Você está aqui: Página Inicial Central de Conteúdo Roteiros de Oficinas Nosso Entorno

Nosso Entorno

12/08/2011
Atividades conduzem o jovem a entender seus territórios e sonhar com novas conquistas de espaço.

Objetivo

Trabalhar com os jovens os conceitos de espaço social, de vivência e de convivência, refletindo sobre como se percebem nestes espaços e o que gostariam de mudar.

 

Tempo previsto de execução: 3 horas

Materiais e equipamentos necessários: Mapas da cidade; revistas; cartolina; canetões; folhas de flip chart ou craft.

 

Conteúdos abordados

  • Percepção de si e do outro;
  • Reflexão sobre o olhar do outro em relação a espaços de vivência e convivência;
  • Ampliação de consciência sobre questões relacionadas ao território onde vivem.

 

Desenvolvimento

Atividade 1 

Cadeira Livre

Objetivo

Trazer o foco de atenção dos jovens para o momento presente, trabalhando a memória e a interação entre os participantes.

Aplicação

  • Dispostos em roda, solicite aos jovens que cada um pegue uma cadeira e a coloque num círculo com os assentos voltados para dentro, de modo que todas fiquem bem próximas.
  • Coloque uma cadeira a mais no círculo.
  • Após a montagem do circulo, inicie o jogo a partir das instruções abaixo:

 

1) A cadeira vazia deve ser ocupada pelo participante que estiver à direita ou à esquerda da cadeira, o mais rápido possível.

2) O participante que conseguir sentar-se diz em voz alta: "Eu sentei!” Sobra então uma nova cadeira livre, que será ocupada pela pessoa que estava ao lado do 1º participante a se movimentar.

3) Esse, ao sentar, diz em voz alta: "No jardim !" Na sequência, sobra outra cadeira livre que será ocupada pelo participante que estava ao lado daquele que se movimentou. Esse, por sua vez, completa a frase dizendo: "Com meu amigo Fulano!" (dizer o nome da pessoa escolhida).

* A pessoa chamada para ocupar a cadeira livre deve ser escolhida aleatoriamente.

4) Esta pessoa deverá ir mais depressa possível até a cadeira e sentar. Dessa forma, a cadeira em que essa pessoa estava sentada ficará livre, o que possibilita o início de um novo ciclo: "eu sentei", "no jardim", "com meu amigo Beltrano".

 

  • Após algumas jogadas, o educador sai da roda, deixando mais uma cadeira vazia, totalizando assim duas cadeiras livres. Nesse caso, o jogo passa a acontecer simultaneamente em dois lugares da roda. O desafio do jogo aumenta, quando após algumas jogadas, pessoas são vendadas, outras amordaçadas e outras amarradas umas ás outras (em dupla). É importante que os participantes saibam os nomes uns dos outros, caso não saibam aplicar antes uma outra técnica de integração ou fazer uma rodada de nomes.

 

ATIVIDADE 2

Reflexão sobre as entrevistas

Objetivo

Analisar o processo de execução da atividade de Mobilização 2, na qual os jovens saíram às ruas para entrevistar a pessoas que circulam pela região. * Inserir link do plano de aula da oficina 2.

Aplicação

  • Organize a turma nos grupos que realizaram as entrevistas propostas na atividade de mobilização 2 e entregue os mapas utilizados na oficina anterior.
  • Peça aos grupos que compartilhem com o restante da turma o relato de cada entrevista que realizaram.
  • Terminada a rodada de relato dos conteúdos obtidos nas entrevistas, peça aos jovens para colarem no mapa etiquetas que correspondam aos locais mencionados pelos entrevistados, identificando-os por diferentes cores de etiquetas ou símbolos.
  • Para fechamento, faça uma análise conjunta das respostas de todos os entrevistados e também sobre a percepção dos jovens em relação ao olhar dos entrevistados sobre o território.

