atender melhor", disse ele, que é tetraplégico. Para ele, medidas simples como a implantação de elevadores, o alargamento das portas e o abaixamento de maçanetas facilitam a mobilidade de universitários com problemas de locomoção, por exemplo.

Muitos universitários chegam a desistir de concluir as graduações por falta de estrutura. Luciano Alves afirma que a capacitação dos estudantes passa pela acessibilidade do ambiente de ensino. "Aqui no Brasil é muito difícil falar de educação para pessoas com deficiência. É fundamental que as universidades desenvolvam uma boa estrutura, para que não haja necessidade de assistencialismo aos portadores de necessidades especiais. Acessibilidade é o paradigma das pessoas com deficiência", finaliza.

Fonte: O Dia - RJ

Aprovado fundo do Mercosul para financiamento educacional

02/06/2011

Entrou em vigor no Brasil, em 19 de maio, o Fundo de Financiamento do Setor Educacional do Mercosul (FEM), destinado a financiar programas e projetos do Mercosul que fortaleçam o processo de integração regional. O FEM deve apoiar programas de mobilidade de estudantes e professores entre os países do bloco, por meio da oferta de bolsas de intercâmbio.

O fundo assume o papel de estimular a integração acadêmica entre os sócios. Além dos estados-partes do Mercosul — Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai —, podem participar do FEM os associados Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela.

O capital do FEM será constituído por contribuições dos países-membros e dos associados, por rendimentos e por repasses extraordinários de terceiros países, de outros organismos e do setor privado. As contribuições iniciais previstas para o fundo estão estimadas em US$ 1 milhão. Cada estado-parte deve fazer uma contribuição anual antes do encerramento do primeiro semestre de cada ano.

Aprovado pelo Conselho do Mercado Comum (CMC), órgão decisório do Mercosul, o fundo será administrado por um organismo especializado, selecionado na reunião de ministros de educação. Esse conselho de ministros também definirá a distribuição de recursos para os programas.

O FEM foi criado pelo Decreto n.º  7.484, de 18 de maio último.

Fonte: Nota 10

Manifestação online pela educação atrai mais de 170 mil adeptos

02/06/2011

Marcado para 12 de junho, o “Protesto no Facebook a favor da educação no Brasil” já possui 175 mil confirmações. Segundo o texto do evento, nessa data, os usuários são convidados a usar a imagem do movimento e a postar “#QueroEducação” no perfil de suas redes sociais.

Inspirado pelo vídeo da professora Amanda Gurgel, visto por mais de um milhão de pessoas pelo YouTube, o organizador do evento e diretor de marketing, Rodrigo Gabriel Pires (ou só RG, como ele se apresenta na internet), afirma que o objetivo do movimento é “unir as pessoas que valorizam a educação”. De acordo com ele, grande parte dos problemas enfrentados hoje no Brasil poderia ser solucionada através da educação, “por isso, é preciso chamar a atenção para a causa”.

Desde que foi criado, no início de maio, o protesto virtual tem recebido diversos pedidos para que aconteça também nas ruas das principais cidades do país. Em resposta a essa demanda, Rodrigo tem articulado com pessoas e organizações uma ação que deve acontecer em 31 de julho. “Ainda estamos conversando sobre essa possibilidade, mas a tendência é que o protesto saia do virtual e se torne real”, declarou ele.

Site: http://www.facebook.com/#!/event.php?eid=172272626159522

Fonte: Aprendiz

Revista Veras amplia debates e reflexões sobre ensino e aprendizagem

02/06/2011

O Instituto Superior de Educação Vera Cruz (ISE) lança a Revista Veras, um periódico semestral, em formato digital, voltado à divulgação de estudos e reflexões no campo da educação. O lançamento faz parte do VII Encontro de Educação e Cultura que o ISE promove em sua sede, em São Paulo, até amanhã, dia 3. O evento é destinado ao aperfeiçoamento de educadores, tendo como tema “Cultura escolar: em busca da diversidade”.

Veras está no endereço www.veracruz.edu.br/ise/revistaveras, apresentando-se como espaço aberto “a todos os autores que quiserem compartilhar da discussão e da análise da educação na atualidade”. A revista eletrônica não se restringe a um segmento educacional específico: “... todos os níveis de ensino, como todos os aspectos que envolvem o ensino e a aprendizagem, podem ser contemplados, por meio de reflexões que contribuam para uma ampla e diversificada abordagem da problemática educacional contemporânea”.

Em seu primeiro número, Veras apresenta artigos sobre o direito à educação, com foco na educação especial tanto de alunos superdotados quanto daqueles portadores de deficiências. Outros textos discutem a questão da autoria na produção de textos e a formação teórica do professor. Há ainda um relato da experiência do projeto Ilha de Vera Cruz, que atende comunidades carentes na modalidade EJA (Educação de Jovens eAdultos), e uma resenha sobre a obra  da antropóloga francesa Michele Petit, Os jovens e a leitura – uma nova perspectiva (Editora 34).

Cultura das brincadeiras

No Encontro de Educação e Cultura, destaca-se o tema do último dia, “Brinquedos e brincadeiras das crianças brasileiras”, apresentado pela educadora Renata Meirelles, que desde 1994 pesquisa brincadeiras de diferentes regiões brasileiras. Ela é idealizadora do Projeto BIRA – Brincadeiras Infantis da Região Amazônica, um projeto de intercâmbio lúdico em comunidades ribeirinhas e indígenas da Amazônia, e autora do livro “Giramundo e outros brinquedos e brincadeiras dos meninos do Brasil”, publicado em 2007.

No evento do ISE, Renata promoverá  uma oficina para mostrar a cultura da infância do ponto de vista da própria criança. Produções, saberes e anseios, de crianças de Norte a Sul do Brasil, serão apresentadas em imagens. Na sequência, as discussões serão coordenadas pelo fundador da ONG Doutores da Alegria, Wellington Nogueira, que é também professor do curso de pós-graduação em Educação Lúdica do ISE Vera Cruz.

Fonte: Onda Jovem/ ISE Vera Cruz

Prêmio estimula estudantes e professores a produzir textos científicos

02/06/2011

Nesta quarta-feira (1º), a Secretaria de Políticas para as Mulheres lançou o 7° Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero, com inscrições abertas até 16 de setembro pelo site:http://www.igualdadedegenero.cnpq.br/.

A função do concurso é estimular estudantes da rede pública e privada a produzir textos científicos e a ter uma reflexão crítica sobre as desigualdades entre mulheres e homens.

Podem concorrer alunos de nível médio, que terão de escrever uma redação; estudantes que frequentem ou tenham concluído cursos de graduação, mestrado ou doutorado, que terão de redigir um artigo científico; e escolas, que deverão fazer relatos de projetos e ações pedagógicas.

“O prêmio é apenas uma indução para o tratamento desses assuntos nas escolas e universidades. O nosso objetivo é que isso seja tratado no dia a dia, que haja uma reflexão de alunos e professores”, disse a coordenadora-geral do Ensino Médio do Ministério da Educação, Sandra Regina.

Para os alunos de nível médio, os prêmios são laptops e impressoras. Já as outras categorias concorrem a uma quantia de R$ 5 mil a R$ 10 mil.

Fonte: Agência Brasil

MEC investirá R$ 70 milhões em programas de extensão universitária

03/06/2011

Programas de extensão universitária de todo o país receberão R$ 70 milhões do Ministério da Educação (MEC) no próximo ano para execução de suas atividades. O valor corresponde ao orçamento que será destinado às ações selecionadas pelo edital 2011 do Programa de Extensão Universitária (Proext).

Entre 1.626 propostas recebidas, foram contemplados 709 projetos e programas, que receberão recursos para desenvolver ações voltadas à promoção de políticas públicas sociais. O conjunto dos projetos aprovados envolve em sua execução 709 coordenadores, 3.378 professores, 7.401 alunos e 559 técnicos.

Criado em 2003, o Proext passou por significativo crescimento, tendo o Edital 2011 recebido o dobro do orçamento do último ano. Foram R$ 35 milhões em 2010 e serão R$ 70 milhões neste ano.

As 13 linhas temáticas que integram o edital foram definidas a partir das políticas públicas sociais desenvolvidas pelos ministérios participantes. Além de oito ministérios, do Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, as secretarias de Direitos Humanos e de Políticas de Promoção da Igualdade Racial participam pela primeira vez do Proext.

A partir da divulgação do resultado, os recursos do Proext serão transferidos a universidades federais e estaduais e a institutos federais de educação, ciência e tecnologia no início do próximo ano. O monitoramento e avaliação da execução dos projetos são realizados por meio de um sistema informatizado do qual participam todos os ministérios parceiros.

A extensão universitária caracteriza-se por um conjunto de ações de caráter educativo e interdisciplinar que permitem a interação entre a universidade e a sociedade. Na avaliação do secretário de Educação Superior do MEC, Luiz Cláudio Costa, é por meio da atividade de extensão que a universidade coloca em prática sua função social. “Além de fazer parte da formação acadêmica dos jovens, é a partir de um trabalho conjunto entre estudantes, professores e servidores que a universidade tem a possibilidade de refletir e agir em relação às questões sociais do país”.

Fonte: Nota 10

Encontro reuniu jovens nordestinos pelo direito à comunicação

03/06/2011

Começou na quarta-feira e termina hoje o I Encontro Nordestino de In(formação) em Mídias Alternativas e Educomunicação em Natal, estado do Rio Grande do Norte (RN). A iniciativa surgiu a partir da Rede Viração Nordeste (RVN), que reúne os conselhos da Revista Viração da região e, aos poucos foi agregando novos parceiros, como a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Participam da atividade os estados de Alagoas, Pernambuco e Ceará.

"Nossa proposta é debater mídia alternativa e educomunicação, em especial, no ambiente acadêmico, onde ainda é pouco discutido”, avalia Alessandro Muniz, coordenador do evento e membro do Conselho Viração de Natal. Além da apresentação de trabalhos acadêmicos e debates, o evento recebe 14 representantes dos Conselhos Virajovens do Nordeste para o Encontro Nordestino da Viração.

A Viração é uma ONG de São Paulo que tem como projeto principal a produção de uma revista feita por jovens e para jovens. São mais de 40 Conselhos em 24 estados brasileiros, que, de forma colaborativa, produzem a publicação.

De acordo com Alessandro, a RVN foi uma iniciativa pioneira em propor uma articulação dos Conselhos em âmbito regional. A ideia surgiu ano passado durante o Encontro Nacional de Virajovens, proposto pela ONG Viração. Ele conta que a ideia tem como objetivo construir uma revista cada vez mais horizontal e colaborativa. "Pudemos construir uma rede de apoio entre os Conselhos que estão mais próximos, tanto em termos financeiros, como políticos”, afirma.

Alessandro reforça a importância do envolvimento da juventude com a comunicação. "Trata-se de um direito que deve ser exercido por todo cidadão. E, no Brasil, temos um quadro bem diferente, com o monopólio de algumas famílias”, avalia. Ele considera fundamental que mais pessoas produzam muita informação para cada vez mais pessoas, em um exercício de pluralizar o conhecimento.

Fonte: Adital

Programa da Fundação Criança oferece bolsa para formação de jovens

03/06/2011

O Programa Rotativo Cidadão está com inscrições abertas, até o próximo dia 06 de junho de 2011, para preencher 50 vagas de operador do Sistema de Estacionamento Controlado em São Bernardo do Campo (SP). Podem se inscrever jovens de 18 a 21 anos que estejam no ensino médio.

Com uma duração de 12 meses, podendo ser prorrogado por mais seis, o programa da Fundação Criança oferece uma bolsa-auxílio de R$350 mensais, além de vale transporte, seguro de vida e lanche. Ao final do programa, os participantes são indicados para oportunidades de emprego.

O Programa Rotativo Cidadão visa preparar e incluir o jovem no mundo do trabalho, por meio de atividade práticas de quatro horas diárias e mais cinco horas semanais de atividades complementares, com aulas de informática, atualidades, meio ambiente, mundo do trabalho, comunicação e expressão e técnicas de teatro.

Os interessados devem comparecer, das 9h às 17h, em um dos locais de inscrição, abaixo relacionados, portando RG, comprovante de residência, comprovante de escolaridade (cursando ou concluído o Ensino Médio) e comprovante de participação em programas sociais (se for o caso).

A data e o local do sorteio público dos classificados serão divulgados pelo jornal Notícias do Município, que também pode ser acessado pelo site www.saobernardo.sp.gov.br, onde também serão publicadas as convocações.

As vagas serão preenchidas com 55% dos candidatos por classificação socioeconômica, 40% por sorteio público e 5% para jovens com deficiência.

Confira os locais de inscrição:

Fundação Criança – Unidade Pq. São Bernardo - Rua Minas Gerais, s/nº.

Fundação Criança Jardim Silvina – Rua Dom Vasco Mascarenhas, 273 – Jd. Silvina

Fundação Criança Jardim Orquídeas – Rua Nossa Sra. Guadalupe, 800 – Alvarenga

Fundação Criança Bairro Santa Cruz – Rua Hugo Vieira Pinto S/N

Subprefeitura do Riacho Grande – Rua Araguaia, 265 – Riacho Grande

Subprefeitura de Rudge Ramos – Rua Jacquey, 61 – Rudge Ramos

Federação das Entidades do Bem-Estar Social (Febes) – R: Princesa Maria Amélia, 395 – B. Nova Petrópolis.

Mais informações pelo telefone (11) 4126-1319.

Fonte: Aprendiz

Cursinho Popular do Instituto de Física de São Carlos recebe inscrições

03/06/2011

Terminam nesta sexta-feira as inscrições para o processo seletivo do Cursinho Popular da Licenciatura em Ciências Exatas (CPCEx), direcionado a alunos do ensino médio, e criado pelos estudantes do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP.

A seleção será feita através de uma prova objetiva (múltipla escolha) de conhecimentos específicos que será realizada no domingo (5), seguida de entrevista sócio-econômica.

O conteúdo tanto das provas quanto das disciplinas ministradas será da área de química, física, matemática e biologia, direcionadas ao ensino médio.

As aulas terão início em 1º de agosto, com término programado para 25 de novembro. Durante esse período, será cobrada uma taxa mensal de R$ 30,00, que posteriormente será revertida ao aluno para o pagamento de inscrições de vestibular.

Os interessados devem ser inscrever das 9 às 12 e das 14 às 17 horas, no próprio IFSC, na sala 156 do bloco dos Laboratórios de Ensino de Física (ao lado da lanchonete Escobar).

O IFSC fica na Av. Trabalhador São-carlense, 400.

Fonte: USP Online

Escolas não sabem aproveitar avaliações educacionais, aponta estudo

06/06/2011

No segundo semestre de 2011, alunos do 5° e 9° ano do ensino fundamental participam da Prova Brasil, uma das principais avaliações do Ministério da Educação (MEC). É a partir dos resultados do exame que é calculado o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), indicador que aponta em uma escala de 0 a 10 qual é a qualidade de cada escola, rede municipal ou estadual.

Apesar de servir de parâmetro para que as escolas possam detectar problemas e modificar sua atuação, muitas ainda não sabem como utilizar esses resultados. Pesquisa da Fundação Carlos Chagas com 400 coordenadores pedagógicos de 13 capitais apontou que muitos desconheciam o índice.

Quase metade (47%) deles, ao ser perguntado qual era o Ideb da sua escola, citava um número superior a 10. “Sabendo que o índice pode servir para o planejamento e ações de todos educadores da escola e que há metas governamentais a cumprir, esse desconhecimento é preocupante”, revela o estudo.

Para Amaury Gremaud, professor da Universidade de São Paulo (USP) e presidente do Conselho Consultivo da Avalia Educacional [empresa de avaliação de escolas e sistemas de ensino do grupo Santilla], as avaliações ainda são subutilizadas pelas escolas. “Isso melhorou muito, as secretarias de educação estão bem próximas dos dados, eles não vão só para a gaveta de quem produz. Mas do ponto de vista do planejamento das escolas, ainda há muito espaço para trabalhar essas informações”, afirma.

Na opinião do especialista, que foi diretor do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), as escolas precisam aprender a analisar os resultados da avaliações para alterar suas práticas. Comparar o Ideb da escola com a média nacional, por exemplo, pode não ser um bom parâmetro. “Quando a escola ou rede vai analisar os resultados é preciso olhar criticamente e levar em consideração coisas que os indicadores escondem”, aponta o especialista.

O índice, por exemplo, não leva em conta o contexto social e econômico dos alunos, “fator que pode influenciar o processo de aprendizagem e o desempenho final do estudante. Ele mede o ‘ponto de chegada’, mas não o ‘ponto de partida’ da escola”, explica Gremaud. Por isso uma estratégia interessante é comparar os resultados da escola com outras unidades da mesma rede de ensino que atendam um público semelhante.

“Se você procura uma escola que tem condições próximas, mas um desempenho melhor, é sinal de que é preciso avaliar alguns processos. A direção pode comparar, por exemplo, se a equipe da outra escola passou por algum processo de treinamento diferenciado ou se o currículo é organizado de uma forma diferente. É olhar um pouco o que está dando certo em outros lugares”, recomenda Gremaud.

O especialista aponta que os índices educacionais não são “perfeitos”, mas são um bom parâmetro. “Indicadores são limitados, a Prova Brasil é uma prova de português e matemática, ela não leva em conta que as condições socioeconômicas dos alunos são diferentes. Por isso as escolas têm que ler os indicadores com uma certa calma”, explica.

A consulta ao Ideb de uma escola da rede municipal ou estadual e as metas que devem ser atingidas a cada dois anos estão disponíveis para consulta na internet.

Fonte: Agência Brasil

Secretaria municipal de educação de SP terá material pedagógico na internet

06/06/2011

A partir de amanhã, a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo vai colocar todo o seu material pedagógico na internet com a licença Creative Commons. Ou seja: o download das obras de todos os programas e projetos da pasta estará disponível no site da secretaria para quem quiser, desde que a fonte seja citada e o uso não seja para fins comerciais. O endereço é http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br.

A ideia surgiu porque, desde que o Programa Ler e Escrever passou a ser implementado, em 2006, a pasta passou a receber solicitações de municípios e Estados de todo o País interessados em utilizar o material. O programa objetiva melhorar as habilidades de leitura e escrita dos alunos do ensino fundamental da rede municipal paulistana.

"Não tínhamos uma forma adequada de licenciar tudo isso", disse o secretário Alexandre Schneider. "Começamos a pesquisar e achamos interessante o seguinte: como temos os direitos daquilo que foi desenvolvido, porque foi criado na própria secretaria, entendemos que seria correto fazer um licenciamento que permitisse que qualquer um pudesse utilizar e adaptar os materiais nos quais já tínhamos gasto nossos recursos."

Segundo o secretário, a pasta optou por esse tipo de licença porque ela permite que o usuário utilize o material do jeito que bem entender. "Ela possibilita que quem queria usar recorte, cole e anexe tudo ou partes do material, desde que coloque a fonte e o novo material produzido não gere lucro."

Obras

Entre os materiais que estarão disponíveis no portal da secretaria há obras para todos os temas que a pasta aborda em suas políticas públicas: educação infantil, ensino fundamental, ensino médio, educação especial, informática educativa, educação étnico-racial, cadernos de orientação didática e livros voltados para a recuperação em língua portuguesa e matemática. Além disso, as orientações curriculares para educação infantil e ensino fundamental, as orientações didáticas para Educação de Jovens e Adultos (EJA) e as obras do Programa Ler e Escrever também vão estar online para o público interessado.

Schneider acredita que, dessa forma, a secretaria vai compartilhar o conhecimento produzido com outras cidades. "Existem municípios que não têm condições de desenvolver esses materiais", disse.

Fonte: O Estado de S. Paulo/ Mariana Mandelli

Estudo revela que professores da rede pública acreditam pouco no sucesso de seus alunos

06/06/2011

Apenas 38% dos professores que dão aulas para alunos mais pobres no ensino fundamental da rede pública dizem acreditar que quase todos os estudantes concluirão o ensino médio.

O dado, revelado pelo economista Ernesto Martins a partir do questionário da Prova Brasil -exame do MEC que avalia a qualidade da educação básica-, levanta uma discussão importante.

