Você está aqui: Página Inicial Notícias

Notícias

17/06/2011

Lei garante depoimento especial às crianças e adolescentes vítimas de violência

25/05/2017

Sancionada em abril deste ano, a Lei 13.431 garante aos meninos e meninas vítimas de violência o direito de prestarem depoimento em local acolhedor, com garantia de sua privacidade e apoio de profissionais especializados.

A norma, sancionada no dia 04 de abril de 2017, estabelece que garotos e garotas vítimas ou testemunhas de violência devem ser ouvidos/as por meio de ‘depoimento especial’ e ‘escuta especializada’.

O depoimento especial e a escuta especializada asseguram a essas crianças e adolescentes o direito de serem ouvidos/as perante autoridade policial ou judiciária em local apropriado e acolhedor, com infraestrutura e espaços físicos que garantam sua privacidade. A lei prevê ainda uma atuação articulada das áreas de assistência social, saúde, educação, segurança pública e sistema de Justiça no atendimento a essas vítimas.

Oara o cumprimento da nova lei, que tem o prazo de 01 ano para vigorar em todo o Brasil é importante que defensores públicos, magistrados, membros e servidores do MP, gestores e profissionais das áreas de Assistência Social, Saúde, Educação, Justiça e Direitos Humanos, além de conselheiros de Direitos e Tutelares e sociedade civil discutam estratégias de aplicação.

Avanço na proteção das vítimas - A Lei nº 13.431 se constitui como um marco na defesa e garantia de direitos das crianças e adolescentes vítimas de violência, incluindo aqueles/as que sofreram abuso ou exploração sexual. Ao relembrar e relatar o fato em depoimento, os meninos e meninas estão suscetíveis à revitimização, o que pode despertar ou resgatar sentimentos como medo, tristeza e vergonha.

De acordo com a nova norma, profissionais especializados esclarecerão à criança ou ao adolescente os procedimentos a serem adotados durante o depoimento, planejando sua participação. O especialista pode intervir, quando necessário, utilizando técnicas que permitam a elucidação dos fatos e as perguntas poderão ser adaptadas para uma linguagem mais simples. A lei determina ainda que os meninos e meninas devem ser resguardados de qualquer contato, ainda que visual, com o/a acusado/a ou com outra pessoa que represente ameaça, coação ou constrangimento.

Jovens da Pavuna, no Rio, vão ter encontros com grandes músicos em projeto sociocultural

06/06/2017

"Vivências Musicais" vai receber artistas como Leo Gandelman, Davi Moraes, Jefferson Gonçalves, Zé Ricardo e maestro Vitor Damiani

As quartas-feiras do mês de junho serão especiais para os 250 jovens atendidos pelo Música Encantada, na Pavuna. Eles terão a oportunidade de interagir com grandes nomes da música brasileira, que irão à sede do projeto falar sobre suas trajetórias e dividir experiências.

A abertura das Vivências Musicais ficará por conta do instrumentista Leo Gandelman, no dia 7 de junho. Artista versátil, que vai do pop à música clássica, Leo é considerado um dos músicos mais influentes do país. Dono de uma trajetória ímpar na MBP, ele vai falar sobre seus 30 anos de carreira aos jovens do Música Encantada.

Na semana seguinte, dia 14 de junho, é a vez de o projeto receber mais um grande músico: Davi Moraes. Acompanhado de seu trio, vai falar um pouco sobre o início de sua carreira, ainda muito jovem, acompanhando o pai, Moraes Moreira.

O gaitista carioca Jefferson Gonçalves, considerado pela crítica um dos mais expressivos músicos brasileiros, dá continuidade à programação, visitando o Música Encantada no dia 21 de junho. Jefferson mistura blues com folk e ritmos da tradição nacional.

E para fechar a programação com chave de ouro, no dia 28 de junho, o projeto Vivências Musicais receberá visita dupla: Zé Ricardo e o maestro Vitor Damiani. Músico talentoso, compositor afiado e agitador cultural, Zé Ricardo tem cinco discos e um DVD gravados, músicas compostas para filmes, peças de teatro e programas de TV e, desde 2008 é responsável pela curadoria do Palco Sunset, do Rock in Rio. Vitor Damiani é o regente da Orquestra Nova Sinfonia, formada por alunos da Escola de Música e Cidadania, uma iniciativa da Agência do Bem.

Sobre o Música Encantada:

Com o objetivo de promover inclusão por meio da música, o Música Encantada, na Pavuna, oferece aulas de violão, violino, canto, musicalização através da flauta doce e teoria musical. Os alunos têm entre 5 e 17 anos e devem, obrigatoriamente, estar frequentando a escola. Dentro desta iniciativa, nasceu a Orquestra Violões Encantados, formada por alunos do projeto.

O programa foi desenvolvido a partir da iniciativa do músico Daniel Sant´Anna, que há 13 anos se propôs a dar aulas de violão a jovens da comunidade Terra Encantada. O Música Encantada é um projeto cultural gratuito de educação musical, onde crianças e adolescentes de uma das regiões com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDHh) do Rio têm aulas de música e acompanhamento de psicólogos e assistentes sociais.

Música Encantada
Endereço: Rua Orquídea, 01 - Comunidade Phídias Távora - Pavuna
Informações: (21) 3454-0251

Prazo para renovação de contratos do Fies é prorrogado para 16 de junho

06/06/2017

O prazo para fazer a renovação de contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) no primeiro semestre de 2017 foi prorrogado para 16 de junho. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia vinculada ao Ministério da Educação, decidiu estender o prazo para que nenhum estudante seja prejudicado. Até então, a data limite para realizar o aditamento era esta quarta-feira, 31 de maio.