 

ATIVIDADE 3

Baile de Fantasias

Objetivo

Estimular a auto-percepção e a percepção do outro.

Aplicação

  • Dispostos em círculo, diga à turma que todos eles foram convidados para um baile à fantasia, mas que para irem, eles devem compartilhar ao grupo com qual trajem desejam ir vestidos, relatando o porquê de sua escolha.
  • É recomendável que o educador seja o primeiro a dizer com qual a sua fantasia, estimulando assim os alunos a se expressarem.
  • Após todos os participantes terem contato sua fantasia e o motivo da escolha, diga que o jogo agora é escolher uma fantasia para os colegas.
  • O educador então presenteia um dos alunos com uma fantasia, cabendo a este presentear algum outro colega  e assim sucessivamente.
  • Assim que todos forem presenteados com uma fantasia, promova uma discussão primeiramente perguntando aos alunos sobre o que perceberam durante o exercício. Em sequência, estimule-os a pensar sobre o como nos percebemos e como percebemos o outro.

 

ATIVIDADE 4

Foto Identificação

Objetivos

  • Possibilitar aos jovens a ampliação da consciência da imagem que se tem de si mesmos.
  • Refletir sobre o que nos identificamos e o porquê da identificação.

 

Aplicação

  • Forme um círculo de cadeiras e, no centro da roda, disponha fotos (recortadas de revistas antigas) representando pessoas envolvidas em situações diversas do cotidiano (lazer, namoro, estudo, família, trabalho, manifestação popular etc.). As fotos devem incluir jovens dos dois sexos, de diferentes níveis socioeconômicos, com traços étnicos e tipos físicos variados.
  • Convide os participantes a circular em torno das fotos, e cada qual deve escolher duas fotos com que mais se identifique. As fotos devem ser variadas e numerosas (pelo menos duas por participante). Se algum participante escolher a mesma foto que um colega, poderá fazê-lo e, ao compartilhar, apresentar as razões pessoais de sua escolha.
  • Sentados em círculo, os participantes compartilham as razões da escolha.
  • A partir das falas compartilhadas, comente sobre a importância de cada um ter consciência do seu modo de ser e viver e também do que deseja modificar em si mesmo e em seus espaços de vivência.
  • Fique atento à auto-imagem que os jovens têm de si mesmos, às diferenças entre o que são e o que gostariam de ser, dados que podem revelar o nível de consciência e autoaceitação de cada um em relação à sua identidade sociocultural.

 

ATIVIDADE 5

Lendo os espaços de vivencia e convivência

Objetivos

  • Conhecer o espaço social onde se vive.
  • Ampliar a capacidade de compreensão desse espaço, por meio da discussão de temas de interesse para a realidade contemporânea.

Desenvolvimento

  • Divida a turma em grupos e distribuia uma folha de flip chart ou craft, canetões, e as questões abaixo para serem debatidas e comentadas:

 

  1. É possível descobrir, na aparência das pessoas, marcas de sua origem econômica, étnica, sociocultural? Por que você pensa assim?
  2. Você conhece grupos ou tribos que buscam se distinguir de alguma maneira? Se conhece, como se dá essa identificação: pela aparência, modo de vestir, linguagem, comportamento? Por que você acha que isso acontece?
  3. É possível perceber, na organização do espaço da sua região ou cidade, diferenças econômicas, culturais ou de outro tipo?
  4. O que você mais aprecia no lugar onde vive? O que lhe provoca orgulho? O que lhe desagrada? O que gostaria de transformar?

 

  • æ      Ao término das respostas por escrito, peça que os grupos façam uma roda para compartilhar as respostas.

 

REFERÊNCIAS

  • BROTTO, Fábio Otuzi – Jogos Cooperativos: Se o importante e competir o fundamental e cooperar. São Paulo: Cepeusp, 1995
  • Vilma, Souza – Plano de aula publicado na Edição 13 Onda Jovem- Dezembro / 2008 – Territórios.
registrado em:
comments powered by Disqus