De um lado, os professores podem simplesmente estar sendo realistas. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do IBGE, só 38% dos jovens de 18 a 24 anos tinham nível médio completo em 2009.

A descrença na capacidade de muitos alunos completarem o ensino médio pode, no entanto, tornar-se uma profecia autorrealizadora.

O fenômeno foi estudado pelos pesquisadores americanos Robert Rosenthal e Lenore Jacobson, que provaram que a expectativa dos professores tinha impacto no desempenho dos alunos.

Em seus estudos, publicados desde a década de 60, Rosenthal e Jacobson aplicaram testes de QI no início do ano a alunos, mas informaram aos professores resultados falsos, dividindo aleatoriamente as crianças.

Os alunos cujos professores foram induzidos a acreditar erroneamente que tinham QI mais elevado tiveram progresso maior em um novo teste aplicado ao fim do ano em relação aos demais.

Para Ernesto Martins, autor do levantamento, é preocupante constatar que muitos professores demonstram não acreditar no sucesso do trabalho desenvolvido pelas escolas onde eles lecionam.

"O fracasso do aluno deveria ser encarado também como fracasso do professor e da escola", diz o economista.

Mozart Neves Ramos, conselheiro do movimento Todos Pela Educação e membro do Conselho Nacional de Educação, compara o professor ao médico.

"Em ambientes com poucos recursos e muitos problemas, o professor percebe que, por mais que se esforce, será mais difícil mudar a realidade. Se o médico não acredita na cura de um paciente em estado grave, se esforçará menos para salvá-lo."

Maria Helena Souza Patto, docente do Instituto de Psicologia da USP, identifica o preconceito de classe como explicação para a baixa expectativa em relação aos alunos mais pobres.

Ela explica que, com uma visão negativa dos alunos, educadores se relacionam com eles de modo a confirmar as expectativas de que serão incapazes de aprender.

Na prática, afirma a docente, isso pode acontecer por meio de comportamentos explícitos -- agressões verbais -- ou sutis, como a frequência com que atendem as dúvidas de alunos considerados menos capazes.

Soluções

Ter como objetivo que todos aprendam sem discriminar os de menor desempenho é uma característica de países com bons indicadores educacionais, segundo relatório da consultoria McKinsey divulgado em 2007.

O estudo mostrou que países como Canadá, Finlândia, Japão, Cingapura e Coreia do Sul identificam alunos com maior dificuldade, agindo imediatamente para que eles não fiquem para trás.

A receita é também seguida por poucas escolas públicas no país com bons resultados nas avaliações do MEC, como a Escola Municipal Bartolomeu Lourenço de Gusmão, em Vila Nova Isabel, zona leste de São Paulo.

A diretora Rosália Hungaro diz que uma das estratégias para que todos aprendam é a divisão das turmas em duplas, para que alunos mais avançados interajam com os de pior desempenho.

Dessa forma, a escola tenta evitar que se formem grupos de bons alunos que sentam na frente da sala, enquanto os menos interessados acabam recebendo menos atenção do professor.

Fonte: Folha de S.Paulo/ Saber/ António Gois

Programa de bolsas para afrodescendentes recebe inscrições até 15 de junho

06/06/2011

No contexto do Ano Internacional dos Afrodescendentes, a Unidade Anti-Discriminação do escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) está lançando um programa de bolsas para descendentes de africanos, no período de 10 de outubro a 4 novembro de 2011. O prazo para envio de propostas é dia 15 de junho de 2011.

O programa de bolsas proporcionará a oportunidade de aprofundar a compreensão do Sistema de Direitos Humanos das Nações Unidas e de seus mecanismos, com foco em questões de particular relevância para as pessoas de ascendência africana.

Isso permitirá aos bolsistas contribuir de forma mais efetiva na proteção e promoção dos Direitos civis, políticos, econômicos, sociais e cultural dos Afrodescendentes em seus respectivos países e comunidades.

Quem pode se candidatar?

- O candidato deve ser afrodescendente;

- O candidato deve ter no mínimo 4 anos de experiência no tratamento de questões relativas aos afro-descendentes ou minorias;

- O candidato deve ser fluente em inglês;

- Uma carta de apoio de uma organização afrodescendente ou da comunidade.

Processo de Seleção

Na seleção dos bolsistas, as questões de gênero e o equilíbrio regional serão levados em conta. Os documentos apresentados deverão estar em Inglês.

Direitos

O candidato selecionado tem direito a uma bolsa para cobrir alojamento, as despesas básicas em Genebra, seguro básico de saúde, bem como um retorno de avião com bilhete de classe econômica.

Inscrição

Os candidatos interessados são convidados a apresentar o seu pedido por e-mail para africandescent@ohchr.org ou por fax para: 004122-928 9050 com uma carta de apresentação indicando claramente “Application to the 2011 Fellowship Programme for People of African Descent”, com os seguintes documentos:

- application form: http://www.ohchr.org/Documents/Events/IYPAD/ApplicationFormIYPAD.pdf

- curriculum vitae

- carta de motivação (máximo de 1 página) onde o candidato explicará sua motivação para a candidatura, o que ele/ela espera alcançar através da bolsa e como ele/ela usará o que aprendeu para promover os interesses e os direitos dos afro-descendentes

- uma carta de apoio de uma organização/entidade parceira.

O prazo para o recebimento de inscrições é 15 de junho de 2011. Somente os candidatos pré-selecionados serão contatados.

Fonte: Assessoria

Cursos gratuitos voltados ao empreendedorismo e geração de renda em SP

06/06/2011

De junho a dezembro de 2011, o Espro oferece cursos gratuitos de capacitação e qualificação profissional na unidade de Itaguassu, zona norte da capital paulista. A iniciativa faz parte do Projeto Ação, que tem por objetivo promover a geração de trabalho e renda, além do desenvolvimento da comunidade local. A expectativa é capacitar cerca de 600 pessoas.

Estão disponíveis cursos nas áreas de beleza e estética, hidráulica, jardinagem e artesanato. As inscrições acontecem na unidade Itaguassu, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 16h. O endereço é Av. General Penha Brasil, altura do nº 2770 (cruzamento com Av. Arquiteto Roberto Aflalo) - Vila Nova Cachoeirinha - São Paulo/SP.

Os interessados devem ter mais de 18 anos e apresentar, no ato da inscrição, o RG e um comprovante de residência. Os cursos acontecerão em dias específicos da semana, geralmente no período vespertino. Ao final, os participantes recebem certificado de conclusão.

Em parceria com a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho, o Espro vai conceder bolsa-auxílio aos participantes, com valores entre R$ 357,00 (4 horas diárias de curso) e R$ 600,00 (6 horas diárias de curso).

O Projeto Ação do Espro conta com o apoio de outros parceiros. Entre eles, Escola Júlia Cabeleireiros, SoHo Academy, Vult Cosméticos, NeoTrópica, Amanco, Escola de Jardinagem – Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, Kreateva e Tekbond.

Com a Escola de Samba Unidos da Vila Maria, o Espro renova a parceria iniciada em 2010 para o desenvolvimento de cursos de Decoração e Estamparia. A Vila Maria é representante do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) no projeto que pretende beneficiar 9 mil pessoas em todo o país para a indústria do Carnaval.

O Projeto Ação do Espro é responsabilidade do Núcleo de Apoio e Desenvolvimento Social (NADS), que tem como missão oferecer oportunidade de inclusão social e qualificação profissional, promovendo a geração de renda e melhor condição de vida, por meio de atividades socioeducativas.

Para elaborar a programação de cursos, o NADS levou em consideração o perfil da região de Vila Nova Cachoeira, um dos 19 distritos paulistanos com maior índice de vulnerabilidade juvenil, segundo dados da Fundação SEADE, de São Paulo. A renda média dos responsáveis pelos domicílios gira em torno de R$ 874,21.

Confira a programação de cursos

Manicure/ Pedicuro

Duração: 2 meses

Periodicidade: 1 vez por semana

Carga horária: 4 horas

Conteúdo:técnicas básicas e postura profissional

Maquiagem

Duração: 2 meses

Periodicidade: 1 vez por semana

Carga horária: 4 horas

Conteúdo: Conhecimento teórico e prático de preparação da pele, postura profissional, utilização de cores, maquiagens para o dia-a-dia e festas

Instalação hidráulica

Duração: 2 meses

Periodicidade: 1 vez por semana

Carga horária: 16 horas

Conteúdo: atividades teóricas e práticas, abordando noções de rede hidráulica, planejamento e reparos

Jardinagem

Duração: 1 mês

Periodicidade: 1 vez por semana

Carga horária: 16 horas

Conteúdo: atividades teóricas e práticas

Artesanato em E.V.A.

Duração: 1 mês

Periodicidade: 2 vezes por semana

Carga horária: 24 horas

Conteúdo: Desenvolvimento de peças em 3D e decoração de caixas, com a mesma técnica

Estamparia

Duração: 2 meses

Periodicidade: 5 vezes por semana

Carga horária: 200 horas

Conteúdo:160 horas de aulas específicas e 40 horas de Módulo Cidadania

Decoração

Duração: 2 meses

Periodicidade: 5 vezes por semana

Carga horária: 200 horas

Conteúdo:160 horas de aulas específicas e 40 horas de Módulo Cidadania

Os participantes dos cursos de Decoração e Estamparia recebem material pedagógico (contendo avental, apostila, caderno, caneta e outros itens pertinentes ao desenvolvimento do aluno), lanches e transporte (se necessário e comprovada necessidade social). Ao final, recebem um certificado assinado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e pela Escola de Samba Unidos da Vila Maria.

Espro

Fundado em 1979, o Espro – Associação de Ensino Social Profissionalizante é uma organização sem fins lucrativos que atua na capacitação profissional básica e de aprendizagem para jovens, além de pessoas portadoras de deficiência para inserção no mercado de trabalho.

Desde 2000, a instituição ajuda a unir o potencial dos jovens às necessidades do mundo corporativo. O Espro seleciona, capacita, prepara e encaminha jovens para empresas em diversas regiões do país por meio da inserção em Programas de Aprendizagem, de acordo com a chamada Lei da Aprendizagem (lei 10.097/00). Outra ação social de grande importância é a Capacitação Básica para o Trabalho (CBT), que acontece gratuitamente em diversos Estados, de forma presencial e também via Educação a Distância (EAD).

O Espro atende jovens entre 14 e 24 anos, em situação de vulnerabilidade social, matriculados ou concluintes da rede pública de ensino, inclusive portadores de deficiência. São 17 mil jovens atendidos a cada ano pelo Espro, e mais de 500 empresas parceiras.

Fonte: Assessoria

Rede de Juventude propõe defesa cotidiana do meio ambiente

06/06/2011

Este domingo (5) foi marcado por diversas atividades que celebram o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data foi designada pelas Nações Unidas em 1972 como um dos principais instrumentos para incentivar a sensibilização mundial sobre o meio ambiente e promover ação política a respeito. Para Diego de Itu, elo* da Rede da Juventude pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade (Rejuma), o fundamental é que a sustentabilidade seja levada para o cotidiano. "Não adianta ter um dia como foco e depois deixar de discutir”, avalia.

O Coletivo Jovem do Pará será uma das entidades vinculadas à Rejuma que realizará atividades na Semana do Meio Ambiente, com o Seminário "Usina Hidrelétrica Belo Monte: um projeto de violação dos direitos humanos na Amazônia”. A ideia é discutir o impacto das hidrelétricas para os povos da região. A atividade será realizada no dia 7, no auditório do Instituto de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Diego acredita que os jovens são um dos segmentos mais sensíveis à temática do meio ambiente, tendo em vista sua maior abertura para enxergar novos paradigmas e experimentar um mundo sustentável. "Existem muitas formas de organização juvenil, como grupos de música, de futebol. E todas são meios possíveis de vivenciar a sustentabilidade”, afirma.

A Rejuma, criada em 2003, articula cerca de mil organismos, entre movimentos sociais, prefeituras, indivíduos, empresas, que debatem o tema do meio ambiente. A atuação da Rede se faztambém através de articulações nacionais e internacionais, como o Conselho Nacional de Juventude e o Conselho Carta da Terra.

Como principal ação de 2011, Diego cita a preparação e articulação para o evento Rio+20, passados 20 anos da Eco 92. "Será um ano chave, pois teremos eventos impactantes para o tema do meio ambiente”, como a conclusão do primeiro período de compromisso dos Estados participantes do Protocolo de Kyoto.

A Rio+20 é uma conferência, convocada pelas Nações Unidas, que pretende fazer um balanço dos compromissos estabelecidos na Rio 92. Além de definir parâmetros para a chamada economia verde e debater a arquitetura institucional necessária para o desenvolvimento sustentável.

No Brasil, um dos temas mais significativos, neste ano, para a questão ambiental é a aprovação de um novo Código Florestal. Em nota sobre o tema, a entidade aponta que tal processo "fortalece a agenda financeiro-elitista do projeto desenvolvimentista, em detrimento das agendas populares e do diálogo com a sociedade”.

*Eloé a forma como a Rejuma nomeia os participantes da Rede. A nomenclatura expressa uma proposta não-hierarquizada de atuação.

Para mais informações:http://www.rejuma.org.br

Saiba mais sobre o Protocolo de Kyoto:http://www.adital.com.br/site/noticia2.asp?lang=PT&cod=15374

Fonte: Adital

Alunos da rede pública terão isenção de taxa de inscrição no vestibular

06/06/2011

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, em caráter conclusivo, proposta que isenta alunos de escola pública da taxa de inscrição no vestibular das instituições federais. A regra também contempla os alunos que tenham recebido bolsa integral em escola particular durante o ensino médio. Em ambos os casos, os candidatos devem comprovar renda familiar per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio, o equivalente a R$ 817,50. O texto aprovado é um substitutivo da Comissão de Educação e Cultura ao Projeto de Lei 176/07, do deputado Fábio Souto (DEM-BA). Por ter sido aprovada em caráter conclusivo, a proposta segue diretamente para o Senado Federal, a menos que haja recurso na Câmara para que seja analisada pelo plenário.

Fonte: A Notícia - SC

Manual com orientações para realização do Enade já pode ser consultado

06/06/2011

Os envolvidos na realização do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) de 2011 já podem consultar o manual com as orientações técnicas para a organização e realização das provas, marcadas 6 de novembro, em todo o país. A publicação contém recomendações a dirigentes de instituições de educação superior, coordenadores de cursos e estudantes.

Para providenciar a participação no Enade deste ano, as instituições de educação superior devem indicar os cursos de graduação com base no enquadramento em áreas de abrangência do exame. Em 2011, serão avaliados 26 cursos. O enquadramento, pela internet, caberá ao procurador educacional institucional, indicado pela própria instituição de ensino, e deve ser feito a partir de hoje (6).

A inscrição dos estudantes, em duas etapas, como nas edições passadas, também fica sob a responsabilidade das instituições. No período de 20 a 30 próximos, serão inscritos os estudantes em situação irregular — deveriam ter feito as provas em anos anteriores, mas não foram inscritos ou não as fizeram sem ter pedido dispensa. O desempenho desse grupo não será considerado para o cálculo do conceito Enade — o conceito varia de 1 a 5 e avalia, de forma conjunta, o desempenho dos alunos ingressantes e concluintes. A inscrição dos ingressantes e concluintes dos cursos avaliados em 2011 está marcada para o período de 18 de julho a 19 de agosto.

Assim como a inscrição, a divulgação dos inscritos no Enade 2011 deve ser feita pelas próprias instituições. A partir deste ano, no entanto, os estudantes habilitados devem verificar a situação da inscrição na página eletrônica do Inep, entre os dias 22 e 31 de agosto. Caso encontre erro, o estudante deve notificar a instituição de ensino até 31 de agosto.

Questionário — Os inscritos no Enade de 2011 responderão o Questionário do Estudante, que estará disponível na página do Inep de 7 de outubro a 6 de novembro.

Este ano, serão avaliados estudantes dos cursos de bacharelado em arquitetura e urbanismo e engenharia; de bacharelado ou licenciatura em biologia, ciências sociais, computação, filosofia, física, geografia, história, letras, matemática e química; de licenciatura em pedagogia, educação física, artes visuais e música; de tecnólogo em alimentos, construção de edifícios, automação industrial, gestão da produção industrial, manutenção industrial, processos químicos, fabricação mecânica, análise e desenvolvimento de sistemas, redes de computadores e saneamento ambiental.

O enquadramento dos cursos, pelo procurador educacional institucional indicado pela instituição de ensino superior será feito na página eletrônica do Enade. O manual do exame está disponível para download: http://portal.inep.gov.br/manual-do-enade

Fonte: Nota 10

 

Encontro internacional juvenil promove formação e vivência no campo

27/05/2011

O próximo 31 de maio é a data limite para a inscrição no Primeiro Encontro Internacional Juvenil, organizado pela Confederação Caribenha e Latino-Americana de Estudantes de Agronomia (Conclea) em parceria com a Coordenadora Latino-Americana de Organizações do Campo (Via Campesina). O evento acontecerá em Cauca, Colômbia, de 2 a 18 de julho.

O encontro se propõe a ser um espaço de integração, formação e articulação da juventude organizada do continente, comprometida com os movimentos sociais da Colômbia e da América. A ideia é gerar um intercâmbio de experiências, propostas e ideias sobre temas transcendentes para a juventude, os povos, os setores e as organizações sociais.

O encontro tem como principais temáticas o "Contexto Mundial, latino-americano e colombiano”, as "Políticas de exploração da Terra”, as "Estratégias de dominação e experiências de resistência na América Latina” e "O papel da juventude nos processos de mudança”.

A atividade reunirá três eventos do movimento social latino-americano: o XX Congresso Caribenho e Latino-Americano de Entidades Estudantis de Agronomia, o primeiro Acampamento da Juventude da Via Campesina e a VII Jornada Nacional de Vivências Camponesas e Indígenas.

Para a participação, pede-se uma contribuição de $100.000 (cem mil pesos colombianos), o que inclui alimentação e hospedagem durante os dias do evento e transporte interno durante os dias de vivência.

Para mais informações: www.conclaea-al.blogspot.com

Fonte: Adital

Rio ganha primeira escola sustentável da América Latina

30/05/2011

O bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro, abriga desde o último dia 20 a primeira escola totalmente sustentável do Brasil e da América Latina: o Colégio Estadual Erich Walter Heine, que oferece ensino médio integrado com técnico profissionalizante em administração.

A construção da escola foi possível devido a uma parceria entre a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc) e a siderúrgica Thyssenkrupp CSA - que está erguendo uma unidade com capacidade de produzir 5 milhões de placas de aço por ano na região.

O colégio tem como concepção ser uma grande sala de aula sustentável. "Ao conviver com um prédio diferenciado, o aluno aprende a importância do uso consciente dos recursos naturais.

Promover a educação ambiental é um dos principais objetivos do projeto", afirma Rafael Tavares Albuquerque, arquiteto responsável pelo obra.

Padrão internacional

O projeto foi elaborado para atender aos padrões da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design, em inglês), voltada para a construção sustentável. Isso significa que o prédio atende a mais de cinquenta requisitos para melhorar o aproveitamento de recursos naturais e obter maior eficiência energética.Um dos diferenciais é o "ecotelhado", que tem uma vegetação especial para diminuir a absorção de calor e reabsorver a água da chuva.

Em todo o mundo, apenas 120 escolas têm essa certificação - 118 nos Estados Unidos, uma na Noruega e outra em Bali.

Em formato de catavento para melhorar a entrada de ar entre as alas, reduzindo assim os gastos com refrigeração, o prédio foi projetado pelo escritório Arktos, especializado na concepção de escolas. Com a dimensão de 8.950 metros quadrados, custou R$ 11 milhões, financiados pela Thyssenkrupp. Uma escola tradicional do mesmo porte sairia por R$ 8 milhões. "Embora a obra tenha um preço elevado, os benefícios no longo prazo compensam", diz a arquiteta responsável pelo projeto, Maria José de Mello, que cita a captação da água da chuva como uma das principais ações.

"O ecotelhado filtra a água da chuva, que é armazenada para ser usada nos sanitários, na irrigação de jardins e lavagem dos pátios - o que possibilita economia de60% na conta de água. Grandes janelas e a forma arquitetônica do prédio aproveitam a luz solar e gera economia de até 30% com energia.