Cerca de 1,28 milhão de contratos devem ser aditados neste semestre e, até a manhã desta quarta-feira, já foram formalizadas 1,05 milhão de renovações. O presidente do FNDE, Silvio Pinheiro, reforça o compromisso da autarquia com os estudantes que possuem contratos do Fies. “Todos terão a oportunidade de renovar seus financiamentos”, afirma o presidente, lembrando que o aditamento dever ser feito no Sistema Informatizado do Fies (SisFies).

Os contratos do Fies devem ser renovados a cada semestre. O pedido de aditamento é feito inicialmente pelas faculdades e, em seguida, os estudantes devem validar as informações inseridas pelas instituições no SisFies.

No caso de aditamento não simplificado, quando há alteração nas cláusulas do contrato, como mudança de fiador, por exemplo, o estudante precisa levar a documentação comprobatória ao agente financeiro (Banco do Brasil ou Caixa) para finalizar a renovação. Já nos aditamentos simplificados, a renovação é formalizada a partir da validação do estudante no sistema.

6 orientações para planejar as férias com educação financeira

06/06/2017

Este é o momento para quem ainda não se planejou, pensar nas férias de julho. Tendo em vista o orçamento e o padrão de vida, é importante definir os passeios ou viagens com antecedência para economizar. Confira orientações do presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, Doutor em educação financeira.

“Quem planeja as férias com antecedência pode escolher a opção mais interessante e com melhor custo benefício para o seu bolso. Ou seja, não se endivida ou compromete sua saúde financeira com atitudes impensadas. Se a viagem dos sonhos for cara, é válido planejar e poupar para as próximas férias”, orienta Domingos.

Se a decisão for de última hora, é preciso cautela ao escolher viagens e/ou passeios, evitando gastar mais do que o orçamento permite. Afinal, as pequenas escolhas são capazes de colocar em risco a estabilidade financeira da família.

Confira 6 orientações para planejar as férias com educação financeira:

1- Faça um diagnóstico de sua situação financeira por um mês (se tiver renda fixa) ou por 90 dias (se tiver renda variável) e verifique quais gastos pode reduzir ou eliminar para poupar para as férias;

2- Reúna a família, inclusive as crianças, e converse sobre os seus desejos para estas férias. Caso esteja além do padrão de vida atual, estabeleçam como sonhos a serem conquistados no futuro, mas não deixem apenas no papel: comecem a poupar desde já;

3- Caso já tenha se planejado e poupado dinheiro com antecedência, pesquise as melhores opções e trace um orçamento a ser respeitado antes, durante e depois da viagem;

4- Se não tiver poupado e optar por viajar, tenha cuidado com o endividamento: atente-se para que as parcelas caibam no orçamento dos próximos meses, lembrando que outros gastos estão por vir, como Dia as Crianças, Natal, etc.;

5- Leve no máximo dois cartões de créditos, com vencimentos próximos e posteriores à data da viagem, pois imprevistos podem acontecer – sejam eles positivos ou negativos;

6- Se estiver em situação de endividamento ou inadimplência, considere passeios mais em conta para estas férias; há diversas opções na própria cidade ou região. Lembre-se, para se divertir e descansar não é preciso gastar dinheiro.

 

Fonte: DSOP Educação Financeira

 

O que muda na prova de redação do Enem em 2017

06/06/2017

Coordenadora de Redação do Curso Poliedro, Fabiula Neubern, orienta o candidato a alcançar a nota máxima na redação

Com um peso representativo na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a redação e seus possíveis temas tiram o sono de muitos candidatos a uma vaga em faculdades de todo o Brasil que selecionam estudantes por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Não basta estar por dentro dos principais temas de atualidades que podem ser requisitados nesta avaliação, é preciso também conhecer o padrão e saber elaborar um bom texto dissertativo-argumentativo para alcançar a nota máxima, a famosa redação nota mil.

Neste ano, porém, o Ministério da Educação (MEC) anunciou algumas mudanças significativas no Enem. Com formato inédito, as provas de Linguagens e suas Tecnologias e Humanidades e suas Tecnologias acontecerão no mesmo dia em que será aplicada a avaliação de redação.

Neste sentido, a coordenadora de Redação do Curso Poliedro, Fabiula Neubern, apontaque esse modelo dá abertura para a possibilidade de uma prova temática. Desta forma, é possível que o tema da redação esteja contido em exercícios das provas aplicadas na mesma data. “O candidato deve ter muita atenção e de modo algum copiar os pontos que estejam nas questões da prova para compor a redação”, ressalta Fabiula.

Além deste ponto, segundo ela, aparentemente nada muda nesta prova. A exigência continua a ser de um texto dissertativo-argumentativo, a partir de um tema indicado no enunciado.

Confira as principais dicas da coordenadora de redação do Curso Poliedro para se sair bem nesta prova:

1 – Atenção na construção do tema

É necessário ter zelo no desenvolvimento do tema solicitado na prova ao longo do texto. “Em 2016, o Enem pediu caminhos, seja para o combate à intolerância religiosa, no caso da primeira aplicação, seja para o combate ao racismo, na segunda prova. A palavra combate, desta forma, foi muito importante para o candidato, representando o recorte e o foco a ser dado no texto”, indica.

