Você está aqui: Página Inicial Relatos de Oficinas Vivência e convivência: reflexões sobre territórios

Vivência e convivência: reflexões sobre territórios

08/08/2011
Oficina debate com alunos do projeto Anchieta, de São Paulo, suas relações com os espaços onde vivem.

17 de junho de 2011. A Equipe Onda Jovem volta ao Espaço Anchieta, na região do Grajaú, em São Paulo, para aplicar a oficina ‘Famílias e escolhas juvenis – De onde eu venho e para onde eu vou’. Ao longo do dia, os 18 jovens que fazem parte do grupo debateram suas relações com os espaços físicos e sociais em que convivem.

Tema central no debate sobre a formação da identidade do jovem, a questão de territórios foi tema da edição 13 da revista Onda Jovem. A publicação traz uma abordagem sobre os espaços físicos e sociais disponíveis para a juventude e os desafios e conquistas que envolvem esta questão.

Confira aqui como foi a a oficina sobre Família no Projeto Anchieta

 

A conquista de novos territórios é característica da juventude, que amplia seus espaços de circulação e suas redes sociais.

A proposta desta segunda oficina no Anchieta foi refletir os espaços de atuação dos jovens em sua comunidade. A ideia era entender as percepções do grupo sobre os pontos de convivência no bairro, ampliar a compreensão do território onde vivem e circulam, debater quem são os sujeitos com os quais eles se relacionam e discutir que outros pontos da cidade eles aspiram conhecer.

As atividades começaram com um aquecimento do grupo e com a dinâmica chamada Sopro em Rá - confira essa e outras propostas de atividades na seção Dinâmicas na Central de Conteúdo.

Já aquecidos, os alunos participaram de dinâmicas e jogos cooperativos que conduziram a reflexão sobre território, as barreiras - visíveis e invisíveis - que os separam do resto do mundo. A oficina também provoca um debate sobre os pontos de convivência e as riquezas que a comunidade apresenta. A região onde o jovem vive e atua diz muito sobre de onde ele vem e pra onde ele vai.

De onde vim para onde vou

Dinâmica mapa 01

Com a proposta de conduzir os jovens a uma reflexão sobre a percepção que se tem sobre o seu espaço, a equipe Onda Jovem trabalhou com a Dinâmica dos Mapas. “Esta atividade estimula que o grupo perceba os locais de sua circulação contidiana, trazendo as noções de distância e a comparação entre os trajetos de outros componentes do grupo, estimulando a conexão entre os jovens.”, explica Marta Medeiros, da equipe do projeto Onda Jovem.

A atividade propõe uma divisão da sala em grupos. Cada um deles recebe um mapa da cidade onde mora e, com alfinetes ou etiquetas, deve marcar: (i) o local onde reside, (ii) o local onde tem alguma atividade de lazer, (iii) o local de estudos, (iv) um ponto que freqüenta bastante e (v) um lugar da cidade que gostaria de conhecer.

“Muitas vezes, acontecem trocas de informações, dicas de lugares, de exposições nas áreas de interesse para desenvolvimento pessoal e ideias de passeios entre os próprios participantesl”, explica Marta. “Funciona, inclusive, como uma forma de ressignificar estes espaços.”

O debate mostrou que muitos jovens se sentem excluídos da vida cultural da cidade. Por outro lado, demonstram orgulho de sua comunidade. “Foi uma surpresa para mim saber que tantas pessoas têm uma visão ruim do bairro, pois eu gosto daqui e acho que existem coisas boas”, contou Everson Souza Nonato, 18 anos.

 

Explorando o bairro

O dia de oficinas se encerra com mais uma proposta de atividade mobilização. A recomendação, neste módulo, é que os jovens entrevistem pessoas do bairro sobre as características da região. “São os próprios adolescentes que desenvolvem as perguntas e realizam as entrevistas. Queremos que eles explorem uma nova relação com a comunidade. Entendemos que o ciclo de trabalho se completa a partir do momento que os jovens levam a reflexão para fora da sala de aula”, explica Luciana Gil.

Dinâmica mapa 02

A orientação é que os entrevistadores tentem observar como as pessoas sentem o lugar onde moram, como avaliam a qualidade do transporte, as condições de trabalho, os locais de estudo, os pontos de cultura etc. “A nossa proposta é que na volta, na próxima oficina, aconteça um debate sobre o processo de coleta de informações e sobre o conteúdo levantado.” A dinâmica é finalizada com a retomada do mapa para fazer novas marcações baseadas nas respostas dos entrevistados.

O dia termina com uma massagem coletiva em uma grande roda. “Foi uma experiência ótima. Todos participaram adequadamente, de forma leve e divertida, seguindo as orientações sobre as atividades de forma muito respeitosa”, relata Marta Medeiros.

 

Baixe o plano de aula com o passo a passo de todas as dinâmicas e atividades

comments powered by Disqus