O que incentivou a Thyssenkrupp a patrocinar o projeto foi o crédito de isenção fiscal que havia em caixa para investir em sustentabilidade. "Nosso foco é educação voltada para o trabalho e por isso investimos na construção da escola", diz Luiz Claudio Castro, diretor de sustentabilidade da Thyssen.

Comunidade

Além das aulas em período integral, das 7 às 17h, a Secretaria da Educação pretende abrir em agosto 500 vagas noturnas para ensino profissionalizante em administração aos moradores. "O colégio agrega valor, estabelece um patamar de qualidade no ensino, o que melhora a auto estima dos alunos e da comunidade", diz Sérgio Menezes, gerente de projetos com parceiros privados da Seeduc.

O projeto, quando concebido, foi pensado para interagir com a sociedade. A biblioteca tem acesso externo, inclusive nos finais de semana, assim como a piscina e as quadras que também ficarão à disposição.

Fonte: Brasil Econômico/ Priscilla Arroyo

Lucro de estatais federais está na mira do ensino público brasileiro

01/06/2011

Nos próximos dias, deputados da comissão especial responsável pela tramitação do Projeto de Lei 8.035, que trata da segunda edição do Plano Nacional de Educação (PNE), começam a debater uma emenda que prevê a destinação de 5% do lucro líquido das empresas vinculadas à União para investimentos em transporte e infraestrutura escolar, como, por exemplo, reformas, compra de materiais e construção de bibliotecas e laboratórios de informática e ciências.

De acordo com o Ministério do Planejamento, o levantamento mais atualizado (de 2009) sobre o desempenho das mais de cem estatais federais aponta lucro líquido consolidado de R$ 56,115 bilhões, valor que significaria quase R$ 3 bilhões em recursos novos para a educação básica. Para os próximos anos, o valor poderia chegar perto de R$ 5 bilhões, pois as companhias foram impactadas pela crise econômica em 2009.

A proposta beneficiaria principalmente estados e municípios com indicadores educacionais ruins e gasto anual por aluno baixo. O recurso seria repassado para um fundo a ser gerido pelo Ministério da Educação (MEC).

Formulada pelo especialista em financiamento educacional José Marcelino Rezende Pinto, professor da USP de Ribeirão Preto, e apresentada formalmente ontem pela entidade Campanha Nacional pelo Direito à Educação na Câmara dos Deputados, a emenda se encaixa como uma estratégia à meta 20 do PNE, que determina aumento gradual do investimento público em educação até 2020.

O MEC, que não se pronunciou, sustenta que a evolução da arrecadação pública garantirá mais recursos para o setor, tese bastante contestada por movimentos do setor e pela maioria dos parlamentares da comissão especial do PNE.

Rezende Pinto lembra que, por orientação governamental, as empresas estatais, exceto Petrobras e Eletrobras, destinam parte de seu resultado para a composição do superávit primário. A emenda, diz, "coloca uma nova responsabilidade estratégica e emergencial" para as empresas controladas pelo governo.

"As estatais podem dar uma contribuição importante em termos de equidade, com um recurso relativamente pequeno e precioso. A maioria das escolas públicas não tem bibliotecas decentes, não chega a 5% o percentual de escolas públicas com laboratório de ciências. Dotar as escolas com o mínimo de infraestrutura significa melhorar a qualidade", diz o acadêmico, que também preside a Associação Brasileira de Pesquisa em Financiamento da Educação (Fineduca).

Apuração do jornal Valor Econômico revela que a ideia foi bem recebida por parlamentares de partidos da base do governo e da oposição. A reportagem ouviu dez dos 27 deputados da comissão especial do PNE. O deputado Paulo Rubem Santiago (PDT-PE) foi o primeiro a acolher a proposta e garante que o assunto entrará na pauta da comissão especial do PNE.

"O projeto do governo apresenta metas tímidas e controversas, não se sabe se os recursos serão suficientes para o cumprimento das 20 metas do plano. A Campanha congrega os melhores especialistas do setor para assuntos de financiamento da educação, por isso vamos assumir a emenda", afirma Santiago.

Para a deputada Professora Dorinha (DEM-TO), ex-secretária estadual de Educação de Tocantins, "a ideia é boa" porque apresenta novas fontes de recursos. "Hoje o maior gasto com educação está nas costas dos estados e municípios, a União precisa se responsabilizar mais. Defendo a proposta, mas precisamos tomar cuidado para não tornar o PNE em uma bandeira única de financiamento. O plano tem uma série de metas qualitativas que precisam ser discutidas."

A deputada Fátima Bezerra (PT-RN), principal parlamentar petista para assuntos educacionais, é  mais reticente: "A ideia é válida porque vem na direção de ampliar recursos. Precisa ser melhor analisada, mas acho que o Congresso Nacional está mais sensível a propostas que demandam mais recursos para a educação."

Teresa Surita (PMDB-RR), vice-presidente da comissão especial do PNE, é favorável à transferência do lucro líquido das estatais federais para a educação desde que a medida não afete os negócios. "O direcionamento de parte dos lucros precisa ser feito na perspectiva da responsabilidade e da finalidade social das empresas sem, no entanto, prejudicar seus modelos de negócio", pondera. Seu colega na comissão Rogério Marinho (PSDB-RN) compartilha a opinião e emenda "É preciso analisá-la tecnicamente para saber se é viável."

Fonte: Valor Econômico/ Luciano Máximo

Entre adolescentes, meninas são mais vulneráveis a infecção pelo HIV

07/06/2011

Cerca de 2,5 mil jovens são infectados pelo vírus HIV em todo o mundo diariamente, sendo que as adolescentes enfrentam um risco desproporcional de infecção por conta de sua vulnerabilidade biológica, da desigualdade social e da exclusão.

Os dados e o alerta constam de um relatório divulgado pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV e Aids (Unaids), em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros órgãos internacionais.

A publicação indica que a prevalência do HIV entre jovens caiu pouco nos últimos anos. Ainda de acordo com o relatório, pessoas com idade entre 15 e 24 anos concentram 41% das novas infecções entre adultos com mais de 15 anos em 2009.

Em todo o mundo, cinco milhões de jovens viviam com HIV no mesmo período.

Fonte: Andi

Número de fumantes não diminui entre os menores de 18 anos

07/06/2011

O Dia Mundial sem Tabaco foi comemorado no último dia 31 de maio. E o Brasil tem bons motivos para festejar: nas últimas décadas, houve uma diminuição significativa no número de fumantes no país. Entretanto, a única faixa de idade em que o número não caiu foi entre os fumantes com menos de 18 anos.

O psiquiatra Jairo Bouer alerta: “quanto mais cedo acontece o contato do jovem com a substância, maiores os riscos de abuso ou de dependência”.

Para ele, “o adolescente tem fragilidades emocionais e físicas que favorecem o estabelecimento da dependência. Por isso, um garoto quer fumar para impressionar as garotas, para se encaixar em um grupo de amigos, para copiar um comportamento mais adulto, por curiosidade ou porque vai se achar mais descolado, por exemplo”.

Fonte: Folha de S. Paulo

Portal leva debate sobre economia sustentável para escolas

07/06/2011

A Fundação Banco do Brasil e a Revista Fórum lançaram esta semana o portal de notícias do Concurso Aprender e Ensinar Tecnologias Sociais (www.aprenderensinarts.com.br).

O Portal reúne todas as iniciativas finalistas das duas edições do concurso e é um registro de como o debate sobre o desenvolvimento sustentável pode ser levado para dentro das escolas.

Há ainda espaço para professores multiplicadores e links com informativos sobre como o tema tecnologia social é abordado pela imprensa.

O concurso foi criado em 2008 e tem como principal objetivo incentivar o envolvimento de professores, alunos, pais e a comunidade em ações que possam promover trabalho e renda, garantir a permanência dos alunos na escola e a preservação ambiental.

Todos os anos, cinco professores da rede pública, um em cada região, são premiados com uma viagem ao Fórum Social Mundial. Lá, eles compartilham suas experiências com outros professores e participantes de oficinas e palestras.

Fonte: Gife

 

Fundação Telefônica abre concurso para fomentar cultura digital

07/06/2011

A Fundação Telefônica quer apoiar projetos culturais voltados a crianças e adolescentes e vinculados às novas tecnologias. Lançou com esse fim seu primeiro edital de patrocínios culturais, com o qual serão apoiados projetos enquadrados nos termos da Lei Rouanet (Lei Federal Nº 8.313/91) com o objetivo de fomentar a cultura digital no Brasil.

O concurso está inserido no âmbito do Programa de Arte e Tecnologia desenvolvido pela Fundação e tem por objetivo estimular a produção e difusão de projetos culturais e artistas cujos trabalhos estejam especialmente vinculados à tecnologia, isto é, sejam inovadores em termos de linguagem, interatividade, criatividade ou forma de distribuição de seus conteúdos.

Instituições e produtores culturais de todo o país podem inscrever suas propostas até o dia 30 de junho de 2011.

Para preencher a ficha de inscrição ou baixar o regulamento, acesse o site da Fundação Telefônica: www.fundacaotelefonica.org.br

Fonte: Gife

Jovens colombianos debatem a ocupação do espaço público por meio da cultura

07/06/2011

Um encontro para debater a utilização dos espaços públicos e a produção cultural em Popayán, no departamento de Cauca, Colômbia, é a proposta do Fórum "Ocupação Juvenil do Centro Histórico de Popayán”, que será realizado no dia 16 de junho, na Faculdade de Direito, Ciências Políticas e Sociais da Universidade de Cauca. O histórico desse movimento em torno do Centro tem gerado um conflito entre a administração municipal e os jovens ocupantes.

O debate abordará elementos que permitam a ocupação cidadã do centro histórico por parte de diferentes setores da população, como jovens universitários, organizações culturais, coletivos artísticos, grupos esportivos, entre outros. Os ocupantes desse espaço, há décadas, demandam participação na política pública e na disposição legal do centro histórico de Popayán em relação ao seu uso e conservação.

Esse espaço é utilizado por diferentes organizações artísticas, como os coletivos "Encuentate Titou” e "La Ermita Cuenta”, que durante onze e dois anos, respectivamente, consolidaram espaços saudáveis de entretenimento na área pública através da narração oral. A Corporação Cultura Viva, por exemplo, propunha um espaço musical mensal denominado "Jueves de Puente”, o qual desapareceu pelo não prolongamento da permissão. Além de grupos teatrais, coletivos de skate, entre outras expressões.

A programação do Fórum contará com palestras sobre consumo cultural, incursão midiática, além de intervenções artísticas. Os participantes poderão fazer considerações sobre o Plano de Ordenamento Territorial, assim como tirar dúvidas sobre os temas tratados.

Para participar é necessário confirmar participação na página ocuaptuespacio.jimdo.com ou no facebook "ocupatuespacio”. Os interessados podem também propor palestras de não mais de quinze minutos, entrando em contato pelo e-mail ocupatuespacio@hotmail.com.

Fonte: Adital

Rio recupera escola para criar unidade de educação integral para atletas

07/06/2011

Aproveitar o momento dos Jogos Olímpicos de 2016 para deixar um legado não apenas em obras de infraestrutura, mas também esportivo, educacional e social. Com esse objetivo, a prefeitura da cidade do Rio de Janeiro comprou e está reformando uma escola em Santa Teresa, que será transformada em celeiro de alunos-atletas de alto rendimento. Antiga propriedade da Sociedade Civil Divulgação Cultural Educacional Japonesa, cercada pelo Morro dos Prazeres e fechada há cerca de dois anos, a unidade ganhará equipamentos de ponta para treinamento em 11 esportes.

Bom desempenho na aula e nas quadras

O Ginásio Experimental Olímpico terá capacidade para 500 alunos do 6º ao 9º anos do ensino fundamental e terá horário integral. A previsão da Secretaria municipal de Educação (SME) é que comece a funcionar em fevereiro, junto com as demais escolas da rede.

De acordo com a secretária de Educação, Cláudia Costin, a escola será a primeira de quatro unidades semelhantes que a prefeitura quer inaugurar até o primeiro semestre de 2013. Nela, a prática esportiva ocupará pelo menos três das oito horas diárias de atividades. Mas, para se manter no Ginásio Olímpico, o aluno terá que ter bom desempenho também em sala de aula. A média mínima de aprovação será seis pontos, um a mais do que é exigido dos demais alunos da rede.

“O controle das notas será severo. Os alunos terão aula de inglês todos os dias. O objetivo é dar oportunidade de desenvolver a vocação para atleta. Mas oferecer um ensino fundamental que o prepare profissionalmente, uma vez que a carreira esportiva tem um prazo”, explica Costin.

Os alunos que quiserem estudar no Ginásio Experimental Olímpico poderão fazer a opção já na pré-matrícula de 2012. A seleção será por aptidão física. Como o objetivo é formar atletas de alto rendimento, a escola não receberá estudantes com defasagem de idade em relação à série que estudam. Crianças do 6º ano, por exemplo, não poderão ter mais do que 12 anos.

Em meio às centenas de moradias do Morro dos Prazeres, a escola destoa do entorno pelas instalações em excelentes condições. O ginásio tem piso de madeira, palco para apresentações de teatro e arquibancadas. Uma piscina semi-olímpica, com seis raias, será reformada para ganhar profundidade. As instalações contam ainda com campo de futebol de grama e amplos salões com piso de madeira, além de dezenas de salas de aula.

A intenção da prefeitura é desenvolver 11 modalidades esportivas, como basquete, vôlei, handebol, natação, ginástica rítmica desportiva, tênis de mesa, atletismo, rugby, badminton, judô e xadrez.

Fonte: O Globo/ Isabela Bastos

Escolas terão R$ 100 milhões para atender alunos portadores de deficiência

07/06/2011

Os recursos, provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), destinam-se a 12.165 mil escolas municipais, estaduais e do Distrito Federal, para serem aplicados, prioritariamente, na contratação de serviços de construção de rampas, alargamento de portas e passagens, assim como a instalação de corrimãos. Sanitários também devem ser adequados para acessibilidade e colocação de sinalização visual, tátil e sonora. A verba pode ser aplicada, ainda, na aquisição de itens como cadeiras de rodas, bebedouros, mobiliários acessíveis ou softwares educacionais específicos.

Quase 500 mil alunos matriculados em unidades de ensino regular são estudantes com deficiência e apenas 20% das escolas públicas de educação básica atendem a critérios de acessibilidade a esse público.

Neste ano, serão atendidas as escolas que receberam sala de recursos multifuncionais em 2009 e registraram matrícula de estudantes com essa característica no Censo de 2010.

Cada unidade de ensino pode receber recursos que variam de R$ 6 mil a R$ 9 mil, de acordo com o número de alunos. "Os estudantes com deficiência devem ter acesso a todas as dependências da escola", pondera a diretora de políticas de educação especial do Ministério da Educação (MEC), Martinha Clarete.

A Escola Acessível faz parte do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), que reduz a burocracia na transferência de recursos. Para recebê-los, as escolas devem elaborar planos de ações que serão submetidos à aprovação das secretarias de educação, observados os critérios e normas gerais de acessibilidade nas obras.

Educação inclusiva

Os resultados do Censo Escolar da Educação Básica apontam um crescimento significativo nas matrículas da educação especial nas classes comuns do ensino regular.

De acordo com o MEC, esse crescimento é reflexo de política adotada que inclui programas de implantação de salas de recursos multifuncionais, adequação de prédios escolares para a acessibilidade, formação continuada de professores da educação especial e do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC) na escola, além do programa Educação Inclusiva: Direito à Diversidade.

O objetivo é estimular a formação de gestores e educadores para a criação de sistemas educacionais inclusivos. A política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva foi lançada em 2008 paralelamente a aprovação, por meio de emenda constitucional, da convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os direitos das pessoas com deficiência. De acordo com a convenção, devem ser assegurados sistemas educacionais inclusivos em todos os níveis.

Fonte: Agora – MS

Maceió (AL) debate projeto para aprimorar ensino nas escolas municipais

07/06/2011

Batizado de Cidade Educar, o Projeto de Cooperação Técnica estabelecido entre o Ministério da Educação (MEC), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Prefeitura de Maceió, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), será apresentado aos diversos setores da sociedade maceioense, de 13 a 17 de junho, no Hotel Atlantic.

O projeto Cidade Educar representa um esforço interinstitucional com o objetivo promover a melhoria da qualidade da aprendizagem dos alunos da educação básica e nos indicadores educacionais do município.

Segundo a chefe de gabinete da Semed, Josefa Conceição, coordenadora local do projeto, a metodologia utilizada para a elaboração dos documentos propositivos teve como objetivo propiciar aos técnicos da Semed a ampliação de seus conhecimentos com relação ao objeto de cada ação e garantir maior discernimento na construção das propostas. "Essa forma de trabalho permitiu o desenvolvimento e o aprimoramento das capacidades técnicas das equipes locais e a apropriação das soluções propostas, favorecendo a continuidade e a sustentabilidade do processo de mudança", disse.

Josefa afirmou ainda que o evento tem como objetivo apresentar esse trabalho à sociedade, fazendo com que ela perceba que a Semed está desenvolvendo ações voltadas para a melhoria do ensino público municipal. "É necessário o comparecimento de todos para que exista discussão sobre o conteúdo produzido e assim haja colaboração, pois a sociedade civil organizada tem outro olhar e durante o evento pode oferecer contribuições e sugestões", enfatizou Josefa.

O projeto elaborado por técnicos da Semed, com o apoio de especialistas contratados pelo PNUD, foi organizado tendo como eixos estruturantes as quatro dimensões do Plano de Ações Articuladas (PAR), estabelecido pelo MEC: Gestão Educacional; Formação Continuada de Professores e dos Profissionais de Serviços e de Apoio Escolar; Práticas Pedagógicas e Avaliação; e Infraestrutura Física e Recursos Pedagógicos, totalizando 17 ações. Essas dimensões contemplam ações consideradas essenciais ao aprimoramento dos serviços educacionais prestados pela Semed à população de Maceió.

Fonte: Aqui Acontece  – AL

Pesquisa defende maior convivência do jovem com comunidade, escola e família para prevenção de saúde

08/06/2011

Um levantamento global sobre o impacto das doenças na família, na economia e na sociedade, destacado em artigo publicado na revista inglesa The Lancet, aponta que cerca de 45% dos casos de afastamento do trabalho e dos estudos na faixa etária de 10 a 25 anos estão associados a problemas psíquicos - especialmente depressão, alcoolismo, esquizofrenia e transtorno bipolar.

Os pesquisadores citados, da Organização Mundial de Saúde (OMS), defendem a necessidade de intervenções que aumentem as conexões dos jovens às comunidades, escolas e famílias. Para eles, tais medidas são essenciais para a promoção da saúde juvenil.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Projeto Territórios da Cidadania oferece formação política para jovens do campo

08/06/2011

A proposta surgiu a partir da vivência dos próprios jovens que, organizados através dos Territórios de Cidadania, sentiram a ausência de uma ação pensada especificamente para a juventude do meio rural. Através de edital do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), tal necessidade pode ser atendida. Desde 1º de junho, a ONG Instituto de Juventude Contemporânea (IJC), com sede em Fortaleza (Ceará), está executando o Projeto ‘Juventude no Desenvolvimento Rural’, que abrangerá 12 estados brasileiros.

Essa ação "é resultado da afirmação desses jovens. Alguns terão a primeira oportunidade de participar de uma oficina de formação política”, declara Rafael Mesquita, coordenador de gestão do IJC. O objetivo do projeto é incentivar a formação política da juventude do campo, promovendo o surgimento de novas jovens lideranças no Brasil rural.

Já foram realizadas oficinas nas cidades de Quixadá e Canindé, as quais compõem os territórios Sertão Central e Sertões de Canindé, respectivamente, no estado do Ceará. O ‘Territórios de Cidadania’ é um programa do governo federal que propõe uma nova divisão das macrorregiões do país com o propósito de promover a integração de políticas públicas para reduzir desigualdades.

De acordo com Rafael, há questões próprias da juventude do meio rural que deve ser levadas em conta para proposição de políticas. "São os jovens que vão garantir a sobrevivência no campo” afirma. Por falta de oportunidades na área de educação, por exemplo, os jovens saem de suas terras para estudar nos centros urbanos. Com o Projeto, espera-se que, a partir da organização juvenil, Políticas Públicas de Juventude (PPJ) possam ser impulsionadas no interior.