2 – Utilize seu repertório cultural

Segundo Fabiula, é importante que o candidato tenha um bom repertório cultural para indicar no texto um filósofo ou teórico que fundamentem a análise e o ponto de vista defendido. Essa é uma característica das redações que alcançam notas altas. “O mesmo vale para a ilustração. É possível iniciar uma redação trazendo um personagem da literatura ou mesmo abordando um livro, que depois se desdobra ao longo do texto, corroborando na análise que está sendo feita”, aponta.

3 – Siga os exemplos

De acordo com a especialista, uma boa maneira de estudar para a redação do Enem, é ler as redações nota mil que foram recentemente publicadas na internet. “Use essas redações como um modelo, como um paradigma. Observe nelas o que foi incorporado e como foi feito para que consiga desenvolver a sua própria dissertação com bons elementos”, orienta.

4 – Aprenda com erros e acertos

No site do Inep, o candidato encontra as competências que serão analisadas nesta prova, além do espelho da redação feita em 2016. Desta forma, o vestibulando pode verificar quais são os principais pontos na sua redação que precisam de melhorias e aperfeiçoamentos para alcançar uma boa nota e, por que não, a redação nota mil.

Mais informações estão disponíveis no site Poliedro Educação.

2º seminário sobre Masculinidades Negras, Justiça Restaurativa e Não Violência

14/06/2017

2º SEMINÁRIO DE GÊNERO E MASCULINIDADES
Masculinidades Negras, Justiça Restaurativa e Não Violência
Em homenagem ao Dia Internacional de Nelson Mandela


Tema: “A Religiosidade de Matriz Africana no Universo Masculino”
Palestrante: Jurandir Sousa (Babalorixa Jurandir Ty Xango) – Coordenador do Centro de Referência de Promoção de Políticas para Igualdade Racial – CREPPIR de Diadema

Tema: “AfroCorpoBrasileiro”

Palestrante: Carlos Rogério Amorim (Odé Amorim) – Afroecoartiveducandor e idealizador da AfroEscola

Tema: “Masculinidades e Negritudes: as vozes da sociedade”
Palestrante: Sérgio Barbosa – Filósofo e Coordenador do Programa “Tempo de Despertar”

Tema: “Masculinidades Negras em questão”

Palestrante: Deivison Nkosi – Professor da UNIFESP e integrante do grupo KILOMBAGEM

Mediador da mesa: Marcelo Morais – Membro do Grupo Temático Gênero e Masculinidades

Data: 18 de julho de 2017 – Horário: das 13h30min às 17h30min

Local: Consórcio Intermunicipal Grande ABC – Av Ramiro Colleone, 05, Centro, Santo André/SP

Evento aberto e gratuito sem necessidade de inscrição!

Contaremos com a apresentação musical do Beto Miguel (BETO CRIOLO), que está lançando o DVD "SOU PORQUE SOMOS" (https://www.kickante.com.br/campanhas/beto-criolo-dvd-sou-porque-somos/atualizacoes?platform=hootsuite)e da poeta Lilia ReisLilia Reis recitando alguns poemas de sua autoria.

Trabalho Infantil: Anamatra alerta sobre o impacto do desemprego no combate ao problema

14/06/2017

Dia Mundial contra o Trabalho Infantil: Anamatra alerta sobre o impacto do desemprego no combate ao problema


Mais de 2,6 milhões de crianças de 5 a 17 anos são vítimas do trabalho infantil no Brasil


Dia 12 de junho marca a luta mundial pela erradicação do trabalho infantil, uma realidade que ainda aflige mais de 2,6 milhões de crianças de 5 a 17 anos, somente no Brasil – de acordo com últimos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015 – e mais de 168 milhões de crianças, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Na avaliação da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho - Anamatra, o problema torna-se ainda mais preocupante quando esses números são confrontados com altos índices de desemprego no Brasil: de acordo com dados da Pnad Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego no Brasil subiu para 13,7% no 1º trimestre de 2017, atingindo 14,2 milhões de pessoas, o maior índice já registrado pelo IBGE desde 2012. Isso significa dizer que somente em três anos o número de desempregados mais que dobrou no país.

A diretora de Cidadania e Direitos Humanos da Anamatra, Luciana Conforti, explica que, com o rebaixamento e até a perda da renda das famílias, a tendência é a de que todos os membros, inclusive as crianças, passem a trabalhar.  Na avaliação da magistrada, a pobreza, a ausência de empregos decentes para os adultos e a falta de escolarização são as principais causas do trabalho infantil.

“Dados da OIT* apontam que maior parte dos trabalhadores infantis estão na agricultura e no setor de serviços, neles incluído o trabalho doméstico. O mais preocupante, é que tais atividades também são consideradas responsáveis pela invisibilidade desses trabalhadores, muitas vezes ligados a pequenas propriedades, espalhadas geograficamente, no caso dos rurais, e considerados como supostos membros da família, no caso dos domésticos”, alerta. Conforti lembra também que os trabalhadores infantis estão submetidos a todo tipo de exploração, inclusive psicológica, sexual e ao trabalho forçado em todo mundo. “Cabe não só aos governos, mas a toda a sociedade ações efetivas para o combate a tal pratica, sendo a superação dessa cultura um desafio global”, defendeu.

Sobre a data - O Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil foi instituído pela OIT em 2002, data da apresentação do primeiro relatório global sobre o trabalho infantil na Conferência Anual do Trabalho. Desde então, a Organização convoca a sociedade, os trabalhadores, os empregadores e os governos do mundo todo a se mobilizarem contra o trabalho infantil. Anualmente, para marcar a data, é proposto um tema sobre uma das formas de trabalho infantil e realiza-se uma campanha de sensibilização e mobilização da população em geral.

No Brasil, o 12 de junho foi instituído como Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil pela Lei nº 11.542/2007. As mobilizações e campanhas anuais são coordenadas pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI), do qual a Anamatra faz parte, juntamente com outras entidades e órgãos públicos, em parceria com os Fóruns Estaduais de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e suas entidades membros.

Conscientização - De 12 a 16 de junho, o Ministério do Trabalho, o Conselho Superior da Justiça do Trabalho, o Tribunal Superior do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho realizam a campanha nacional pela erradicação do trabalho infantil e a 2ª Semana Nacional da Aprendizagem. As ações acontecem em todo o país e visam conscientizar a sociedade sobre a importância do enfrentamento ao trabalho infantil e as empresas sobre o papel da contratação de jovens e adolescentes na prevenção e combate ao problema, por meio do primeiro emprego e inclusão social dos mais jovens.

Lei brasileira - A legislação do Brasil proíbe todo e qualquer tipo de trabalho de menores de 16 anos, exceto na condição de aprendiz a partir dos 14 anos. Dos 16 aos 18, as restrições são para atividades noturnas – das 22 às 5 horas, insalubres ou perigosas e que façam parte da lista das Piores Formas de Trabalho Infantil. A lista compreende as atividades prejudiciais à saúde e segurança da criança e do adolescente, como a executada em ruas e logradouros públicos, por expor a vítima aos perigos do tempo, acidentes de trânsito e ainda ao tráfico e à exploração sexual.

*Fonte OIT: Sindicatos y trabajo infantil: una herramenta para lá acción - Oficina Internacional del Trabajo, Oficina de Actividades para los Trabajadores (ACTRAV) - Ginebra, OIT, 2016.

Jovens ganham novo Projeto Cultural em São Paulo a partir de julho

03/07/2017

A partir do dia 3 de julho, jovens da zona norte de São Paulo terão uma nova oportunidade de ter acesso a oficinas de arte e cultura gratuitas. Trata-se do Projeto Cultural Ampliando Horizontes, que será realizado pelo Espro – Ensino Social Profissionalizante – em parceria com o Instituto Cyrela, no bairro Vila Nova Cachoeirinha.

Os cursos de Artes Visuais, Teatro, Música, Dança, Literatura e Circo serão voltados a jovens de 14 a 29 anos e têm por objetivo principal desenvolver a multidisciplinaridade, estimular a criatividade e permitir o acesso à cultura e cidadania.

Serão 30 vagas oferecidas para cada curso que vão ter como base os seis eixos artísticos culturais indicados pelo Ministério da Cultura e da Política Nacional das Artes.

"A participação dos jovens nestas oficinas é uma ótima oportunidade para ampliarem os horizontes, permitindo que desenvolvam valores culturais e artísticos", afirma Naiara Martins, coordenadora de Inovação e EAD do Espro.

As inscrições já estão abertas e deverão ser realizadas apenas pessoalmente, na unidade do Espro situada na avenida General Penha Brasil, 2770, no bairro Vila Nova Cachoeirinha, em São Paulo. Mais informações pelo site ampliandohorizontes.espro.org.br ou pelo e-mail [email protected].

Confira o cronograma das oficinas:

Teatro: 3, 6, 10 e 13 de julho (segundas e quintas)
Dança: 18, 20, 25 e 27 de julho (terças e quintas)
Artes Visuais: 1, 8, 15 e 22 de agosto (terças)
Literatura: 3, 10, 17 e 24 de agosto (quintas)
Circo: 29 de agosto / 5, 12 e 19 de setembro (terças)
Música: 31 de agosto / 14, 21 e 28 de setembro (quintas)

Sobre o Espro

Com a missão de promover a inclusão social por meio de ações socioeducativas, mediação de acesso e integração ao mundo do trabalho, o Espro - Ensino Social Profissionalizante é uma organização sem fins lucrativos que se dedica à capacitação e inserção no mercado de trabalho de jovens a partir de 14 anos, em situação de vulnerabilidade social.

O Espro ajuda a unir o potencial dos jovens às necessidades do mercado.  Por isso, oferece gratuitamente, em todo o Brasil, cursos de Formação para o Mundo do Trabalho, além de Programas de Socioaprendizagem, de acordo com a chamada Lei da Aprendizagem (lei 10.097/00).

O Espro possui matriz em São Paulo e mais oito filiais e unidades de atendimento em todo o Brasil. Além disso, atende mais de 23 mil jovens por ano e conta com cerca de 2 mil empresas parceiras. Os jovens podem se inscrever pelo site www.espro.org.br.

Mais informações, imagens e entrevistas, entre em contato conosco:

Imprensa
Guilherme Yoshida, Cristina Meireles e Eliza Trindade
E-mail: [email protected]
Telefone: (11) 2699-0412
(11) 2699-0400 R.: 1654

Brasil abre os braços para a qualificação profissional

03/07/2017

Curso de capacitação online do Ministério do Turismo já conta com mais de sete mil inscritos. Inscrições podem ser feitas até 30 de setembro.

A plataforma de ensino à distância Brasil Braços Abertos, destinada à qualificação profissional de pessoas que trabalham na linha de frente do turismo ou querem ingressar no mercado, já conta com 7.412 inscritos em todo o país. A região com o maior número de inscritos é a Sudeste, com 3.195 inscrições. Em seguida aparece o Nordeste com 1.701, seguido do Sul com 1.248. As regiões Norte e Centro-Oeste têm, respectivamente, 772 e 496 pessoas inscritas no curso oferecido pelo Ministério do Turismo.