O ‘Juventude no Desenvolvimento Rural’ trabalha com uma metodologia que, através de temas geradores, como o conceito de territorialidade, busca desenvolver a identidade desses jovens a partir do lugar que eles ocupam. Os encontros de formação, realizados em 20h/a, estimulam a reflexão coletiva sobre as atividades e programas de juventude no campo, além de um processo de escuta sobre as necessidades das juventudes organizadas nos interiores do Brasil.

Dentre as necessidades já percebidas nos relatos dos jovens, a partir das oficinas realizadas, Rafael Mesquita aponta que não há um parâmetro comum da execução de PPJ nas cidades do interior. "Alguns governos executam as ações em consonância com a política nacional de juventude, enquanto outras cidades estão prejudicadas”, avalia o coordenador.

O próximo estado a receber o projeto será Minas Gerais, ainda sem data definida. Além do Ceará e de Minas Gerais, a ação passará porAmapá, Amazonas, Pará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Cada estado recebe oficinas em dois Territórios de Cidadania.

A mobilização dos jovens que participam do projeto é feita de forma coletiva. Inicialmente, o contato é feito através de um representante de cada território, que fica encarregado de convidar outros jovens, que serão responsáveis por convidar outros. No total, espera-se reunir cerca de 40 jovens em cada oficina.

Uma das propostas dessa primeira etapa do projeto é a formação de Comitês Locais de Juventude em cada cidade. Na segunda fase, serão realizados Encontros Regionais de intercâmbio, nos quais a juventude poderá compartilhar o que foi construído em cada cidade a partir do primeiro encontro.

Para mais informações:http://juventudeeterritorio.blogspot.com

Fonte: Adital

 

Conferências estaduais de juventude começam a ser organizadas no Tocantins

08/06/2011

A realização da 2º Conferência Estadual da Juventude foi pauta de reunião na tarde desta segunda-feira,06 de junho, na Sejuves - Secretaria da Juventude e dos Esportes  do Estado do Tocantins. Com a intenção de formar a equipe que vai atuar na elaboração e organização do evento, a Sejuves convocou instituições públicas e a sociedade civil para o debate. A 2º Conferência Estadual da Juventude foi marcada para acontecer de 21 a 23 de outubro deste ano.

A Conferência tem como objetivo colocar em pauta as necessidades e a implantação de políticas públicas que permitam o crescimento e o desenvolvimento dos jovens tocantinenses. As discussões centrais devem estar focadas no tema: “Juventude, desenvolvimento e efetivação de direitos”, que foi elaborado pela Secretaria Nacional da Juventude com base nos dados levantados pelo censo 2010.

Participaram do encontro representantes da Assembléia Legislativa, da Secretaria da Segurança Pública, Justiça e Cidadania, Secretaria Estadual da Educação, Secretaria Estadual da Cultura, Associação Tocantinense dos Municípios, Central Única das Favelas, Pastoral da Juventude e Centro Marista da Juventude que discutiram a composição e o regimento interno da comissão organizadora.

Lançamento da Conferência Nacional

A Conferencia Nacional da Juventude será lançada na manhã desta terça-feira, 07, em Brasília (DF), com a presença da presidente da República Dilma Roussef. O secretário estadual da Juventude e dos Esportes, Olyntho Neto, estará presente no evento e nas discussões que devem formatar a realização dos encontros estaduais. Também serão entregues à Secretaria Nacional a composição das equipes estaduais e um plano de trabalho para a realização dos eventos. (Fernanda Cappellesso)

Fonte: Assessoria

Fundação Telefônica prorroga inscrições para Concurso Causos do ECA

08/06/2011

A Fundação Telefônica prorrogou para o dia 27 de junho de 2011 as inscrições para o 7º Concurso Causos do ECA, promovido pelo Portal Pró-Menino. Aberto a todos, o concurso premia histórias reais de transformação social, ocorrida a partir da aplicação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A novidade desta edição é a criação da categoria no formato vídeo: “ECA atrás das Câmeras”, voltada para organizações e produtoras que desenvolvem projetos audiovisuais com adolescentes e jovens. Os vídeos devem ter, necessariamente, de 1 a 5 minutos de duração e poderão ter a forma de documentário, animação, vídeo-arte, entre outras.

A inscrição deverá ser feita pela organização ou produtora, mas os vídeos devem ser produzidos pelos próprios adolescentes e jovens ou com a participação deles. A iniciativa tem como objetivo fortalecer o protagonismo juvenil e a divulgação de produtores sociais engajados na defesa dos direitos de crianças e adolescentes. Os interessados podem inscrever quantas histórias quiserem.

Para mais informações, visite:

http://www.promenino.org.br/CausosdoECA/7%C2%BAConcursoCausosdoECA/tabid/253/Default.aspx

Fonte: Aprendiz

 

Fies só exigirá o Enem para quem concluiu ensino médio a partir de 2010

08/06/2011

O Ministério da Educação publicou, no Dário Oficial da União desta terça (7) , portaria que altera e inclui novas regras no processo de inscrição e adesão ao Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior). Agora, apenas os estudantes que concluíram o ensino médio a partir de 2010 precisam, obrigatoriamente, ter participado do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Anteriormente, a regra dizia que para ingressar no Fies todo estudante deveria ter feito o Enem como condição para obter o financiamento.

Ainda de acordo com a portaria, “o estudante que por ocasião da inscrição ao Fies informar data de conclusão do ensino médio anterior ao ano de 2010, deverão comprovar essa condição perante à CPSA (Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento)".

Vale lembrar que as novas regras não valem para os estudantes que já possuem contrato com o Fies.

A prova do Enem acontecerá nos dias 22 e 23 de outubro. O edital deste ano prevê que a prova do Enem tenha um alerta expresso para que o aluno cheque se a sua avaliação não tem defeitos de impressão.

Os interessados ainda podem se inscrever, até as 23h59 desta sexta (10), somente pela internet. O pagamento da taxa de inscrição, no valor de R$ 35, pode ser realizado até a segunda (13) nas agências do Banco do Brasil. Alunos da rede pública não pagam e os de escolas particulares podem pedir isenção.

Fonte: UOL

Projeto literário baiano se destaca em obra voltada a políticas públicas

08/06/2011

A Antologia Poética Valdeck Almeida de Jesus foi a única iniciativa baiana citada na primeira edição do livro "Texto e História - 2006 a 2010" que reúne atividades relacionadas ao universo do livro e leitura e contém depoimentos de escritores, editores, bibliotecários, agentes culturais, livreiros, dirigentes públicos, acadêmicos e responsáveis por projetos de leitura e do terceiro setor.

O livro é apresentado pelo escritor Afonso Romano de Sant"Anna, Juca Ferreira (ex-Ministro da Cultura), Fernando Haddad (ex-Ministro da Educação) e prefaciado por José Castilho Marques Neto (ex-Secretário Executivo do PNLL). A obra, com 344 páginas, foi editada pela Universidade Estadual Paulista - UNESP e faz parte de um kit que é distribuído a bibliotecas e entidades ligadas à literatura. No pacote vem um CD com apresentação em Power Point das principais atividades literárias do Brasil, inclusive o concurso de poesias promovido pelo jornalista baiano.

A obra serve de eixo para as políticas públicas voltadas para o livro e leitura e resume as principais atividades culturais e literárias que acontecem no país nas modalidades: 1 - democratização do acesso; 2 - fomento à leitura e à formação de mediadores; 3 - valorização institucional da leitura e incremento de seu valor simbólico; e 4 - desenvolvimento da economia do livro.

Concurso literário

É neste quarto quesito que o projeto literário idealizado por Valdeck Almeida de Jesus se encaixa. Desde 2005 que o jornalista baiano promove um concurso literário que seleciona e publica textos em livros que são distribuídos a escolas e bibliotecas.

"No começo eu pensei em publicar somente poesias de baianos, mas com a divulgação no site do Ministério da Cultura o projeto tomou dimensão internacional e hoje recebo material do mundo todo, principalmente de Portugal, Angola, Europa e Estados Unidos", explica Valdeck.

Nos cinco anos de existência do concurso patrocinado por Valdeck já foram publicados nove livros com mais de 850 textos de autores brasileiros, argentinos, espanhóis, americanos, moçambicanos, chineses, franceses, britânicos, suecos, suíços, angolanos e portugueses. Na Bahia o destaque foi para os livros do poeta Perinho Santana, de Plataforma, subúrbio ferroviário de Salvador e duas antologias com cerca de 30 poetas-mirins do bairro Calabar. Em 2011 as inscrições estão abertas para crônicas que falem de obras e escritores baianos. Inscrições no site www.galinhapulando.com

Fonte: PORT.PRAVDA / Valdeck Almeida de Jesus

ONU declara acesso à Internet como direito humano

10/06/2011

A Organização das Nações Unidas (ONU) publicou, na última semana, um novo relatório sobre promoção e proteção do direito à liberdade de opinião e expressão. No documento, a instituição ressalta que desconectar as pessoas da Internet é um crime e uma violação dos direitos humanos.

Impedir o acesso à informação pela web infringe, segundo a ONU, o Artigo 19, parágrafo 3, do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, de 1966. De acordo com o Artigo, todo cidadão possui direito à liberdade de expressão e de acesso à informação por qualquer tipo de veículo.

O parágrafo 3 até considera a hipótese de aqueles que tiverem transgredido algum tipo de lei, envolvendo meios de comunicação, possam sofrer restrições específicas. No entanto, não totais e apenas se as transgressões colocarem em risco os direitos e reputações de outras pessoas ou a segurança nacional.

A produção do relatório, feita pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU e o site Mashable, foi motivada por novas leis aprovadas na França e na Inglaterra que excluem da Internet pessoas consideradas como infratoras de direitos autorais.

O documento também explica que outros países já bloqueiam conteúdos específicos na rede para seus cidadãos. Em alguns casos, os denominados infratores foram excluídos totalmente do acesso à Internet. Mas, para a ONU, não importa qual o crime cometido – violação de direitos autorais ou intelectuais –, todo ser humano ainda deve ter o direito de continuar com acesso à informação e à Internet.

Por meio do relatório, a ONU pede aos países que revejam suas leis contra pessoas que tiverem cometidos violações de direitos autorais ou intelectuais e as punições adotadas, para que elas não contrariem as diretrizes divulgadas no documento da organização.

Estado e Internet

Uma empresa de monitoramento da Internet identificou, na última semana, que dois terços do acesso à rede na Síria está bloqueado, segundo o site da revista Wired.

O relatório da ONU destaca que nenhum Estado pode interromper o acesso à Internet, nem mesmo em situações de crises políticas, sejam internas ou externas. A web tem sido utilizada para a livre expressão da sociedade a favor ou contra determinados assuntos.

Um fato de grande manifestação popular via web que ganhou repercussão mundial ocorreu em 2009, durante as eleições no Irã, quando o presidente Mahmud Ahmadinejad foi considerado reeleito. No período, os meios de notícias foram proibidos de trabalhar no país. Então, as denúncias de repressão aos eleitores favoráveis ao opositor Mir Hussein Mousavi e de fraude nas eleições passaram a surgir na Internet.

*Com informações do blog Oceanogeek e da Unesco

Fonte: Aprendiz

Em Minas, alunos contam por que abandonam a sala de aula e também o que os faz insistir

10/06/2011

A chefe da cozinha da Escola Estadual Maria Josefina Sales Wardi se aproxima do repórter e do entrevistado sentados no refeitóio e pergunta:

- Vocês são alunos? Podem ir para casa porque hoje não tem aula. Está todo mundo dispensado - diz, antes de ouvir a resposta, como se o aviso na escola localizada em Nova Lima, na Grande Belo Horizonte, fosse rotina.

Aluno da turma de Educação para Jovens e Adultos (EJA), Sandro Domingos Cardoso, de 21 anos, respira com desânimo e apenas olha para o repórter como se expressasse um "eu não disse?". A escola estava sem água nos banheiros e na cozinha, e as turmas foram dispensadas. Mas o que deixa Sandro realmente chateado é, segundo ele, não se tratar de um episódio pontual:

- A gente entra na sala, o professor não está. Se o professor passa mal e eles não conseguem alguém pra ficar no lugar um dia, vá lá. Mas e quando ele fica 15 dias de licença e não aparece um substituto?

Sandro está prestes a concluir o 3º ano. É o último que restou do grupo de amigos com idades próximas à sua na turma que ingressou no meio de 2009. Dos 32 alunos, restam 22.

- Quando o professor tira uma licença maior, não tem jeito de evitar que o aluno fique no prejuízo, porque o trâmite burocrático do estado para conseguir um substituto é demorado - admite a vice-diretora do turno da noite na escola, Malone Tupy Ruas.

O lote de computadores entregue pela Secretaria de Educação não funciona. Com isso, o curso profissionalizante de técnico em administração oferecido parece inútil. Como não há guarda municipal à noite, o uso de drogas é frequente nas quadras, e os banheiros só são abertos na hora do recreio. É a soma desses fatores que desanima alunos que sonhavam concluir o ensino médio.

- Com estudo já está difícil conseguir alguma coisa, então imagina sem - diz Sandro, justificando a insistência em concluir o curso.

Em frente à escola, Mateus Vieira de Souza, de 15 anos, esperava os colegas e dizia que, apesar de ter decidido deixar os estudos este ano, talvez um dia possa ser advogado:

- Minha mãe fica na cola, mas meus irmãos de 18 anos e 22 anos também saíram. Ninguém leva a sério a escola, eu também não vou levar.

O cozinheiro Thiago José da Silva, de 27 anos, parou de estudar no 1º ano do ensino médio e o trabalho à noite o impede de voltar aos estudos:

- O foco é quem trabalha de dia e, à noite, pode estudar. Conheço muita gente na situação oposta.

Fonte: O Globo/ Thiago Herdy/ Nova Lima -MG.

País tem mais de 86 mil adolescentes inscritos em cadastro de infratores

10/06/2011

Mais de 86 mil adolescentes entre 12 e 17 anos já passaram pelo Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei (CNJ), criado em fevereiro de 2009, e mantido pelo Conselho Nacional de Justiça, para reunir o histórico e o perfil dos infratores.

Segundo consulta realizada no final de maio, são 86.696 jovens inscritos e um total de 112.673 processos cadastrados, entre ativos e conclusos, desde a criação do banco de dados.

O juiz auxiliar da presidência do CNJ Reinaldo Cintra explicou que os adolescentes cadastrados foram ou estão sendo processados. De acordo com o levantamento, o número de processos ativos chega a 80.490.

Atualmente 28.467 jovens estão cumprindo algum tipo de medida sócio-educativa, que pode variar da advertência até a internação em estabelecimento educacional.

Também segundo o cadastro, a maior parte dos jovens registrados é do sexo masculino (25.802). E o número de adolescentes que estão cumprindo a medida sócio-educativa de internação chega a 4.546 em todo o país.

“O cadastro engloba adolescentes que respondem a algum tipo de processo para apuração de ato infracional e/ou estão cumprindo medidas socioeducativas, entre as quais prestação de serviço à comunidade, liberdade assistida, semiliberdade ou mesmo internação”, explicou Cintra.

O juiz é um dos responsáveis pelo Programa Justiça ao Jovem, um dos projetos criado pelo CNJ na área da infância e Juventude para promover a análise da forma como se processa a execução da medida socioeducativa de internação, bem como as condições físicas e pedagógicas das unidades que recebem os jovens infratores.

O programa existe desde junho de 2010. Praticamente todos os estados já foram visitados. Falta apenas São Paulo, cuja visita está prevista para ocorrer no segundo semestre deste ano.

Segundo Cintra, a ideia é lançar, até o final do ano, uma radiografia de todo o sistema socioeducativo, justamente com base nas visitas realizadas às unidades do país. O objetivo é criar políticas públicas apropriadas para os problemas encontrados nas visitas.

Por meio do projeto Justiça ao Jovem, a equipe do CNJ avalia as condições físicas das unidades de internação, assim como a existência de algum projeto pedagógico para os jovens internados. Para isso, são ouvidos os profissionais e cerca de 10% do total dos adolescentes. O trabalho envolve também a análise dos processos em tramitação nas varas da infância e juventude.

De acordo com Cintra, o que se vê na maior parte das unidades é a reprodução da realidade do sistema carcerário. “Algumas unidades de internação são piores que as cadeias”, afirmou.

“Sentimos que estamos vivendo uma fase de mudança de paradigmas por parte dos gestores do sistema, mas ainda prevalece a visão segregacionista e de contenção, comum para adultos. A medida se chama socioeducativa. Visa, portanto, a recuperar. O foco deve ser a educação formal e ética, a conscientização e responsabilização pelos atos praticados e à profissionalização”, acrescentou o juiz.

Cintra avaliou como sendo “muito alto” o número de adolescentes inscritos no cadastro de infratores. Com base nas visitas que realizou por meio do Justiça ao Jovem, ele aponta o perfil para os jovens inscritos. “São, em sua maioria, pessoas de classe social mais baixa e com pouquíssima escolarização. Muitos também vêm de lares desfeitos”, afirmou.

Fonte: O Girassol

Conferência Municipal da Juventude em Corumbá (MS), em 17 de junho

10/06/2011

Solenidade programada para o dia 17 de junho vai marcar o lançamento da 2a Conferência Municipal da Juventude em Corumbá. O ato está previsto para às 10 horas, no auditório da Prefeitura Municipal, com a presença de autoridades e segmentos da juventude.

A Conferência Municipal está sendo preparada pela Prefeitura, sob coordenação da Secretaria Especial de Integração das Políticas Sociais. Segundo o gerente de Ações para a Juventude, Márcio Cavasana, o encontro será preparatório para a etapa estadual, bem como a nacional, que acontecerá no período de 9 a 12 de dezembro de 2011, na capital federal.

Cavasana representa Corumbá e o Mato Grosso do Sul na articulação do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve) com os gestores estaduais e municipais de juventude, para tratar das etapas preparatórias da Conferência Nacional, que terá como tema central “Juventude, Desenvolvimento e Efetivação de Direitos”.

Fonte: MidiaMax

Mapeamento destaca inovação tecnológica em educação

13/06/2011

A Fundação Telefônica apresenta nesta quarta-feira, em São Paulo, os resultados de um mapeamento sobre o uso das tecnologias na educação. Analisados 60 projetos, os destaques são para ações no Rio de Janeiro, em Santa Catarina,  Pernambuco e Minas Gerais, como iniciativas que mais apresentam característica de inovação tecnoeductiva em todo o País.

"Mapeamos quando a inovação contribui para a educação a partir de três dimensões: a qualidade educativa, a integração de tecnologias e as tendências tecnológicas envolvidas", explica Marcia Padilha, coordenadora do Instituto de Desenvolvimento de Inovação Educativa (IDIE), responsável pela realização do trabalho.

Inovadores

De Belo Horizonte, o projeto Cartografias de Sentidos nas Escolas usa internet, celular, audiovisual e videogames para construir um mapa sensorial da cidade que traz depoimentos de seus habitantes, seus sons e cores característicos.

Na experiência de Petrópolis (RJ), os alunos desenvolvem o raciocínio lógico à medida em que aprendem linguagens simples de programação. O projeto trabalha, ainda, com as novas profissões digitais por meio da simulação de uma empresa multimídia e produz materiais pedagógicos para a escola e outros interessados usarem.

O desenvolvimento e a implementação de um sistema de experimentação remota, na área de física, com acesso livre via Web, é o projeto desenvolvido em Araranguá (SC).

Fonte: O Estado de S. Paulo

Jovem matemático encanta estudantes com aulas gratuitas na internet

13/06/2011

Diante de uma plateia formada por alguns dos mais bem-sucedidos empresários do Vale do Silício, na Califórnia, o americano descendente de indianos Salman Khan, 34 anos, recebeu aplausos especialmente efusivos vindos de um canto do auditório. O espectador mais entusiasmado era Bill Gates, fundador da Microsoft. que subiu ao palco para dizer que o jovem à sua frente estava dando uma contribuição decisiva para a utilização da internet na educação. Formado em matemática. ciência da computação e engenharia elétrica pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), Sal, como ficou mais conhecido, é o fenômeno atual da internet, digamos, séria. O site da Khan Academy (www khanacademy. org) está chegando rapidamente aos 60 milhões de acessos de pessoas interessadas em assistir gratuitamente a algumas de suas mais de 2000 aulas. Elas duram de dez a vinte minutos, tempo em que Sal explica de maneira milagrosamente simples fenômenos complexos de quarenta áreas do conhecimento. São aulas cujos temas variam do cálculo da hipoteca de um imóvel à diferença entre os vírus e as bactérias ou que ensinam como os materiais radioativos se desintegram.