O MTur vem articulando com os municípios a assinatura do termo de compromisso para a execução do programa em todo o país. Até o momento, 27 Unidades da Federação e 74 municípios aderiram à plataforma, se comprometendo, entre outras medidas de incentivo, a disponibilizar a estrutura necessária para que alunos sem acesso à internet possam participar do curso.

“A adesão dos municípios ao termo de compromisso é fundamental para que possamos alcançar o maior número possível de pessoas interessadas em ampliar seus conhecimentos em temas relacionados ao turismo”, comenta a secretária Nacional de Qualificação e Promoção do Turismo do MTur, Teté Bezerra, lembrando que o número de inscritos é atualizado diariamente.

SOBRE O BRASIL BRAÇOS ABERTOS - Trata-se de uma plataforma tecnológica de aprendizado à distância e em ambiente digital, com oferta de 80 horas de aulas online nos diferentes módulos: Introdução, Atendimento, Comunicação e Temas Transversais.

O aluno pode realizar o curso por qualquer dispositivo com acesso à internet e contará com videoaulas e jogos educativos. Os interessados podem acessar o endereço brasilbracosabertos.turismo.gov.br e se inscrever até 30 de setembro. Ao final do curso, os profissionais poderão obter o certificado de conclusão - valorado como de extensão - pelo site do programa.

Curso de Empreendedorismo Social da Escola da Juventude

01/11/2017

Inscrições abertas até 16/11/2017

Projeto vai selecionar 40 jovens da região da Mata do Norte de Pernambuco. As atividades estão previstas para acontecer de novembro/2017 a junho/2018

A região da Mata Norte do Estado de Pernambuco, em especial os municípios Igarassu, Itapissuma, Itamaracá e Goiana, são os locais escolhidos para o desenvolvimento de mais uma edição do Escola da Juventude.

O projeto se propõe a ser um espaço de formação para 40 jovens, na faixa etária de 16 a 29 anos e trabalha habilidades sociais, ajuda a desenvolver capacidades de liderança, protagonismo e empreendedorismo. Além disso, as formações procuram valorizar as potencialidades da juventude, como criatividade e idealismo, para favorecer um olhar empreendedor capaz de promover seu próprio desenvolvimento e da comunidade.

Nesta edição, a “Escola da Juventude – Curso de Empreendedorismo Social” abordará temas para cultivar, despertar ou impulsionar qualidades e habilidades empreendedoras capazes de influenciar e promover o desenvolvimento econômico inclusivo e sustentável. Esse segundo momento levou em consideração as necessidades e desafios levantados na primeira edição do curso.

A ideia consiste em estimular a participação cidadã e o empreendedorismo, a partir de abordagens comuns ao Instituto Fonte, como a descoberta do potencial de cada jovem e do fazer em grupo, com olhar sensível para o processo de desenvolvimento do contexto em que vivem.

O objetivo é o de criar um ambiente propício para que jovens:

  1. possam conhecer e aprofundar suas compreensões sobre suas comunidades e a complexidades das relações e questões que a permeiam;
  2. possam conhecer e discutir sua própria condição de jovem, o papel de cada um face ao seu próprio desenvolvimento e face ao desenvolvimento de suas comunidades;
  3. tenham espaços para descobrir e aprimorar suas capacidades e habilidades de liderança e de empreendedor, colocando-as a serviço de seu próprio desenvolvimento e do desenvolvimento de sua comunidade, e
  4. tenham oportunidades de se experimentarem e melhores condições de atuar, em suas próprias vidas, com a plenitude de seus potenciais.
  5. criem e desenvolvam seu projeto para atuar no mundo de forma empreendedora.

Um dos grandes desafios do programa será a seleção da turma, afinal, num programa com esses objetivos, a formação do grupo é um dos segredos para garantir bons resultados.

O programa pretende favorecer que os jovens possam inspirar outros grupos e atuem como provocadores de mudanças na sua própria vida e na comunidade a partir do seu exemplo e da sua força de intervenção nas questões socioambientais.

Sobre a região:

De acordo com o censo demográfico de 2010 do IBGE, a população da região da Mata Norte do Estado de Pernambuco conta com um total 30.635 jovens na faixa etária de 16 a 29 anos. No entanto, a maioria dos projetos realizados na região contempla outros públicos, prioritariamente crianças.

As alternativas de educação profissionalizante (Cursos do SENAC e do IFPE – Instituto Federal de Pernambuco) surgiram para contribuir no preenchimento das oportunidades de trabalho e renda oferecidos pelas empresas estabelecidas na região nos últimos anos.

A transformação econômica radical aconteceu com a implantação do Polo Industrial de Goiana, que inclui a indústria, farmacoquímica, vidreira e automotiva. A intensa transformação ocorre, principalmente, pela chegada da nova fábrica de automóveis da Fiat. É uma região de forte cultura canavieira, que teve nos últimos seis anos seu PIB elevado em 203%.

Inscrições abertas neste link até dia 16/11/2017. Divulgação da seleção dia 20/11/2017

Para acessar pelo site do Instituto Fonte acesse:http://new.institutofonte.org.br/escoladajuventude/

Para entrar em contato escreva para: [email protected]

O projeto acontece em parceria com funcionários da empresa Arconic (por meio da Fundação Arconic) e o apoio da organização Ponto Cidadão e a empresa Itamaracá Transportes.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Pesquisa Juventude Conectada mostra que 60% dos jovens enxergam empreendedorismo como propósito de vida e 55% como realização pessoal, não geração de lucro

31/08/2018

Desenvolvida pela Fundação Telefônica Vivo, em parceria com IBOPE Inteligência e Rede Conhecimento Social, pesquisa ouviu 400 jovens entre 15 e 29 anos, de todas as regiões do país

Cada vez mais a fantasia sobre a facilidade de ser dono do seu próprio negócio como facilidade e garantia de lucro está desmistificada para os jovens desta geração: 44% deles não acreditam que o empreendedorismo seja a melhor forma de ganhar dinheiro. Entre eles, 55% acreditam que empreender é conseguir colocar em prática os seus sonhos e 64% concordam que empreendedorismo é mais que ter um negócio, é ter atitude, iniciativa e criatividade. Isso é o que mostra a recém-lançada edição especial de empreendedorismo da pesquisa Juventude Conectada, realizada pela Fundação Telefônica Vivo, em parceria com IBOPE Inteligência e Rede Conhecimento Social.

A pesquisa ouviu 400 jovens entre 15 e 29 anos das classes A, B e C, de todas as regiões do país, em pesquisa qualitativa, além de especialistas e jovens empreendedores, expondo para a sociedade o contexto do tema de empreendedorismo.

Os resultados mostraram que, em geral, o jovem acredita que empreender está associado à realização de propósito e sonhos, contrapondo o retorno financeiro como premissa. Dentro deste cenário é possível perceber uma juventude mais consciente sobre o caminho a ser percorrido para idealização e construção de um negócio. Para os jovens, a inovação também não é essencial, mas parte de uma atitude empreendedora com originalidade.

A pesquisa ainda trouxe a consciência do jovem de que empreendedor é diferente de empresário. Uma pessoa pode ser as duas coisas ou só uma delas e isso não o invalida. “Um funcionário de uma empresa pode encontrar soluções para algum problema. Ao se dispor a tornar aquilo um objetivo a ser realizado pode estar empreendendo” foi uma afirmação unânime nas discussões do workshop da pesquisa. Do total de jovens entrevistados, 56% se consideram empreendedores. Entre eles, 70% preferem ter um negócio próprio desafiando-se a criar produtos e serviços, e 30% preferem ser empregados de uma empresa, associando o conceito de empreender ao contexto empresarial partindo de uma atitude empreendedora que agrega aos negócios. 60% dos jovens acreditam que empreender não é só fazer dinheiro, mas inovar e transformar ao seu redor, seja com seu negócio ou dentro de empresas.

Neste contexto, o conceito de sucesso para os jovens tem cruzamento pessoal e financeiro. 60% deles acreditam que sucesso é ter um negócio de impacto com benefícios pessoais e para sociedade e 56% dos jovens entrevistados acreditam que sucesso é ter um bom lucro.

Outro dado relevante da pesquisa é sobre os desafios que o jovem enfrenta ao empreender. 56% dos entrevistados discordam que o jovem tem menos medo de empreender porque tem menos responsabilidade. O contexto social neste quesito tem grande impacto sobre as possibilidades de se empreender.

Classe C

Diferente das classes AB, em que 4 em cada 10 jovens preferem ser empregados ou funcionários de uma empresa, a juventude da classe C prefere ter o seu próprio negócio a trabalhar em ambiente corporativo. São 8 em cada 10 pensando dessa forma, por acreditar que assim, serão protagonistas de suas vidas. Esse aspecto está associado ao contexto social, que os tornam mais criativos e corajosos justamente pelas dificuldades de sua condição econômica e social. Esses jovens tendem a ser mais objetivos no que buscam, procurando algo mais concreto, acreditando que, assim, podem evitar incertezas do mercado de trabalho.

Na classe C, 57% dos jovens se consideram empreendedores. Destes, 78% preferem ter o negócio próprio e 22% preferem ser empregados de uma empresa.

 

Pense Grande

A Fundação Telefônica Vivo tem o empreendedorismo como um dos eixos de atuação, junto à educação e cidadania. Por meio do projeto Pense Grande, estimula o empreendedorismo social e atua com o objetivo de incentivar o jovem a pensar no tema como uma possibilidade de vida. O programa visa difundir a cultura do empreendedorismo de impacto social com tecnologia digital a jovens brasileiros por meio de três estratégias: Formar, que trabalha com jovens que queiram saber mais sobre o universo do empreendedorismo, oferecendo ferramentas e estratégias para desenvolver soluções em suas comunidades; Apoiar, que oferece formação e recursos para que participantes estruturem suas ações; e Fortalecer, que apoia instituições e iniciativas para fomentar o tema do empreendedorismo social para sociedade.

Neste contexto, o projeto fornece ferramentas, estratégias e recursos para desenvolver soluções e estrutura alguns temas destacados pelos jovens na pesquisa como atitude empreendedora, habilidades para reconhecimento de contexto social para resolução de problemas e desenvolvimento de projetos. Ao longo de cinco anos, já mobilizou mais de 50 mil jovens para o desenvolvimento de atitude empreendedora, apoiou 78 iniciativas e incubou 167 jovens.