Sal usa apenas sua voz e um mouse pad. com que escreve ou desenha os símbolos necessários para se expressar. O nível de dificuldade vai dos primeiros anos do ensino fundamental, abrangendo operações básicas de soma e subtração. ao MBA. Com lições sobre venture capital e as flutuações no preço do ouro.

Diz Sal: "Meus professores eram enfadonhos. Dou aulas como as que gostaria de ter tido".

Didática do desafio

À primeira vista, suas aulas não parecem exatamente atraentes. Na tela do computador, surge a reprodução de uma lousa preta, e ao fundo se ouve o timbre grave da voz de Sal. Um de seus méritos reside em dirigir-se aos estudantes em uma linguagem didática e compreensível. Outro é oferecer a seus seguidores desafios constantes. Só passa ao nível seguinte quem acerta pelo menos dez exercícios consecutivos, propostos ao cabo de cada lição.

O próprio ambiente virtual (ainda que. nesse caso, sem uso de grandes recursos tecnológicos) funciona por si só, como um poderoso chamariz para as crianças e os jovens que ali navegam. Cada um aprende no seu tempo, repetindo a explicação quantas vezes julgar necessário. "A internet estimula a apreensão de informações de forma autodidata e exerce um magnetismo sobre as novas gerações que não pode mais ser desprezado pelos educadores", observa José Armando Valente, do núcleo de informática aplicada à educação da Universidade Estadual de Campinas.

A estreia das aulas de Sal na rede deu-se em 2006, de maneira despretensiosa. Na época, ele trabalhava como analista do mercado financeiro e era frequentemente requisitado pelos três primos - de idade entre 10 e 12 anos - para que lhes tirasse duvidas de matemática. Como eles moravam em cidades diferentes. Sal teve a ideia de começar a produzir, de casa mesmo, vídeos com explicações bem curtas, em estilo já bastante parecido com o das aulas atuais. Punha o material na web via YouTube. Para seu espanto, não apenas os primos mas muitas outras pessoas passaram a acompanhá-lo.

Foi em 2009, já com acessos na casa dos milhões e uma vultosa poupança, que Sal deixou o emprego em um fundo de investimento para dedicar-se exclusivamente ao que se tornara a Khan Academy. Sem fins lucrativos, virou um negócio que ele mantinha apenas com dinheiro próprio até receber um inesperado telefonema de Bill Gates. O fundador da Microsoft foi direto ao ponto: contou que os três filhos, e ele próprio, eram seus "seguidores incondicionais"- e doou à Khan Academy 1,5 milhão de dólares. A revista americana Formne, Gates disse: "Morro de inveja desse cara. Não consigo ensinar meus filhos como ele faz" Outra doação veio do Google, que destinou 2 milhões de dólares ao matemático, para que seu site fosse traduzido para pelo menos dez línguas, inclusive português - com prazo até 2012. Parte dos vídeos já recebeu traduções amadora,. que circulam na rede em blogs e sites de estudantes e professores.

Web na educação

O sucesso de Salman Khan é a prova de que o ensino pela internet tem um potencial que ainda não foi utilizado como poderia. Os especialistas atribuem o uso precário que se faz da web na educação ao despreparo dos professores. Alguns dos exemplos de sucesso obtidos em diversas partes do mundo ocorrem quando os mestres vencem suas próprias barreiras e inibições e passam a se sentir mais à vontade no ambiente da internet.

Em escolas do Japão ou da Coreia do Sul, os alunos são encorajados a ficar conectados, engajando-se em debates on-line ou fazendo experimentos científicos na rede -- em que cada um seja responsável por uma etapa do projeto. No Brasil, o colégio Integral, de Campinas, ainda em regime experimental, distribuiu tablets a estudantes do ensino médio. Os alunos agora discutem geopolítica em rede e compartilham seus esforços na resolução de problemas. Eles foram apresentados às aulas on-line de Sal na Khan Academy. "E uma tentativa de despertar a atenção de jovens que perderam o interesse pelo aprendizado da forma como ele 6 apresentado pela escola - uma instituição que parou no tempo", avalia o diretor Ricardo Falco.

Sal Khan guarda um traço comum a jovens que, como ele, acumularam dinheiro e desfrutaram certa notoriedade muito cedo: a excentricidade. Toma apenas uma refeição diária ("como os animais que vivem no zoológico") e faz reuniões de trabalho enquanto se exercita correndo pelas ruas da cidade de Mountain View, na Califórnia, onde mora.

"A lógica de Sal é sempre fazer no mínimo duas coisas ao mesmo tempo, com uma empolgação quase infantil", define o amigo Ariel Poler, 44 anos, fundador de cinco empresas de internet - uma delas vendida à Microsoft. Só recentemente Sal, casado com uma médica e pai de um menino de 2 anos, abandonou um cômodo acanhado de sua casa e instalou sua fundação educacional sem fins lucrativos em uma sala comercial. Contratou sete funcionários, mas ele próprio continua sendo o único responsável pelas aulas invariavelmente ministradas na lousa digital. Ele trabalha oito horas diárias, além daquelas dedicadas a estudar assuntos em que não é especialista -- caso da Revolução Francesa, cuja origem é explicada por Sal como o resultado esperado da coexistência de uma maioria de pessoas que trabalham, passam fome e ainda têm de sustentar com impostos alguns poucos "parasitas esnobes que se concedem títulos pomposos".

Fonte: Veja/ Renata Betti

MEC investe para ampliar acesso de jovens da rede pública ao ensino superior

13/06/2011

Com o objetivo de garantir o funcionamento das ações afirmativas das universidades federais brasileiras, o investimento do Ministério da Educação (MEC), em parceria com o Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes), aumentou 140% entre 2008 e 2010.

No ano passado, foram aplicados mais de R$ 300 milhões em moradia estudantil, auxílio alimentação e transporte, atenção à saúde, inclusão digital, cultura, esporte, auxílio-creche, apoio pedagógico e na facilitação do acesso de jovens universitários com deficiência.

O titular da Secretaria de Ensino Superior do MEC, Luiz Cláudio Costa, disse que o ministério vai repassar R$ 395 milhões às universidades federais para que o acesso de jovens da rede pública de educação ou com renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio seja ampliado.

Fonte: Valor Econômico

Enem bate recorde de inscrições com mais de 6 milhões

13/06/2011

Exatamente 6.221.697 se inscreveram para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, marcadas para os dias 22 e 23 de outubro. As inscrições terminaram às 23h59 da última sexta-feira (10) como programado.

Por mais um ano consecutivo, a Região Sudeste, com 2.312.312 inscritos, apresentou o maior número de participantes, seguida da Região Nordeste, com 1.903.135. Já a Região Sul apresentou 780.802 inscritos, seguido do Norte do país com 651.995 e o Centro-Oeste com 573.453 registros.

Pagamento

Os estudantes que ainda estiverem com inscrições pendentes devem efetuar o pagamento da taxa de R$ 35,00 até esta segunda-feira (13), nas agências do Banco do Brasil.

Para confirmar a inscrição, o candidato fará, também pela internet, opções entre gerar boleto ou declarar carência. No primeiro caso, é necessário imprimir o documento e pagar a taxa. O comprovante de inscrição estará acessível no sistema eletrônico do Enem até três dias úteis após o pagamento do boleto. O cartão de confirmação será enviado ao endereço informado pelo candidato no momento da inscrição — o número de acompanhamento estará acessível no sistema.

Fonte: Nota 10/ IG

Movimento defende qualidade na educação, além de expansão do ensino

13/06/2011

As metas e diretrizes do novo Plano Nacional de Educação (PNE), apresentado pelo Poder Executivo em dezembro de 2010, preveem expansão do ensino, mas sem garantir qualidade. A conclusão é do coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara. A instituição propôs 101 emendas ao texto final do PL 8035/2010.

O Plano, que tramita na Câmara dos Deputados, recebeu 2.915 sugestões de emendas da sociedade civil, até a última quarta-feira (8/6). O número representa um recorde de participação. Até então, o projeto da Constituição Federal de 1988 foi o que recebeu mais propostas, alcançando 1,5 mil.

Instituições ligadas à educação comemoraram. Com previsão de vinte metas a serem cumpridas para os próximos dez anos, o projeto do PNE foi debatido por diversas entidades, movimentos sociais e organizações.

Das emendas propostas pela Campanha Nacional, aproximadamente 20% estão relacionadas ao financiamento do ensino. “Nas propostas, trabalhamos na lógica de reorganizar o sistema de financiamento. Porque existe algo claro: se a União não melhorar os patamares de investimento e não distribuir recursos para estados menos desfavorecidos, o Brasil vai continuar reproduzindo desigualdades”, disse Cara.

O PNE prevê 7% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação, enquanto movimentos sociais e entidades ligadas à educação pedem 10%. Segundo estudo do professor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Nelson Cardoso do Amaral, se os 7% forem mantidos, o Brasil só chegará ao custo anual por aluno para uma educação de qualidade em 2060. Com 10% do PIB, a meta seria atingida em 2030.

“Teremos, durante os próximos 20 anos, uma taxa de população em idade escolar alta. Isso significa que é gente pronta para trabalhar. Se não educarmos essa população com boa qualidade, o resultado vai ser desastroso”, analisa o coordenador. “No futuro, não conseguiremos pagar os sistemas previdenciários, porque o Brasil vai ser uma população que só exporta produtos agrícolas, por não ter desenvolvido sua capacidade produtiva.”

O Congresso Nacional instituiu uma Comissão Especial dedicada a analisar o Plano, em 13 de abril. Até agora, ela realizou quatro audiências públicas na Câmara. Além disso, deputados federais pretendem estabelecer parcerias com deputados estaduais e organizar audiências públicas nos estados.

O relator do Plano, deputado Angelo Vanhoni (PT/ PR), já afirmou que a primeira versão do relatório será entregue até o início de setembro. Mas com o número alto de emendas, ainda não é possível determinar quando o relatório estará pronto para ser votado.

A análise dos deputados da Comissão é terminativa. Depois de votado, nesta esfera, o texto deverá seguir diretamente para o Senado Federal.

Fonte: Aprendiz

UFSCar realiza a II Jornada de Estudos sobre a Educação Especial e a Educação no Campo

13/06/2011

Começa amanhã, 14 de junho, na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) a "II Jornada de Estudos: a interface entre Educação Especial e Educação no Campo". O evento recebe pesquisadores de outras instituições de ensino superior do Brasil para discutir temas como o foco na educação escolar indígena. A atividade é aberta a todos os interessados.

A programação conta com mesas-redondas apresentadas por Marilda Bruno, docente da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Silvia Meletti, docente do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina (UEL), e de professora Clarice Cohn, do Departamento de Ciências Sociais da UFSCar. Além das mesas-redondas, a atividade também apresenta sessões de comunicação oral de pesquisa e extensão na área.

O evento acontece das 9h às 17h, no Auditório do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH), localizado no edifício de aulas teóricas AT 2, na área Sul do campus São Carlos. Mais informações pelo e-mail eecampo2011@gmail.com.

Fonte: UFScar

Desafio National Geographic 2011 recebe inscrições

13/06/2011

Já estão abertas as inscrições para o concurso Viagem do Conhecimento - Desafio National Geographic 2011. Trata-se de um concurso estudantil, realizado pela revista National Geographic Brasil e pela Editora Abril, que visa estimular jovens estudantes, com seus núcleos familiares e escolares, a conhecer melhor o espaço, o país e o mundo onde vivem.

A inscrição deve ser feita até 29 de julho de 2011 por um responsável da instituição de ensino (diretor, coordenador ou professor de Geografia) no site oficial do desafio www.viagemdoconhecimento.com.br. Nele também está publicado o regulamento completo e todo o material de apoio.

Podem participar do Desafio National Geographic 2011 alunos regularmente matriculados nos 8º e 9º anos do Ensino Fundamental e na 1ª série do Ensino Médio em escolas públicas e particulares de todo o país.

Fonte: Assessoria

 

Fuvest não usará nota do Enem

14/06/2011

A assessoria de imprensa da pró-reitoria da USP (Universidade de São Paulo) confirmou ontem que a instituição, mais uma vez, não vai utilizar a nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) no seu vestibular.

"O não uso da nota do Enem na Fuvest 2012 se deveu a problemas de calendário", informou a universidade, em nota, na tarde de ontem. Esse foi o mesmo argumento usado pela USP nos últimos dois anos.

Segundo a assessoria da USP, a entidade "não pretende discutir o assunto" neste mês, já que o edital do vestibular deste ano já está sendo preparado.

A Fuvest abriu ontem as inscrições para pedidos de isenção da taxa de R$ 120.

O cadastro deverá ser feito até o dia 5 de agosto. A lista com os estudantes beneficiados com a isenção --estimados em 65 mil candidatos-- será divulgada no dia 22 de agosto pelo site da Fuvest.

As inscrições para o vestibular da USP vão começar no dia 26 de agosto.

Fonte: Agora - SP

Cartilha orienta alunos para acesso ao ensino superior

14/06/2011

Em Goiás, a Secretaria da Educação enviou a todas as escolas da rede estadual que possuem turmas de ensino médio uma cartilha de orientação aos estudantes sobre como participar dos programas do governo e das instituições de ensino superior públicas e privadas.

O objetivo é propiciar aos alunos da rede estadual oportunidades de acesso à universidade por meio do Exame Nacional de Ensino Médio - Enem, do Programa Universidade para Todos - Prouni, do Sistema de Seleção Unificada - Sisu, do Fundo de Financiamento do Estudante do Ensino Superior - Fies, da Bolsa Universitária da Organização das Voluntárias de Goiás - OVG, entre outros.

Além de apresentar cada um dos programas que, nos últimos anos, têm ampliado o acesso ao ensino superior de estudantes egressos de escolas públicas, índios e negros, a cartilha detalha os projetos de algumas universidades, criados com o mesmo objetivo, com o da Universidade Federal de Goiás, o UFG Inclui, que destina 10% das vagas para alunos de escolas públicas e 10% para estudantes negros; o Programa de Avaliação Seriada - PAS - da Universidade de Brasília - UnB; o Sistema de Avaliação Seriada - SAS - da Universidade Estadual de Goiás - UEG; e a reserva de vagas para estudantes de escolas públicas no Instituto Federal de Tecnologia.

Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio é aplicado pelo Ministério da Educação na forma de uma prova de múltipla escolha num total de 180 questões objetivas mais redação. As universidades podem usar o Enem como fase única; com o Sistema de Seleção Unificada - Sisu; como primeira fase; combinado com o vestibular; ou para preenchimento das vagas que sobrarem do vestibular. As notas também podem ser usadas na certificação do Ensino Médio. As inscrições são feitas pelo endereçowww.inep.gov.br.

Prouni

O Programa Universidade para Todos é feito em duas etapas e tem por objetivo conceder bolsas de estudos integrais e parciais em cursos de universidades particulares. Os estudantes que tenham feito o Ensino Médio total ou parcialmente na rede pública ou que tenha sido bolsista em instituição particular de ensino podem pleitear a bolsa na PUC-GO, Unip, Alfa, Unifan, Universo, Padrão e UniAnhanguera. Além de ter estudado na rede pública, o aluno deve ter renda familiar de até um salário mínimo e meio. As inscrições também podem ser realizadas pela internet.

Sisu

O Sistema de Seleção Unificada é um programa desenvolvido pelo MEC para selecionar candidatos a vagas em universidades públicas que usam a nota do Enem como única fase de seleção. O aluno é selecionado com base na nota do Enem. A Universidade Federal de Goiás participa do Sisu. Inscrições pela internet pelo site www.ufg.br.

Fies

O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior é outro programa do MEC destinado a financiar a graduação em universidades particulares. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) é o agente operador do programa que tem juros de 3,4% ao ano. O financiamento pode ser feito em qualquer período do curso, pelo site do Fies na página do MEC. Depois da inscrição, o aluno deve comprovar as informações apresentando a documentação exigida à Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento, na própria universidade onde estuda. Em seguida, o estudante deve procurar um dos bancos do sistema e assinar o contrato.

Bolsa Universitária

O programa da Organização das Voluntárias de Goiás atende alunos que não têm condições de pagar seus estudos. A Bolsa Universitária oferece R$ 250 mensais para complementar a mensalidade na instituição particular. Em contrapartida, o estudante presta serviço em instituição do governo ou em organismo não-governamental, com carga horária compatível com as atividades escolares.

Fonte: Diário da Manhã  – GO

Professores não acreditam que alunos irão concluir ensino médio

14/06/2011

Apenas 38% dos professores que dão aulas para alunos mais pobres no ensino fundamental da rede pública dizem acreditar que quase todos os estudantes concluirão o ensino médio. O dado, revelado pelo economista Ernesto Martins a partir do questionário da Prova Brasil -- exame do MEC que avalia a qualidade da educação básica-, levanta uma discussão importante.

De um lado, os professores podem simplesmente estar sendo realistas. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do IBGE, só 38% dos jovens de 18 a 24 anos tinham nível médio completo em 2009. A descrença na capacidade de muitos alunos completarem o ensino médio pode, no entanto, tornar-se uma profecia autorrealizadora.

Para Ernesto Martins, autor do levantamento, é preocupante constatar que muitos professores demonstram não acreditar no sucesso do trabalho desenvolvido pelas escolas onde eles lecionam. "O fracasso do aluno deveria ser encarado também como fracasso do professor e da escola", diz o economista.

Mozart Neves Ramos, conselheiro do movimento Todos Pela Educação e membro do Conselho Nacional de Educação, compara o professor ao médico. "Em ambientes com poucos recursos e muitos problemas, o professor percebe que, por mais que se esforce, será mais difícil mudar a realidade. Se o médico não acredita na cura de um paciente em estado grave, se esforçará menos para salvá-lo."

Fonte: Gife/ Folha de S.Paulo

Prêmio Gestão Escolar tem inscrições abertas até dia 17

14/06/2011

Iniciativas criativas que melhorem a qualidade da educação em escolas e que possam ser facilmente replicados em qualquer região do país. Todos, resultado do trabalho diário de diretores, professores, alunos e que foram revelados ao longo dos últimos doze anos pelo Prêmio Gestão Escolar, que está com inscrições abertas até 17 de junho. O Prêmio busca experiências bem sucedidas em gestão escolar. Experiências que inovam e provocam transformações significativas no cotidiano de pessoas em todo o Brasil.

Podem participar escolas de educação básica (educação infantil, ensino fundamental e/ou médio) das redes públicas estaduais e municipais de todo o país. As inscrições podem ser feitas pelo regulamento do Prêmio Gestão Escolar ano-base 2010, que pode ser solicitado nas secretarias de Educação e que, este ano, também está disponível no site do Consed: WWW.consed.org.br.  A novidade é que as escolas que preferirem também podem se inscrever pelo site. Após esta etapa das inscrições, os comitês estaduais avaliam as escolas inscritas e escolhem a que vai representar cada um dos estados na etapa nacional. Em seguida, representantes dos parceiros do Prêmio formam um comitê nacional, que avalia a escola representante de cada estado e seleciona as seis escolas que concorrerão ao “Prêmio Gestão Escolar – Referência Brasil”.

As escolas selecionadas em cada um dos estados recebem um diploma de “Destaque Estadual/Distrital”. Aos seus diretores, por meio de uma parceria com a Embaixada dos Estados Unidos, será oferecida uma viagem de intercâmbio de experiências aos Estados Unidos, onde vão conhecer escolas públicas americanas.

Este ano, o Prêmio Gestão Escolar aumentou o valor da premiação: a escola classificada como “Destaque Brasil” receberá R$ 30 mil. As seis escolas finalistas ganharão R$ 10 mil. Já as escolas selecionadas como “Destaques Estaduais” ganharão R$ 6 mil cada. Além disso, para divulgar as ações do Prêmio em todo o país, agora existe uma adesão formal das Secretarias Estaduais de Educação ao Prêmio. “Vamos trabalhar ainda mais em conjunto com os secretários de Educação e com os colaboradores das secretarias”, enfatiza a secretária-executiva do Consed, Nilce Rosa da Costa.