Em parceria com o Centro Paula Souza, desde 2016 aplica a metodologia Pense Grande em 47 ETECs e FATECs do estado de São Paulo, o que permite que a Fundação esteja ainda mais próxima do contexto educacional ligado ao empreendedorismo. Por estar presente neste cenário, a Fundação percebe, na prática, a importância do estímulo ao empreendedorismo ainda no cenário escolar. A pesquisa mostrou que, ainda que o jovem tenha maior sensibilidade ao novo e predisposição ao aprendizado, por estar em processo de formação, não se fala sobre empreendedorismo na escola. O foco das discussões sobre esse tema ainda é restrito em como se inserir no mercado de trabalho. Parte significativa do que aprende sobre o assunto vem das pesquisas e formações que realiza por conta própria. De acordo com a pesquisa, 42% dos jovens concordam que o empreendedor orienta e ensina pessoas ao seu redor. Assim, fica claro que para além da disponibilidade para aprender, os jovens veem um empreendedor como alguém que compartilha seu conhecimento.

“A Fundação estimula os jovens a olhar o empreendedorismo como uma forma de mudança de vida e de perspectivas de futuro, se tornando protagonistas de suas próprias vidas, realizando seus sonhos e objetivos. Os resultados da pesquisa reforçam nosso posicionamento e comprometimento com o tema”, afirma Americo Mattar, diretor-presidente da Fundação Telefônica Vivo.

Para ver a pesquisa completa, basta acessar o site da Fundação Telefônica Vivo e fazer o download gratuito do estudo. Os principais dados também ganharam um formato em vídeo, disponível no canal da Fundação no YouTube.

Sobre a Fundação Telefônica Vivo

A Fundação Telefônica Vivo, responsável pelos projetos sociais da Vivo, acredita na Inovação Educativa como forma de inspirar novos caminhos para o desenvolvimento do Brasil a partir da educação. Guiada pela inovação e a disposição em contribuir para a construção de um futuro com mais oportunidades para todos, a Fundação desenvolve projetos que utilizam a tecnologia para gerar novas metodologias de ensino-aprendizagem, estimular o empreendedorismo social e o exercício da cidadania. Com atuação no Brasil desde 1999, faz parte de uma rede formada por outras 17 fundações presentes da Europa e América Latina, integrantes do Grupo Telefónica.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Jovem supera problemas com déficit de atenção e trilha caminho para o sucesso

12/02/2019

Vitória Frozi passou por cima das dificuldades causados pelo TDAH e, hoje, inspira crianças e adultos com seu talento e determinação

 

Rio de Janeiro, fevereiro de 2019: Desde pequena, Vitória Frozi aprendeu a lidar com as dificuldades e as transformar em motivação. O nome escolhido por seus pais é um verdadeiro retrato de sua trajetória. Ao ser diagnosticada com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), a garota compreendeu o motivo do baixo rendimento escolar e a constante dificuldade de adaptação. O bullying, que os colegas de classe faziam por sua participação no programa Super Nany na América Latina, foi um forte agravante na situação.

Diante de toda esta situação, a família de Vitória procurou, tanto no Brasil quanto no exterior, instituições de ensino capazes de lidar com seu perfil e com as peculiaridades do transtorno, mas não encontrou. Para ajudar a filha, Gabriel Frozi vendeu tudo que tinha e resolveu abrir a Recreio Christian School, o primeiro colégio da América Latina com atendimento especializado para crianças e adolescentes diagnosticados com TDAH. Lá, os jovens recebem os cuidados necessários e treinam funções cerebrais como a concentração, memória de curto prazo, velocidade de processamento e a retenção de informação.

Ao ter um ensino adequado, Vitória melhorou consideravelmente seu desempenho, mas foi sua paixão pela música que a fez dar a volta por cima e deixar os traumas no passado. Sua belíssima voz a fez chegar na grande final do show de talentos do Programa Raul Gil, onde recebeu o apelido de "Valente", por causa da grande semelhança física com a princesa da Disney. A jovem possui um número considerável de seguidores nas redes sociais e atualiza constantemente seu canal no Youtube com vídeos de performances musicais. O repertório é abrangente e conta com canções em português, inglês e francês.

Para Vitória, a música tem um significado ainda mais especial, pois tornou-se uma forma de concentração e superação. Ao soltar a voz e tocar seu ukulele, instrumento preferido, ela conseguiu diminuir as doses de medicação e ter maior controle sob sua doença. Junto de outros amigos com TDAH, ela formou uma banda que toca para crianças que enfrentam o mesmo problema e chegam até a desenvolver depressão por não conseguir reter informações durante as aulas. O grupo também faz apresentações em ruas para arrecadar fundos para ações solidárias.

Hoje, a jovem treina professores da rede pública de ensino para lidarem com alunos que apresentem sintomas de TDAH. Esta iniciativa da Recreio Christian School visa melhorar o preparo dos profissionais da educação para que menos crianças portadoras do transtorno sofram durante a formação por não conseguir acompanhar o ritmo dos demais colegas.

Proposta de pauta:

Segundo pesquisas das Universidades de Chicago e Pittsburgh, crianças portadoras de TDAH, entre 4 e 6 anos, tiveram um índice de depressão dez vezes maior do que crianças que não passaram pelo distúrbio. Vitória Frozi não só superou este período difícil, como faz trabalhos voluntários para amenizar o sofrimento de outras crianças através da música e do ensino capacitado, servindo como um exemplo de força e determinação.

Além disso, a Universidade de Michigan revelou, através de estudos e experimentos, que crianças e adolescentes com déficit de atenção são mais criativos, pois estão propensos a resistir à conformidade. A história de Vitória é o perfeito resumo desta afirmação, afinal a adolescente não se abateu diante da doença apresentada e desenvolveu grande aptidão pela música e uma excelente postura de palco.