Criado em 1998, o Prêmio Nacional de Referência em Gestão Escolar é uma iniciativa conjunta do Conselho Nacional de Secretários de Educação – Consed, da União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação – Undime, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), do Ministério da Educação (MEC), da  Fundação Roberto Marinho, da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, do Instituto Razão Social, do Grupo Gol, do Todos Pela Educação, da Fundação Itaú Social, da Gerdau e do Movimento Brasil Competitivo.

Fonte: Gife

Cursos de especialização para educadores da rede paulista recebem pré-inscrições

14/06/2011

Está aberto o período de pré-inscrições para educadores da rede estadual de São Paulo interessados em participar dos cursos de especialização oferecidos pela Secretaria da Educação. Trata-se da segunda edição do programa Redefor, executado pela Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Professores do Estado de São Paulo, em parceria com as três universidades estaduais paulistas – USP, Unicamp e Unesp.

São ofertados 16 cursos a distância, com 20.090 vagas para diretores, professores-coordenadores e docentes das escolas de Ensino Fundamental Ciclo II, Ensino Médio e EJA, além de dirigentes, supervisores de ensino e professores-coordenadores das oficinas pedagógicas. Os interessados devem fazer sua pré-inscrição até o dia 3 de julho, no site http://www.escoladeformacao.sp.gov.br/, por meio do link “Redefor 2011/2012”.

Podem se cadastrar educadores efetivos ou estáveis, de acordo com a base de dados de abril deste ano Departamento de Recursos Humanos, habilitados ou qualificados, que não tenham participado da primeira edição do programa (2010/2011) e não estejam inscritos no curso Gestão para o Sucesso Escolar (diretores), também oferecido pela Escola de Formação.

Após o período de pré-inscrições, será divulgada a lista de validação e classificação dos candidatos, que considerará o número de vagas disponíveis para cada curso, a ordem de pré-inscrição e as regras de classificação definidas para cada público, disponibilizadas no site do programa Redefor. O início dos cursos está programado para o dia 26 de setembro de 2011, com término previsto para novembro de 2012. Todas as atividades, presenciais e online, serão realizadas fora do horário de trabalho de cada cursista.

Fonte: Aprendiz

Contato - Imprensa

05/08/2011
Informações para a imprensa

Que juventude o país precisa? E que país a juventude quer?

 

O Portal Onda Jovem é um projeto que surgiu da revista homônima que circulou na versão impressa durante seis anos. Atenta às novas mídias e em seu potencial de disseminação de informações, a publicação reforçou em 2011 sua atuação em ambiente virtual. Com a nova proposta, a versão impressa sai temporariamente de circulação e o portal ganha força, com atualização diária, novas áreas de conteúdo e mais espaços para diálogo.

O enfoque é o segmento da juventude, na perspectiva de quem lida com o jovem – educadores, profissionais de diversos setores sociais, especialistas e estudiosos – e do próprio jovem que deseja influir no modo como é percebido pela sociedade.

Patrocinado pelo Instituto Votorantim, o projeto é antes de tudo um investimento social no potencial da juventude brasileira, cuja força demográfica se destacará nas próximas duas décadas, totalizando uma população inédita de quase 36 milhões de jovens em 2025.

Todo o conteúdo do portal é aberto e sua reprodução é livre. Desta forma, a projeto Onda Jovem busca exercer sua missão que é disseminar repertório sobre a causa juventude.

 

Sobre o projeto

Produzido pela consultoria Olhar Cidadão, o portal ONDA JOVEM aborda o desenvolvimento integral do jovem como eixo principal, buscando a diversidade de perspectivas e a multiplicidade de perspectivas. Por meio de reportagens, ensaios e entrevistas com jovens e profissionais especializados, procura trazer para a agenda pública temas que merecem reflexões, contribuindo para enriquecer o debate e avançar nas soluções.

Para reproduzir conteúdo, repercutir assuntos sobre juventude ou solicitar entrevistas, entre em contato:


Olhar Cidadão
contato@ondajovem.com.br
(11) 5083 2250

Cidades sustentáveis são o tema da nova edição do Prêmio Jovem Cientista

15/06/2011

A 25ª edição do Prêmio Jovem Cientista foi lançada na última segunda-feira na Universidade de Brasília (UnB). Este ano o tema são as cidades sustentáveis. Podem se inscrever estudantes dos ensinos médio e superior e graduados das mais diversas áreas do conhecimento.

O prêmio ajuda a dar visibilidade à produção científica no Brasil.O diretor do serviço de prêmios do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Guilherme Sales, disse que uma das grandes preocupações do conselho é assegurar a permanência dos pesquisadores no País, uma vez que a maioria acaba indo para o exterior em  busca de mais recursos e oportunidades para desenvolver seus trabalhos.

O reitor da UnB, José Geraldo de Souza, disse que este ano o prêmio abrirá muito mais oportunidades aos pesquisadores, tal a amplitude do tema, que envolve urbanização, meio ambiente, gestão das águas urbanas, agricultura e sustentabilidade, entre outros.

A doutora em Arquitetura Marta Adriana Bustos Romero ressaltou a relevância do tema, que envolve questões urgentes para a sociedade brasileira.

“A importância do prêmio se dá a partir do momento em que buscamos melhores condições de vida, que foram perdidas ou prejudicadas pelo processo do crescimento desordenado das cidades”.

Quem quiser inscrever trabalhos ou buscar informações, deve acessar a página do Prêmio Jovem Cientista na internet: http://www.jovemcientista.org.br/

Fonte: Agência Brasil

Celebração reúne jovens pela vida da juventude

15/06/2011

Nesta quarta-feira (15), jovens em todas as regiões do Brasil realizam celebrações pela vida da juventude. A atividade faz parte da Campanha Nacional contra a Violência e Extermínio de Jovens e será realizada no marco dos dois anos de morte do Padre Gisley Azevedo, que era assessor do Setor Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). "É o primeiro ano que realizaremos esta atividade, mas esperamos que ela possa se repetir”, afirma Thiesco Crisóstomo, secretário Nacional da Pastoral da Juventude (PJ).

O Dia Nacional de Oração pela vida da juventude "será realizado de forma simples através de um ofício divino compartilhado com vários grupos e comunidades”, explica osecretário da PJ. A proposta é que a "Páscoa” do Pe. Gisley possa ser lembrada através de um roteiro de celebração a ser realizado em escolas, comunidades, grupos de jovens, dentre outros espaços, sendo puxados pelas Pastorais de Juventude ou outras organizações.

"O assassinato do Padre Gisley tem sido uma das forças motrizes da Campanha. É uma forma de mostrar que o seu martírio não foi em vão”, afirma Thiesco. Ele acredita que a violência cometida contra o padre expressa o porquê da existência da Campanha contra Violência e Extermínio de Jovens.

Gisley Azevedo foi morto aos 31 anos, em Brasília (DF), em um assalto e teria sido atraído pelos executores através do trabalho de auxílio que realizava com esses jovens, tendo em vista que recebeu um telefonema de um deles."Comprometido com a vida da juventude, (...) lamentavelmente ele foi vítima da violência que ansiava combater”, diz a nota da CNBB divulgada à época.

A campanha

A Campanha foi lançada em novembro de 2009 pelas Pastorais da Juventude do Brasil, com o apoio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A proposta nasceu com o intuito de unir forças em defesa da vida da juventude, denunciar o extermínio de jovens no Brasil e desenvolver ações que possam contribuir pra mudar esta realidade.

Fonte: Adital

Estudo comprova elo entre abandono escolar e criminalidade

15/06/2011

O abandono da escola aumenta a violência, bem como a violência na escola gera baixa no rendimento escolar. Estas conexões foram confirmadas pelo economista Evandro Camargos Teixeira em sua tese de doutorado apresentada no Departamento de Economia, Administração e Sociologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba.

O estudo foi realizado por meio de modelos econométricos, um conjunto de ferramentas e dados estatísticos que possibilitou analisar o vínculo entre educação e criminalidade.

Criminalidade e educação foram examinadas no estudo de duas formas: o impacto da educação defasada ou o abandono escolar sobre a criminalidade do ano posterior ao abandono, em todos os Estados brasileiros, no período 2001 a 2005; e também o efeito da violência sobre o desempenho escolar dos alunos do Estado de São Paulo em 2007.

A relação de todos os dados foi estabelecida em um banco de dados. A conclusão após o cálculo matemático no modelo econométrico foi de que a criminalidade aumentou em 51% em todos os Estados brasileiros, conjuntamente analisados, no período de 2001 a 2005, devido à evasão escolar.

“Não se pode afirmar que todos os alunos se tranformem em bandidos. Aliás, este não foi o foco do estudo”, afirma Teixeira. Segundo o pesquisador, quem deixa a escola tem tanto a possibilidade de virar membro de uma gangue, quanto de simplesmente estar excluído do mercado de trabalho formal. “O modelo apenas associou e assinalou a proporção direta de crescimento entre abandono defasado ou evasão escolar e taxas de homicídio, quando a evasão aumenta, os homicídios também crescem”.

Precisão estatística

Para o estudo, foram captados dados sobre a taxa de evasão escolar no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). Estatísticas referentes às taxas de homicídios foram obtidas junto ao Banco de Dados do Sistema Único de Saúde (DATASUS) para a análise da criminalidade. Já as informações socioeconômicas sobre desemprego na faixa etária de 15 a 24 anos, taxa de mortalidade infantil e desigualdade de renda vieram do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E os gastos com segurança pública foram obtidos no Tesouro Nacional.

O pesquisador explica que “a escolha pelas taxas de homicídio ocorreu devido à maior precisão estatística, pois informações sobre outros crimes, em geral, são subnotificadas devido a ausência de registro de boletins de ocorrência pelas vítimas.”

Sobre o efeito da criminalidade no desempenho escolar, o economista se concentrou nas disciplinas de Matemática e Português ministradas a alunos dos 5º, 7º e 9º anos do ensino fundamental, e do 3º ano do ensino médio. Esses dados foram obtidos junto ao Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP).

Entre os fatores utilizados para o cálculo, havia informações fornecidas pelo próprio aluno sobre renda, sexo, cor, emprego. Já pela escola, além do desempenho escolar nas discilpinas de Matemática e Língua Portuguesa que classifica as notas em abaixo do básico, básico e avançado, havia dados relativos à porcentagem de professores efetivos, participação da comunidade, violência, equipamentos e conservação da infraestrutura.

Teixeira relata que “para estabelecer a renda do aluno foi necessário criar uma variável que agregasse as respostas do questionário sócioeconômico que trazia informações como a quantidade de geladeiras, micro-ondas, televisões, entre outros bens que pudessem existir na casa do estudante.”

Após a inserção das estatísticas no modelo econométrico, foi possível constatar que a criminalidade na escola realmente influencia o desempenho escolar. Segundo a pesquisa, para alunos do 3º ano do ensino médio, a probabilidade de o desempenho na disciplina Matemática ser considerado satisfatório diminuiu em 0,54% em relação a desempenhos anteriores e melhores, quando não há violência na escola. A maior sensibilidade, entretanto, acontece entre os alunos do 9º ano, cujo rendimento decai em 0,89%. Ambos os dados, inferem que a violência diminuiu a probabilidade de o aluno ir bem nas provas.

A tese “Dois ensaios acerca da relação entre criminalidade e educação” foi defendida, em 2011, orientada pela professora Ana Lucia Kassouf.

Fonte: Agência USP / Sandra O. Monteiro

Olimpíada de Matemática reúne mais de 18 milhões de estudantes

15/06/2011

A edição deste ano da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) recebeu inscrições de 44,6 mil escolas da educação básica e de 18,7 milhões de estudantes das 27 unidades da Federação. As inscrições foram encerradas no dia 3 último.

Conforme o calendário da 7.ª edição da Obmep, a primeira fase de provas está prevista para 16 de agosto. Nessa etapa, os testes serão aplicados em cada escola. Na segunda fase, em 5 de novembro — definição dos medalhistas de ouro, prata e bronze e das menções honrosas —, as provas serão aplicadas por fiscais indicados pela coordenação da olimpíada em centros de ensino. A premiação está prevista para fevereiro de 2012.

As provas serão aplicadas em três níveis. O primeiro, a alunos matriculados no sexto ou sétimo ano do ensino fundamental; o segundo, a estudantes do oitavo ou nono ano do ensino fundamental; e terceiro, a alunos matriculados em qualquer série do ensino médio.

Medalhas — A entrega das medalhas de ouro da Obmep de 2010 está marcada para o dia 21 próximo, às 14h30, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Serão contemplados 504 estudantes de escolas públicas de ensino fundamental e médio. Estão convidados para o evento estudantes de cinco unidades da Federação que não conseguiram medalhas de ouro na competição do ano passado.

Segundo a coordenação da Obmep, os 900 medalhistas de prata e os 1,8 mil de bronze classificados em 2010 receberão a premiação em solenidades regionais — caberá menção honrosa aos 30 mil alunos que obtiveram pontuação nacional, mas não ganharam medalhas.

A Obmep é promovida pelos ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia e realizada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura Aplicada (Impa), com o apoio da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM). O objetivo é estimular o estudo da matemática entre alunos e professores da educação básica.

Fonte: Nota 10

Haddad: PNE não pode ser "carta de intenções"

16/06/2011

"É importante que o plano não seja uma carta de intenções, não podemos repetir esse erro. Temos de ter clareza de que cada meta deste plano será observada pela sociedade ao longo da década e, portanto, temos de honrar a palavra empenhada à sociedade", disse o ministro da Educação, Fernando Haddad, na audiência pública da comissão especial criada na Câmara federal para discutir o novo Plano Nacional de Educação. "(O PNE) Não é só um desejo, é uma vontade combinada com determinações bastante efetivas", completou.

O plano estabelece 10 diretrizes e 20 metas para os próximos dez anos. Prevê valorização do magistério público da educação básica, duplicação das matrículas da educação profissional técnica de nível médio, destinação dos recursos do Fundo Social do pré-sal para a área de ensino e ampliação do investimento público em educação até atingir 7% do Produto Interno Bruto do País (PIB). Até agora, o projeto de lei recebeu cerca de 3 mil emendas. Quando aprovado, seguirá para o Senado.

Na Câmara, deputados integrantes da comissão avaliavam que o PNE ainda não havia entrado efetivamente na pauta do Palácio do Planalto, tramitando na Câmara sem o apoio explícito de Haddad e da presidente Dilma Rousseff. Apenas em maio o Ministério da Educação (MEC) encaminhou as notas técnicas que justificam as metas traçadas no plano, consideradas pouco ambiciosas por entidades.

Durante a audiência pública na Câmara, Haddad rebateu os comentários de que falta ousadia às metas do PNE. "É preferível superar a meta. Isso não significa dizer que estou propondo pouca ousadia, mas a ousadia tem de ser proporcional ao esforço que a sociedade se comprometerá a fazer".

Fonte: Agência Estado

Para especialistas, PNE é lista de Papai Noel

16/06/2011

 

O Congresso deverá aprovar o terceiro Plano Nacional de Educação (PNE) até novembro. A proposta do Executivo poderá sofrer emendas, mas dificilmente será alterada sua essência. Os dois planos anteriores oscilaram entre utopias e inconsequências. Não se espera nada diferente agora. O plano atual é uma versão mitigada do mesmo.

O PNE foi elaborado em processo participativo, que culminou em um grande Encontro Nacional de Educação. Sindicatos, associações e ONGs foram chamadas a se pronunciar. Resultou numa enorme lista de Papai Noel, posteriormente resumida na proposta elaborada pelo Ministério da Educação.

Mas o ministério não tem escolas de nível básico, tampouco instrumentos para convencer prefeitos a gastar o prescrito ou operar de modo diferente. O mesmo acontece com os Estados.

No caso de universidades federais, elas são autônomas. A realidade é que não se muda a sociedade, ou a educação, com planos grandiosos e metas genéricas.

Mais dinheiro não implica melhores resultados. São necessárias políticas consistentes e persistência na implementação.

Nos anos 90, o Brasil universalizou o ensino fundamental; desde então, continua a expandir a educação na pré-escola e no ensino médio. Mas ainda persiste em grande escala o analfabetismo escolar e funcional, e o abandono escolar entre adolescentes não se reduz.

A melhoria dos resultados do Pisa, em 2009, é boa notícia, porque nossa qualidade estava estacionada há décadas. Mas é pouco, pois 55% dos jovens de 15 anos nas séries apropriadas ainda não sabem o mínimo requerido de linguagem, e 73% desconhecem o patamar básico em matemática. Formamos muito pouco com alto nível de desempenho; com isso, comprometemos a competitividade do país.

Não é fácil sair dessa situação. A experiência internacional indica caminhos que precisam ser trilhados. Alguns deles são:

1 - Mudar o sistema de gestão das escolas públicas: mais autonomia e responsabilidade pelos resultados; novas formas de parceria público-privada e veto à influência político-partidária na designação de gestores e professores nas secretarias de Educação;

2 - Definir com clareza conteúdos dos currículos nos diversos níveis de ensino e alinhar os materiais pedagógicos e sistemas de avaliação;

3 - Exigir que todas as crianças sejam alfabetizadas no primeiro ano do ensino fundamental, valendo-se de metodologias e materiais pedagógicos testados;

4 - Rever o sistema de formação e carreira de professores, que devem dominar os conteúdos como condição de ingresso, passar por período probatório de prática supervisionada e por processo de certificação;

5 - Facilitar e estimular o acesso de profissionais de nível superior e de estudantes de pós-graduação ao magistério;

6 - Permitir que o ensino médio se diferencie na pluralidade de opções acadêmicas e profissionais e que o Enem se transforme em um conjunto de certificações correspondentes ao leque de opções;

7 - Eliminar o ensino médio no período noturno;

8 - Mudar o atual sistema de educação de jovens e adultos para um leque de certificações distintas, sobretudo de natureza profissional.

Sabe-se que a execução de medidas como essas irá depender da clara definição das responsabilidades dos três níveis de governo. Isso, mais a revisão de vários aspectos da Lei de Diretrizes e Bases, pode ser objeto de lei.

Ainda caberia à esfera federal estimular iniciativas de reforma bem conduzidas. Dessa forma, sim, teremos uma perspectiva para melhorar a educação.

Fonte: Folha de S.Paulo/ Claudio de Moura Castro, J. B. Araujo e Oliveira e Simon Schwartzman

 

Adolescentes de centros urbanos dormem menos que os da zona rural, diz estudo

16/06/2011

Aquele adolescente sonolento em sala de aula, que presta pouca atenção e tem dificuldade de aprender, pode estar perdendo horas de sono por estar exposto demais às tecnologias.

Estudos apontam que estudantes de centros urbanos estão dormindo entre uma hora e meia e duas horas a menos do que o necessário por dia.

A realidade é diferente na zona rural, onde internet, computadores e videogames não têm atrapalhado as horas de descanso.

A conclusão é resultado de pesquisas apresentadas no 7º Congresso Brasileiro de Cérebro, Comportamento e Emoções, iniciado dia 15 e que termina amanhã, 18, em Gramado (RS).

O neurocientista Fernando Louzada, da Universidade Federal do Paraná, alerta: “O sono dificulta a atenção e atrapalha o desempenho escolar. A privação do sono também está associada à alteração do humor e pode agravar quadros de depressão”.

Fonte: Zero Hora

Concurso premia boas práticas de utilização e conservação do livro didático

16/06/2011

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) lançou na quarta-feira (15), o concurso Ações Inovadoras no Livro Didático, com inscrições abertas até 14 de agosto.

A iniciativa visa a premiar e difundir boas práticas de escolas públicas e de secretarias estaduais e municipais de educação voltadas ao remanejamento, à conservação e à devolução dos livros didáticos distribuídos pelo governo federal.

Segundo a coordenadora geral dos programas do livro do FNDE, Sonia Schwartz, o concurso é uma forma de reconhecer a gestão educacional eficiente. “Ideias simples, criativas e aplicáveis à realidade local fazem toda a diferença no ambiente escolar”, afirma.