Sugestões de Entrevistados:

Vitória Frozi:
A adolescente ruiva que superou o bullying e o déficit de atenção, hoje usa a música como ferramenta de concentração. Ela toca o instrumento havaiano ukulele e no repertório tem músicas em inglês, francês e tem levado a música brasileria para o exterior.

Gabriel Frozi:
O pai de Vitória vendeu tudo que tinha e mudou de carreira aos 44 anos para ajudar a filha, montando uma escola especializada para alunos com TDAH. A escola inaugurará sua segunda unidade em breve e treina professores da rede pública para lidar com crianças que sofrem com o distúrbio.

Pesquisa e números sobre TDAH
O TDAH é uma condição geneticamente herdada, caracterizada por desatenção, inquietude e impulsividade. Cerca de 5% das crianças e adolescentes brasileiros sofrem com este transtorno, mas aproximadamente 250 mil delas não sabem deste quadro. Em 30% dos casos, o TDAH acompanha seus portadores até a vida adulta. 

Outro estudo feito pela Associação Brasileira de Psiquiatria revela ainda que menos de 20% das pessoas com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) são tratadas no Brasil.

A falta de assistência custa aos cofres públicos mais de R$ 1,8 bilhão por ano, consequência dos gastos com a repetência escolar.

Já para o Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, nos últimos 10 anos, a importação e produção de Ritalina, medicamentos indicados para tratamento de déficit de atenção, cresceu 373% no País, o que impulsionou um aumento de 775% no consumo da droga.

No Estados Unidos o índice também é alarmante. No ano passado, 10,4 milhões de jovens até 18 anos foram diagnosticados com a doença. Um aumento de 66% nos últimos 10 anos.

Na França esse índice não ultrapassa 0,5%, porque os psiquiatras e escolas francesas vêem a síndrome como característica psico-social e preferem tratar sem medicamentos, apenas com psicoterapia e aconselhamento familiar.

No Brasil, a primeira instituição de ensino bilíngue, destinada a alunos com déficit de atenção, tem a proposta de reverter este quadro alarmante de repetência escolar e o baixo índice de aprendizado.


Sobre Recreio Christian School:

Escola bilíngue cristã, localizada no bairro do Recreio, Rio de Janeiro/Brasil. Tem como objetivo proporcionar educação para alunos do 6º ano ao 3o ano do Ensino Médio.

A instituição opera com foco internacional, prepara os alunos de 11 a 16 anos para estudarem no exterior, bem como nas melhores universidades do Brasil.

Na RCS, apenas não se fala o inglês nas aulas de História e Português. A língua americana está presente em todas as disciplinas e para os estudantes que ainda não são fluentes, a direção se preocupou em implantar aulas de reforço.

Os alunos contam também com frequentes visitas de representantes americanos da EducationUSA para orientações dos mais diversos tipos de programas de estudo nos Estados Unidos.

Fontes:
Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).
Abda - Associação brasileira de déficit de atenção.

Experiência Prolíder em São Paulo, dia 26/03/2019

25/03/2019

Evento traz à tona discussão sobre
o compromisso com o futuro do Brasil


A “Experiência ProLíder” acontece dia 26, na Uliving 433, e promove ainda programa de liderança e empreendedorismo social com inscrições abertas

 

Na terça-feira (26), o Instituto Four realiza a “Experiência ProLíder” em São Paulo, entre 18h e 21h, no Uliving 443. O evento tem por objetivo discutir como iniciativas inovadoras estão impulsionando o desenvolvimento brasileiro em diversas áreas. A participação é gratuita e as inscrições podem ser realizadas por meio do link: http://bit.ly/prolidersaopaulo.

 

Na ocasião, palestrarão Victor Hugo Mathias, gestor ambiental pela Universidade de São Paulo e analista de conhecimentos e inovação na Artemisia, uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo disseminar e fomentar negócios de impacto social no Brasil; Caio Poli, cientista social pós-graduado em Economia e cofundador do Garatéa, uma organização focada em apoiar e melhorar o atendimento público de emergências médicas; e Isabel Vigorito, CFO da Uliving com mais de doze anos de experiência na área financeira e no mercado de real estate.

 

A Experiência faz parte da Jornada ProLíder, uma série de eventos que percorrerá mais de 15 cidades, de todas as regiões brasileiras, a fim promover a liderança jovem e apresentar o programa ProLíder. Trata-se de uma formação gratuita para jovens incomodados com a realidade do Brasil e que querem fazer a diferença por meio da liderança e do empreendedorismo de impacto social. O programa, que chega à sua quarta edição, está com inscrições abertas até dia 31 de março.

 

Em 2018, foram selecionadas 41 pessoas de 16 estados para participar do ProLíder. No total, uma centena de jovens entre 14 e 35 anos passaram pela formação, que conta com formadores de renome, como Claudia Costin (ex-Banco Mundial) e Marcelo Nobrega (Arcos Dorados/McDonald’s).

 

SERVIÇO - Experiência ProLíder São Paulo

Local: Uliving 433 (Av. Duque de Caxias, 433 - Centro – São Paulo/SP)

Horário: das 18h às 21h

Inscrição gratuita: http://bit.ly/prolidersaopaulo

 

Experiência ProLíder São Paulo: www.facebook.com/events/514389339084945

Programa ProLíder: www.programaprolider.com.br

 

Fonte: Assessoria de Imprensa