Premiação

Para incentivar gestores e professores no cuidado com o livro didático, a autarquia buscou uma premiação atrativa, que vai além de troféus e certificados para os primeiros colocados. As equipes vencedoras vão ganhar também os 361 livros do Programa Nacional Biblioteca da Escola e da Coleção Educadores, além de passagens e hospedagem para apresentar suas experiências no 13.º Encontro Técnico Nacional dos Programas do Livro. O evento ocorrerá em Curitiba, no Paraná, de 4 a 7 de outubro.

Os interessados em participar do concurso devem acessar o regulamento e a ficha de inscrição no sítio do FNDE. Depois de preenchê-los conforme orientações do regulamento, basta enviar os documentos por e-mail até 14 de agosto. O resultado sai em 14 de setembro.

Fonte: Nota 10

Quantidade de notícias sobre educação na Internet duplica a cada ano, revela estudo

16/06/2011

A quantidade de notícias sobre educação na Internet duplicou a cada ano entre 2007 e 2010 no Brasil, passando de 16.466 publicações no primeiro ano, para 118 mil.

A constatação é de uma pesquisa feita em mídias online e redes sociais, pelo grupo de monitoramento Miti Inteligência, divulgada em junho de 2011. O estudo observou aumento da repercussão de debates sobre ensino tanto por parte da imprensa, quanto dos usuários.

A coordenadora executiva da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Iracema Nascimento, avalia que a cobertura da imprensa tem melhorado. “Antes, apenas vestibular e ocorrências em escolas eram abordados pela mídia, mas podemos ver que mudou”, afirmou em declaração.

Para a secretaria executiva da Rede Andi Brasil, Cica Lessa, “focar em determinados temas, como a educação, é importante para dar visibilidade e influenciar na inclusão do assunto nas discussões e decisões de gestores públicos”, avaliou também em declaração. “Agora, a qualidade desta informação é outra coisa e também precisa ganhar força”.

Os dados da pesquisa, intitulada A Educação no Brasil, mostram ainda que o ensino médio é o maior foco das notícias, aparecendo em 58% das matérias analisadas. A maioria das informações evidenciava a necessidade de qualificação mínima para conquistas no mercado de trabalho, revelou a Miti, em nota.

Nas redes sociais, os assuntos mais comentados foram ensino médio e superior, que receberam altos índices de críticas. No caso do ensino médio, a quantidade de citações negativas é quatro vezes maior que as positivas. Sobre o ensino superior, também há mais menções pejorativas.

Voz do jovem

Com a análise, uma das conclusões tiradas foi de que jovens e adolescentes tratam com descaso a escola em seus diferentes níveis de ensino. Nas redes sociais, o monitoramento verificou grande quantidade de interações em que usuários demonstram sua insatisfação em ir para a aula, tratando a prática dos estudos apenas como uma obrigação.

De acordo com educadores, a desmotivação dos alunos vem sendo constatada, o que acaba por refletir mais diretamente nos professores, iniciando um ciclo de desvalorização da escola.

Fonte: Aprendiz

Estados têm até amanhã para convocarem conferências de juventude

16/06/2011

As etapas preparatórias da 2ª Conferência Nacional de Juventude já estão mobilizando estados e municípios em todo o país. Até o momento, dezesseis dos 27 estados da Federação já convocaram as conferências estaduais, incluindo o Distrito Federal, que lança oficialmente a sua conferência nesta quinta-feira, 16 de junho, em Brasília.

É necessária uma ação urgente nos onze estados que ainda não convocaram suas conferências, pois o prazo está quase encerrando e os governadores têm até esta sexta-feira, 17 de junho, para oficializar as datas dos seus respectivos encontros.

Segundo Angela Guimarães, coordenadora da Comissão Organizadora, é fundamental assegurar a representatividade de toda a juventude brasileira, com a participação de todos os estados e do maior número possível de municípios. Ela lembra que as conferências estaduais acontecem entre 1º de setembro  e 31 de outubro. Antes disso, no período de 1º de junho a 31 de agosto, ocorrem as etapas municipais e territoriais e, além destas, as conferências livres, que podem ser realizadas até 31 de outubro.

Sob o lema “Conquistar Direitos, Desenvolver o Brasil, a 2ª Conferência Nacional de Juventude será realizada na capital federal, entre os dias 9 e 12 de dezembro. O objetivo dos organizadores é ampliar ainda mais a participação neste segundo encontro, superando as 400 mil pessoas que marcaram presença na 1ª Conferência, em 2008.

As  etapas estaduais já foram convocadas pelos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Acre, Rondônia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e o Distrito Federal. A expectativa da Comissão Organizadora é que até a próxima sexta-feira, os demais estados se manifestem e convoquem as suas conferências, assegurando a representatividade no encontro nacional.

Quaisquer informações sobre o processo da Conferência podem ser obtidas no site  www.juventude.gov.br , pelo email conferencia.juventude@planalto.gov.br ou pelo telefone (61)3411.3568.

Fonte: Conjuve

 

Educação e cultura: experiências transformadoras

17/06/2011
Cultura e qualificação profissional dão novos horizontes a jovens de Tejucupapo, na zona da mata norte de Pernambuco.

A comunidade de Tejucupapo não reserva muitas opções aos seus moradores. Situada na cidade de Goiana, zona da mata norte de Pernambuco, ela cresce às margens do mangue, que se espraia por entre o matagal alto, coqueirais e casas de taipa. Braços lamacentos de rio envolvem e provêm o sustento para o povoado de aproximadamente sete mil moradores da localidade e entorno, sendo a pesca de siris, caranguejos, ostras e outros crustáceos a principal atividade econômica local. Entre setembro e março, alguns dos residentes trabalham também no corte da cana, porém a existência de toda a comunidade permanece cravada no mangue.

A paisagem local mudou, todavia, com a criação do Núcleo Social Nassau em 2005. Aos portões da instituição, relembra a coordenadora das ações de desenvolvimento, Neide Marques, que o espaço foi construído onde antes havia um lixão. “As crianças disputavam comida aqui”, recorda-se.

Habilidades locais

A mudança de cenário, contudo, não veio com a mera construção do prédio, mas foi gradual e ainda está ocorrendo, como explica Neide. “De 2005 a 2007, o Núcleo Social foi aos poucos se estabelecendo na comunidade, aproveitando a história do local e as habilidades dos jovens para desenvolver oficinas de atratividade, como música, dança, esculturas em papel reciclado, informática e também uma biblioteca para apoiar os trabalhos escolares”, relata.

A cultura local foi o atrativo escolhido para chamar os jovens a participar. Norteada por uma abordagem que busca explicitar o que há de melhor em cada um e em cada lugar, Neide e os demais responsáveis pelo Núcleo viram uma oportunidade de congregar os moradores através da história do povoado, onde ocorrera em 1646 a Batalha de Tejucupapo, na qual as mulheres locais expulsaram os invasores holandeses com água quente e pimenta, segundo conta a tradição.

As heroínas dessa batalha são hoje representadas em bonecas artesanais feitas pelos alunos da instituição com nada mais que papel reciclado, fibra de bananeira e cascas de alho e de cebola. “Da riqueza cultural local se extrai renda também”, aponta Neide.

Os alunos também confeccionam baús, abajures e outras peças artesanais usando materiais de reciclagem. Este ano, elas serão expostas pela quarta vez na Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Feneart).
Renda no artesanato

Conforme as atividades tornaram-se fontes de renda, o Núcleo foi se tornando uma parte integrante da vida comunitária. Dos cerca de 300 alunos contemplados pela instituição, 89 já extraem do artesanato a fonte de renda de seu lar. Oficinas de dança e música também são estendidas aos participantes, sendo também de grande impacto para a vida dos participantes.

Valmir de Oliveira Araújo é um dos alunos de música, mas se assemelha aos seus colegas artesãos por fazer seus próprios instrumentos a partir de materiais reaproveitados. Tambor, reco-reco, pau-de-chuva e outros instrumentos de percussão que ele montou usando artigos como garrafas velhas, tampas plásticas e cabaça de coco. “Sou um sujeito do tipo criativo”, se define o jovem.

Desde março deste ano, o Núcleo passou a abrigar o Enter Jovem Plus, programa executado pelo Instituto Empreender em outras 20 escolas de ensino integral de Pernambuco, e outras mais nos estados do Rio de Janeiro, Ceará e Sergipe.
Valores para empreender

A metodologia do projeto, que objetiva levar o jovem a encontrar seu primeiro emprego formal, está focada em tópicos da empregabilidade, destinados a familiarizar o aluno com a realidade do mundo de trabalho, e ensino básico da língua inglesa. A iniciativa já propiciou, em três anos, a formação de mais de oito mil alunos, e conta com mais de dois mil inseridos no mercado de trabalho em todo o país. O programa atende jovens que tenham concluído ou estejam concluindo o ensino médio em escolas públicas e que sejam oriundos de famílias carentes.

Diante da turma de estudantes de Tejucupapo, a coordenadora pedagógica do Instituto Empreender, Cleide Moraes, os convocou a vir à frente para compartilhar o porquê de estarem no Enter Jovem Plus.

“Quero lutar pela oportunidade de um futuro melhor”, conta a estudante Simone, que também julga essencial o fato de o curso ocorrer em no centro da comunidade, visto que a locomoção para outros lugares é um dos desafios do local. Outra aluna, Jéssica Marques, se apresenta pouco após, “primeiramente para agradecer por essa chance”, e apontar que “muitos poderiam estar lá fora, mas estão aqui porque querem fazer a diferença”.

O Enter Jovem Plus, em Goiana, contempla atualmente mais de 60 estudantes em Tejucupapo, sendo alguns deles instrutores no Núcleo que buscam maior profissionalização. É o caso de João Luiz, 21 anos, que divide seu tempo entre a pesca no mangue, o ensino de outros jovens na oficina de artesanato, e as aulas de inglês e empregabilidade do programa.
Destino da maré

A trajetória de João é semelhante a de tantos outros garotos do povoado. “Eu estudava de dia, e de noite pescava com meu pai; ficava na canoa por não querer ficar em casa”, conta o jovem, que desde menino toma parte na atividade, e a partir dos 15 anos começou a pescar só. Na percepção local, esse é o destino final da “gente de maré”, como os moradores se intitulam. “Quando a gente se forma só tem isso aí mesmo”, constata João. Sua mãe, Maria Fernandes, concorda, apontando que em Tejucupapo “não se dá outro tipo de serviço”.

A pesca, contudo, não aparenta ser má opção. Ganha-se quase o dobro pescando do que fazendo artesanato, segundo João. Como o apelo do ganho financeiro imediato é mais forte que o do investimento de longo prazo em cultura e qualificação, a instituição corre o risco de perder seus alunos para a maré.
“É difícil incutir uma outra via quando muitos deles estão passando necessidade dentro de casa”, afirma Liana Maia, coordenadora das atividades do Núcleo. Ela explica que dificilmente os alunos abandonam a instituição, porém descontinuam suas atividades e comparecem com menos regularidade à medida que vão se ocupando com outras prioridades. A instituição, porém, não fecha suas portas a esses. “É um trabalho de inclusão, não é justo excluir”, julga Neide.

Apoio familiar

Para aumentar as chances de permanência dos alunos do Núcleo contemplados pelo Enter Jovem Plus, foi organizada uma reunião com as mães dos jovens para explicar melhor como funciona o programa. “Estamos oferecendo uma outra opção de qualificação para os jovens desta comunidade, além da pesca é importante que eles queiram e desejem”, afirma Cleide Moraes. Ela aponta que o mercado de trabalho em Pernambuco, especialmente na zona da mata norte, está em expansão, “mas para que os jovens desta comunidade o acessem, é preciso qualificação” resume.

Ela comunicou às mães presentes que “precisamos de vocês para explicar à comunidade qual a importância deste programa e evitar a evasão dos alunos”. As reações de reconhecimento dão a entender que elas o farão entusiasticamente. “Esse curso é uma bênção nessa região, pois não tem nenhuma alternativa além do mangue”, avaliou uma das mães. Outra genitora presente, Deniulsa Gonçalves, confessou que não levava a sério esse curso que sua filha vinha fazendo recentemente, mas agora que sabe do que se trata, fará sua parte para motivá-la. “Até eu devia me matricular aqui”, ri-se, após ver o acervo de esculturas feitas pela sua filha, surpresa ao constatar que suas mãos, habituadas a descarnar caranguejos, também podem fazer arte.

Fonte: Enter Jovem Plus

Inscrições para Sisu seguem até domingo

17/06/2011

Continuam abertas até  as 23h59 de domingo (19) as inscrições para a quarta edição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Criada pelo Ministério da Educação (MEC) no ano passado, a ferramenta unifica a oferta de vagas em instituições públicas de ensino superior. Para o primeiro semestre de 2011, são oferecidas 26 mil vagas em 48 instituições. Podem participar estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010.

Os candidatos interessados devem acessar o site e escolher duas opções de curso, elegendo sua prioridade. Ao fim de cada dia, o sistema divulga a nota de corte para cada graduação. O estudante pode mudar de opção se concluir que tem mais chance de ser aprovado em outra instituição ou em outro curso. Cada alteração invalida a opção feita anteriormente. O sistema funciona das 6h às 23h59 de cada dia, quando é fechado para calcular as notas de corte.

A previsão é que a lista dos estudantes selecionados em primeira chamada pelo Sisu seja divulgada no dia 22 de junho. Os aprovados terão entre os dias 27 e 28 para efetuar a matrícula nas instituições de ensino. Caso o participante tenha conseguido uma vaga no curso marcado como segunda opção, poderá permanecer no sistema e esperar pela segunda chamada. Os selecionados para a primeira opção perdem a vaga se não fizerem a matrícula.

No dia 2 de julho, o MEC divulga a segunda chamada, com prazo de matrícula de 5 a 6 de julho. Após esse período, o sistema gera uma lista de espera que fica disponível para as instituições selecionarem candidatos para as vagas remanescentes. Podem entrar na lista os estudantes não selecionados em nenhuma das opções escolhidas nas duas primeiras chamadas. Os interessados deverão fazer essa opção no próprio sistema, entre os dias 2 e 7 de julho.

Fonte: Agência Brasil

Presidente do Inep tira dúvidas sobre Enem em entrevista on-line

17/06/2011

A Revista Megazine vai entrevistar a presidente do Inep, Malvina Tuttman, hoje, às 18h, no site www.oglobo.com.br/megazine/enem. Na entrevista on-line, os leitores poderão tirar dúvidas sobre o Enem, cujas provas estão marcadas para os dias 22 e 23 de outubro. Basta mandar perguntas pelo Twitter para @RevistaMegazine e acompanhar a transmissão do bate-papo ao vivo.

As inscrições para o exame terminaram há uma semana, mas, como a taxa de R$35 podia ser paga até a última segunda-feira, muitos candidatos que deixaram para o último dia ainda estavam com as inscrições pendentes até  ontem. Segundo o Inep, a confirmação do pagamento pela agência bancária demora até três dias úteis.

Diferentemente dos dois últimos anos, em que houve problemas como lentidão e dificuldades ao acesso ao site, além do vazamento de provas e erros de impressão nos cadernos de perguntas, a edição deste ano transcorreu normalmente até agora.

Com um número recorde de mais de 6,2 milhões de inscritos este ano, o Enem se tornou a principal porta de entrada para as universidades brasileiras. No Rio, a UniRio e a Rural já aderiram ao exame como única forma de acesso aos seus cursos de graduação. A UFF manterá a reserva de 20% de suas vagas destinadas ao Enem neste ano. Já a UFRJ divulgou edital condicionando a participação em seu vestibular à inscrição no Enem, e o novo reitor, Carlos Levy, já manifestou seu desejo de aderir 100% ao exame.

Fonte: O Globo/ Lauro Neto

Direitos humanos deve ser adicionada como disciplina ao currículo escola

17/06/2011

O representante do Conselho Nacional de Educação (CNE), Raimundo Feitosa, anunciou que o órgão estuda a inclusão de uma disciplina sobre direitos humanos no currículo do ensino básico, a partir de 2012.

A proposta é prevista pelo Programa Nacional de Direitos Humanos e tem por objetivo disseminar valores escolares "livres de preconceitos sociais e raciais, violência, abuso sexual e intimidação".

Se aprovada pelo Congresso Nacional, esta será a quinta disciplina incluída no currículo do ensino médio nos últimos anos. As demais são filosofia, sociologia, música e espanhol. Quase todas foram introduzidas com apoio de movimentos sociais, ONGs e entidades corporativas, sob a justificativa de que tornam as aulas mais atrativas e ajudam na formação intelectual e cívica das crianças e adolescentes.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Conselho Nacional de Segurança aprova resolução contra extermínio de jovens negros

17/06/2011

A luta contra o extermínio de jovens no Brasil conta, agora, com um novo instrumento. Trata-se de uma resolução aprovada por unanimidade pelo Conselho Nacional de Segurança Pública (CONASP), em sua última reunião ordinária, entre os dias 8 e 10 de junho, no Rio de Janeiro. O documento aborda a necessidade de um combate prioritário ao genocídio da juventude negra no país.

De acordo com o Mapa da Violência 2011, a probabilidade de morte de um jovem negro, entre 15 e 25 anos, é 127,6% maior que a de um branco da mesma faixa etária. Foi essa realidade que provocou uma resolução específica que aponta "a grave situação da segurança pública no país, a qual tem como situação emblemática o crescente número de homicídios e encarceramento de jovens negros”, de acordo com o documento.

"Essa é a primeira ação proposta pelo Fórum de Juventude Negra dentro do Conselho”, conta Luiz Inácio, coordenador do Fórum, o qual somente este ano tem uma representação na instância. Foi a partir da proposição da entidade de jovens negros e do Coletivo de Entidades Negras (CEN) que a proposta foi apresentada e aprovada.

Luiz Inácio avalia que a principal medida a ser atendida será o diálogo em torno dessa questão. "Precisamos construir uma agenda conjunta que possa atacar esse problema, que tem como pano de fundo o abandono de um Estado que não desenvolve políticas públicas que garantam direitos a esses jovens”, afirma o coordenador.

A recomendação dá um prazo de trinta dias para que sejam instituídos mecanismos de elaboração dessa agenda. Com objetivo de buscar "soluções e definição de responsabilidades setoriais em relação às políticas públicas de combate a violência letal contra a juventude negra”, assinala o documento.

Além de políticas sociais, como educação, cultura, esporte, profissionalização, também é preciso reverter a lógica da atuação policial, pois esses "agem mais como violadores de direitos dessa juventude do que como promotores de direitos humanos”, reforça. Nesse sentido, demonstra-se fundamental a participação desse segmento no Conselho que discute políticas de segurança.

Dentre as recomendações, está a retomada do Grupo de Trabalho Interministerial proposto pela Secretaria de Promoção da Igualdade Racial e Ministério da Justiça, que foi criado em maio de 2010, mas que foi desarticulado com a mudança de governo federal. O GT tem como objetivo elaborar uma matriz de formação sobre questões étnicas raciais destinadas aos agentes de segurança.

Em linhas gerais, a resolução pede que, ao instituir esses mecanismos de agenda para o combate ao extermínio da juventude negra, sejam observadas questões como: as normas nacionais e internacionais sobre os direitos humanos e a não discriminação racial; e que sejam realizadas ações de combate ao racismo institucional nos órgãos públicos.

Como forma de articular as ações de diferentes entes governamentais, o documento indica, ainda, que sejam enviadas recomendações aos estados e municípios para que os Conselhos de Segurança Pública e Gabinetes de Gestão Integrada contemplem a participação de organizações da juventude negra.

Fonte: Adital

Gestores de Juventude se reúnem em Recife (PE)

17/06/2011

A Secretaria da Criança e da Juventude realizou, nesta segunda-feira, 13 de junho, reunião com gestores de juventude de municípios pernambucanos, no Auditório Rossini Alves Couto, no centro do Recife. Com  participação da secretária estadual da Criança e da Juventude, Raquel Lyra, e da chefe de gabinete da Secretaria Nacional de Juventude, Divaneide Basílio, representando a Secretária Nacional, o encontro socializou informações sobre as etapas municipais e estadual dos processos de mobilização das Políticas Públicas de Juventude.

Foi também uma oportunidade para orientar os gestores municipais para a II Conferência de Juventude, nas etapas livres, municipais, regionais, dos povos e comunidades tradicionais e estadual, além da Conferência Nacional. Na ocasião, a secretária Raquel Lyra apresentou a estrutura da nova Secretaria da Criança e da Juventude e seus programas  para os próximos quatro anos.

Cerca de 102 gestores e conselheiros de Juventude participaram do encontro, além gestores de outras áreas de quarenta municípios pernambucanos, e dos prefeitos de Gravatá, Ozano Brito Valença, e de Rio Formoso, Helly José de Farias Júnior. O evento integra o calendário de ações de organização da II Conferência Estadual de Políticas Públicas, prevista para outubro de 2011. Os participantes receberam toda a documentação oficial da II Conferência, em formato digital, além de relatórios específicos sobre a mobilização da Juventude em Pernambuco no período de 2007 a 2010, incluindo o relatório da I Conferência estadual.

A II Conferência objetiva contribuir para a construção e o fortalecimento da Política Nacional de Juventude e terá como lema central “Juventude, Desenvolvimento e Efetivação de Direitos”.

Fonte: Conjuve

Inscrições abertas para o ProUni

20/06/2011

Estarão abertas nesta segunda-feira (20), as inscrições de candidatos a bolsas de estudos do segundo semestre de 2011 do Programa Universidade para Todos (ProUni). O prazo vai até sexta-feira (24).

Criado em 2004, o ProUni, programa do Ministério da Educação (MEC), oferece bolsas de estudos em instituições de educação superior particulares em cursos de graduação e sequenciais de formação específica.

Podem concorrer às bolsas os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2010 e atingido no mínimo 400 pontos na média das notas em ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias e que tenham obtido nota na redação, mesmo que mínima.

As inscrições serão feitas em uma única etapa, com três chamadas sucessivas. Ao inscrever-se, o candidato pode escolher até três opções de curso e instituição.

O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 27 próximo. Os candidatos pré-selecionados terão prazo até 6 de julho para comprovar a documentação e fazer a matrícula na instituição de ensino indicada. A segunda chamada está prevista para 12 de julho, com prazo para confirmação de documentação até o dia 19. A terceira e última chamada será feita em 25 de julho, com prazo até o dia 29 para a matrícula.

Espera

Conforme o cronograma, ao fim das três chamadas, os candidatos excluídos da pré-seleção ou pré-selecionados em cursos sem formação de turma podem manifestar interesse em entrar na lista de espera. O prazo para manifestação de interesse vai de 6 a 8 de agosto. A lista será usada pelas instituições de educação superior participantes do programa para a oferta das bolsas ainda existentes.

Podem se candidatar às bolsas integrais estudantes com renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. As bolsas parciais são destinadas a candidatos com renda familiar de até três salários mínimos por pessoa. Além de ter feito o Enem 2010 e alcançado a pontuação mínima, o candidato deve ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou, em caso de escola particular, na condição de bolsista integral.

Professores da rede pública de ensino básico que concorrem a bolsas em curso de licenciatura, normal superior ou de pedagogia não precisam cumprir o critério de renda, desde que estejam em efetivo exercício e integrem o quadro permanente da escola na qual atuam.

Os candidatos devem fazer a inscrição na página eletrônica do ProUni.  É necessário informar o número de inscrição e a senha usados no Enem de 2010, além do CPF. Caso seja necessário recuperar esses dados, o estudante deve buscá-los na página eletrônica do Enem.

O processo seletivo do ProUni referente ao segundo semestre deste ano foi regulamentado pela Portaria Normativa n.º 14, do MEC, publicada no Diário Oficial da União da última sexta-feira, 17, seção 1, página 21.

Fonte: Nota 10

Pró-Universidade inscreve para curso pré-vestibular gratuito

20/06/2011

Moradores da zona leste de São Paulo (SP), cursando o último ano do ensino médio ou que tenham concluído o ensino na rede pública, podem se candidatar a uma das 1.200 vagas. A proposta é contribuir para a entrada de jovens no ensino superior

O Pró-Universidade abre inscrições para curso pré-vestibular gratuito voltado a moradores da zona leste da cidade de São Paulo.

Com 1.200 vagas, a iniciativa é promovida pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), da Universidade de São Paulo (USP), conhecida como USP Leste, em parceria com a Fundação Tide Setubal e a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Tecnológico do Governo do Estado de São Paulo. Seu objetivo é contribuir para a entrada de jovens da zona leste no ensino superior. As inscrições vão de 28 a 30 de junho.

Quem pode se inscrever

O curso é exclusivo para a população da zona leste da cidade de São Paulo. Podem participar alunos do último ano do ensino médio matriculados na rede pública e também para quem já o concluiu na escola pública. Caso o número de candidatos inscritos supere as vagas disponíveis, os critérios de seleção serão o desempenho escolar e o ano de conclusão dos interessados.

Como se candidatar

Para se inscrever a uma das vagas, o candidato deve comparecer, das 16h às 20h, entre 28 e 30/06, em uma das três escolas da zona leste que cederão suas salas para a realização das atividades. São elas: Escola Estadual Hugo Takahashi, em São Miguel Paulista; E. E. Valace Marques, em Ermelino Matarazzo; e Escola Municipal Armando Cridey Righetti, no Itaim Paulista.

No ato da inscrição, os interessados devem levar os seguintes documentos (original e cópia): RG, comprovante de endereço e histórico escolar.

O resultado da seleção será divulgado no dia 5 de julho, no site do Pró-Universidade: www.each.usp.br/prouniversidade. As datas de confirmação de matrícula serão dias 25 e 26 de julho, na escola em que o candidato escolheu realizar o curso.

Dinâmica das aulas

As aulas começam no dia 26 de julho. Acontecerão sempre às terças, quartas e quintas-feiras, das 19h às 22h30, nas quatro escolas parceiras da iniciativa (uma delas ainda será confirmada). Em cada sala, haverá apenas 30 estudantes, a fim de facilitar o processo de aprendizagem e o acompanhamento ao aluno.

O curso visa complementar o conteúdo curricular do ensino médio, preparando os jovens para as seleções de ingresso ao ensino superior. Quem ministrará as aulas são alunos da graduação da USP, sob a supervisão de alunos de mestrado e a coordenação de professores da universidade. O material didático será entregue gratuitamente no início das atividades. Haverá ainda exercícios extras postados nas redes sociais.

Segundo Patrícia Junqueira Grandino, coordenadora pedagógica do Pró-Universidade, o grande diferencial do projeto é que as aulas são ministradas pelos alunos da USP para jovens da rede pública. “Com essa proximidade, conseguimos sensibilizar e motivar os alunos da rede pública para o ingresso ao ensino superior, desmitificando a ideia de que a universidade é para poucos. Também buscamos sempre chamar a atenção desse aluno para os recursos que ele tem para potencializar seu processo de aprendizagem”. A professora ressalta ainda que o Pró-Universidade oferece informações qualificadas sobre carreira, vestibular, processos seletivos e outros caminhos para concretizar a entrada no ensino superior.

Realização e parcerias

A Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) é a responsável pela coordenação de todas as atividades do Pró-Universidade. O projeto conta com o apoio do Núcleo de Apoio Social, Cultural e Educacional (NASCE), ligado à Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP e à EACH, e da Fundação Tide Setubal, que atua como financiador. Os outros parceiros são Secretaria Estadual de Desenvolvimento Tecnológico do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria Estadual da Educação e Secretaria Municipal da Educação.

Em 2010, cerca de 900 jovens da zona leste participaram do projeto-piloto do Pró-Universidade.  A iniciativa respondeu a uma demanda antiga da comunidade por um curso gratuito na região. “Hoje ele contribui para a complementação da educação escolar dos estudantes, auxilia na suas escolhas profissionais e colabora para sua entrada na universidade. Isso mostra o potencial das parcerias, e a importância de seu fortalecimento para as ações em prol da zona leste”, ressaltou Paula Galeano, coordenadora geral da Fundação Tide Setubal.

Fonte: Assessoria

Tecnologia só ajuda educação com mudanças no jeito de ensinar, defende especialista

20/06/2011

O consultor Mark Weston, estrategista educacional da Dell, dedicou os últimos 36 anos de sua vida a melhorar o ensino usando as inovações tecnológicas. Depois de participar de projetos promovidos pelo governo dos Estados Unidos, de vários estados americanos e em outros países, chegou a algumas conclusões sobre como a tecnologia pode ser usada na sala de aula para melhorar o aprendizado dos alunos. Nesta entrevista, dada à revista Época, Weston revela o potencial pedagógico da tecnologia e alerta para as suas limitações: “Se um livro não funciona para um aluno, trocá-lo por um livro digital não vai resolver o problema”.

Mark Weston – Allan Bain (co-autor do livro) e eu temos mais de 15 anos em reforma na educação americana e concluímos que mais do mesmo esforço não daria resultado. Em geral, o sistema educacional atual funciona, na melhor das hipóteses, para duas em cada três crianças, ou seja, duas em cada três concluem os estudos. O que acontece é que metade das crianças que consegue se graduar diz que o sistema foi falho. E isso está acontecendo depois de quase três décadas de esforços para reformar e melhorar a educação. Uma parte desse esforço tem sido a entrada de tecnologia nas escolas. Então, se você pensar na tecnologia como uma estratégia de reforma, você assume que, em algum momento, ela deveria trazer resultados. E a evidência é bastante clara de que a maioria dos esforços de reforma, incluindo o uso de tecnologia, não mudou a estatística principal de que o sistema falha com duas de cada três crianças.Época - O senhor pretende lançar um livro intitulado “Por que a tecnologia foi reprovada na educação”. Qual a principal ideia?

Mas temos alguma certeza sobre como é possível usar a tecnologia para melhorar a educação?

Se o objetivo é como educar melhor todas as crianças, e a pergunta é se isso é possível, a resposta é sim. Isso pode ser feito e a resposta está nos trabalhos de Benjamin Bloom. E há também evidências de práticas pedagógicas que conduzem todas as crianças a aprender mais. Um dos livros mais recentes sobre isso, Visible Learning, foi escrito por John Hattie. Ele analisou 800 estudos para avaliar todas as práticas, ver o quanto eram praticadas e analisar seus efeitos estatísticos no ensino e no aprendizado. Olhando para as dez melhores práticas, encontramos algumas sem nenhuma escala e percebemos que a maior parte do nosso esforço para melhorar a educação passa por investir, sem base em informação, em práticas pouco estudadas. Sabemos o que tem que ser feito? Eu diria que há uma pesquisa ampla sobre o que precisamos fazer e a questão é como fazer. Uma das dificuldades tem a ver com a forma como concebemos o papel da tecnologia na educação. Nós ainda tendemos a conceber o papel da tecnologia como algo a que as pessoas têm que ter acesso. Você dá um computador para o aluno, ele tem acesso e isso muda as coisas. No início, essa era a ideia. Mas agora está bem claro que é preciso mais do que dar acesso às tecnologias. Não é o acesso às tecnologias que assegura os resultados, mas as práticas de que as tecnologias fazem parte. Mas, hoje, há uma distância muito grande entre a tecnologia e a pedagogia nas pesquisas.

Algumas escolas substituíram as canetas por canetas digitais, os cadernos por notebook ou tablets e a lousa por quadros interativos. O senhor acha que, hoje em dia, as tecnologias estão apenas substituindo antigas práticas da educação em vez de ajudar a reformá-las?

Se um livro não funciona para um aluno, se ele não aprende, trocá-lo por um livro digital não vai resolver o problema. É o mesmo que ter o mesmo tipo de aula com o professor e, em vez de ter o quadro negro, ter a lousa interativa. O que está acontecendo é que há um nível de automatização ou refinamento, mas o problema fundamental do aprendizado, da cognição, não é atacado. Para que a questão da cognição seja resolvida, a tecnologia tem que ocupar um papel diferente. Parte da revolução é que um paradigma alternativo precisa surgir. E nesse paradigma alternativo a tecnologia serve de mediador para estilos de aprendizado, estudantes, professores, pais, conteúdo. Minha experiência estudando as mudanças de sistema, particularmente as reformas educacionais em longo prazo, é que as mudanças nunca acontecem de forma gradual. Geralmente acontece em socos e rupturas. Acredito que há um ponto de crescente evidência de descontentamento de pessoas que tentaram todo tipo de refinamento – refinar lousas, refinar cadernos, refinar a organização da classe – e você percebe que consertar não é suficiente. É preciso algo mais profundo. Mudanças profundas requerem estrutura e teorias igualmente profundas. Para os alunos pode não parecer diferente. Mas o que acontece com eles é extremamente diferente.

Poderia dar um exemplo?

No sistema atual, o aluno é geralmente visto como um participante passivo, que recebe a informação. Então, mesmo numa classe com uma lousa interativa, eu não me surpreenderia de ver o professor no quadro. Se o papel do estudante tivesse mudado, se ele fosse um parceiro participativo no aprendizado, eu esperaria, em algum ponto, ver os alunos no quadro, ver alunos fazendo coisas com outros alunos ou com o professor. Nas duas situações, o equipamento não mudou. O que mudou foi a pedagogia usada e como alunos viam seus papéis. Se quisermos melhorar a qualidade do ensino, temos que olhar para o papel do professor e do aluno. Atualmente, a tecnologia tem um papel de automatizar processos. Numa nova visão, a tecnologia teria um papel de intermediar. Algumas das tarefas do professor poderia acontecer via tecnologia, alguns dos papéis dos alunos poderiam acontecer via tecnologia, o espaço extra para os estudantes poderia ajudá-los a fazer mais coisas e melhor.

Como é possível preparar os professores para essa mudança?

Um novo paradigma requer um novo programa preparatório. Defendo que o programa deve ser um reflexo do programa para o qual está preparando os profissionais. O que vemos hoje é que a preparação e as práticas de aula são muito distantes. E o que acontece é que a preparação não tem nenhuma ligação com o que se passa na sala de aula, com as crianças. Com as tecnologias que temos hoje, a teoria e a prática poderiam ser facilmente conectadas, é só pensar que podemos usar o Skype para estar ao vivo em qualquer lugar, por exemplo. Como os professores estão se aproveitando dessa tecnologia?

Alguns professores pensam que devem produzir seu próprio conteúdo digital para preparar as aulas. Isso é possível e desejável? Todo professor deve ser um produtor multimídia?

No sistema atual, a primazia é muito do professor. Cada professor é responsável por todo o currículo, por desenvolver como dar cada conteúdo. Se a demanda está no professor, cada professor pensa individualmente num esquema de fazer o seu trabalho. Se esse sistema de esquematização individual atendesse a todos os estudantes tudo estaria bem. Mas há claras evidências que não. O que tem que acontecer é o professor se tornar mais capaz de esquematizar e de planejar. Acho que é uma tarefa impossível. Uma alternativa é criar situações para que os professores tenham muita independência, mas também muita interdependência. Eles passam, então, a desenvolver um esquema coletivo que funciona para a escola toda, em que cada professor ajuda a refinar os métodos do outro e se beneficia. Parte do problema da preparação de professores e do sistema está ligado a pensar as demandas que recaem sobre os professores e diminuí-las. Essa carga pode ser dividida ou repassada para a tecnologia. Se o problema é a carga cognitiva, a solução passa a ser uma ferramenta cognitiva. Com essas ferramentas eles poderão fazer mais fazendo menos.

Os estudos feitos até agora sobre o impacto da tecnologia na educação mostram resultados confusos. Alguns apontam que o uso da tecnologia melhora o desempenho dos alunos. Outros, que ele não altera. E outros ainda, que ele piora os resultados. Como entender essa discrepância nas conclusões?

A sua pergunta tenta estabelecer a relação entre uso de tecnologia e desempenho dos alunos. Mas quase todos os estudos que tentaram estabelecer essa ligação falharam. A tecnologia poderia ser substituída por qualquer coisa e, ainda assim, os estudos fracassariam. Uma pergunta melhor é: quais as práticas pedagógicas que estão levando a resultados melhores? E como as tecnologias estão apoiando essas práticas? Analisar a tecnologia sem olhar para as práticas é um método falho de pesquisa. Essa é a razão pela qual a Dell ficou de fora dos estudos em grande parte. Agora, sou responsável de criar uma nova metodologia de estudo que possa ser aplicada aos nossos projetos e também a outras realidades. Com mais dados produzidos sob a mesma metodologia, poderemos comparar melhor os resultados. Acho que isso é um reflexo da mudança da natureza da pesquisa e da infância da tecnologia. Vamos sair da fase de pesquisas patrocinadas, que são boas para coletar dados, mas não passam pela revisão de pares.

Que conselhos daria para o governo brasileiro melhorar a qualidade da educação no país?

Eu focaria em três ações: 1) diminuir a carga cognitiva dos professores; 2) redefinir o papel da tecnologia na educação e 3) adotar práticas pedagógicas com eficácia comprovada em pesquisas

Fonte: Revista Época

Férias de julho abrem 16 mil vagas temporárias

20/06/2011

Mais vagas à disposição e remuneração mais alta do que no ano passado. Essa é a realidade da área de entretenimento durante as férias de meio do ano. O setor começa a contratar trabalhadores temporários especialmente para o recesso escolar. São 16,2 mil vagas temporárias no País, 8% a mais do que no mesmo período de 2010 — a maioria delas no Estado de São Paulo, que abrirá 4.910 novas oportunidades de emprego. Os dados foram coletados pelo Instituto de Pesquisa Manager a pedido da Associação das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário (Asserttem).

O salário médio diário pode chegar a R$ 150 no setor de lazer e entretenimento — no ano passado o teto era de R$ 130, uma elevação de 15%. Na indústria e no comércio, a remuneração mensal gira em torno de R$ 600 a R$ 1,5 mil.

A maioria dos postos de trabalho é para funções em parques de diversões, monitoria e serviços em hotéis, acampamentos e pousadas, além de atendimento em restaurantes. São 12.150 novas vagas temporárias só para este segmento, aumento de 15,7% em relação ao ano passado.

Segundo a diretora de comunicação da Asserttem, Jismalia de Oliveira Alves, o aumento de vagas ocorre porque a economia ainda está aquecida, mesmo em tempos de inflação em alta.

“Com o aumento de renda e maior acesso ao crédito, mais pessoas buscam ter lazer nas férias.

As classes D e E também passaram a consumir este tipo de serviço.

Para complementar a alta da demanda no setor, serão criadas mais 4.050 vagas no comércio e na indústria. A perspectiva é de 10% dos temporários deste ano sejam efetivados.

A diretora da Asserttem conta que, paralelamente, cresce a busca por pessoas com ensino superior completo ou em andamento. “São estudantes de cursos que tenham o perfil das vagas oferecidas no período: psicologia, publicidade, turismo, hotelaria, administração, educação física e pedagogia”, diz Jismalia.

O perfil dos candidatos que procuram esse tipo de emprego temporário é de jovem estudante que, em geral, está em busca do primeiro emprego. Das oportunidades oferecidas pelo setor de lazer, essa faixa de trabalhadores deve ocupar 28% do total dos postos oferecidos — no setor do comércio e indústria, devem responder por 25%.

Oportunidades

A intermediadora de vagas temporárias Adecco prevê abrir cerca de 140 postos de trabalho do tipo em julho principalmente no setor de vendas (auxiliar, assistente e vendedores), que podem oferecer ganhos de R$ 900 a R$ 1,5 mil por mês.

Segundo previsão da Associação de Empresas de Parques de Diversões do Brasil (Adibra), serão cerca de 500 vagas nos parques de diversões de São Paulo.

Serão cerca de 180 postos no Playcenter e 100 novos empregos no Hopi Hari. Enquanto no Playcenter o processo seletivo será realizado na capital, no Hopi Hari vai ocorrer em cidades da região de Campinas durante todo o mês, já que os trabalhadores devem começar a trabalhar no início de julho.

No Hopi Hari, podem concorrer às vagas profissionais, pessoas da terceira idade, portadores de necessidades especiais e jovens que busquem o primeiro emprego. É necessário que o candidato more nas cidades de Campinas, Jundiaí, Vinhedo, Valinhos, Indaiatuba e Louveira, municípios nos quais a empresa oferece ônibus fretado aos funcionários.

Fonte: Jornal da Tarde/ Marília Almeida