Você está aqui: Página Inicial Central de Conteúdo Roteiros de Oficinas Pilares da Família

Pilares da Família

12/08/2011
Roteiro promove reflexão sobre os quatro pilares da família: amor, confiança, diálogo e relacionamento.

Objetivo

  • Refletir com os jovens sobre o papel da família na construção de sua identidade.

 

Tempo previsto de execução: 3 horas

Materiais e equipamentos necessários: Aparelho de som, CD, letra impressa, papel sulfite recortado em tiras, canetas e fita crepe.

 

Conteúdos abordados

  • O papel da família na vida do indivíduo;
  • Os quatro pilares da vida familiar - Amor, Relacionamento, Diálogo e Confiança.

 

Desenvolvimento

ATIVIDADE 1

Corrente de elos

  • Com a turma disposta em círculo, o orientador distribui aos participantes um pedaço de papel e solicita que cada um escreva seu nome de um lado do papel e uma qualidade que inicie com a mesma letra do nome do outro lado.
  • Cada participante se apresenta ao grupo dizendo seu nome e qualidade e com um clips une as pontas do papel formando um elo. A partir da segunda pessoa ela une seu elo ao elo da pessoa anterior começando a formar uma corrente.
  • Após todos os participantes se apresentarem, o orientador une todos os elos num único elo e convida a turma a refletir sobre a importância do trabalho em grupo.

 

ATIVIDADE 2

Jogo Cooperativo: Pessoa para pessoa

Objetivo

Possibilitar a vivencia de diversas formas de contato entre as pessoas, fazendo-as refletir sobre o relacionamento humano.

Passo a passo

  • Num primeiro momento oriente as pessoas a caminharem livremente pelo ambiente;
  • Em seguida mude a orientação para uma caminhada mais rápida, mais lenta, de costas, etc.;
  • Depois de alguns poucos minutos fale, em voz bem alta, duas partes do corpo (pé com pé; joelho com joelho; dedo com dedo; cotovelo com cotovelo etc.). A este estímulo, todos deverão formar uma dupla e tocar, um no outro, as partes faladas pelo coordenador, o mais rápido possível. Por exemplo: – “Pé com pé!”. Cada pessoa deverá encontrar um par e tocar seu pé no pé do outro e vice-versa;
  • Quando todos estiverem em duplas e tocando as partes faladas, reinicia-se o processo, propondo o caminhar livre e criativo;
  • Após 2 ou 3 dessas combinações, diga em voz alta o nome do jogo: “Pessoa pra pessoa”. Nesse momento, todos os participantes – inclusive o coordenador – devem abraçar a pessoa que estiver mais próxima;
  • No momento seguinte, se o número de participantes for par, o coordenador deve ficar de fora de modo para impossibilitar a formação de uma dupla;
  • Diante do desequilíbrio numérico, alguém irá ficar sem par. Então o orientador diz “E o quê a gente faz com quem sobra?”;
  • Diferente dos jogos convencionais, aquele que sobra não será excluído. Quem sobrou virará o coordenador da atividade e reiniciará o Jogo assumindo assim a liderança;
  • A proposta é que diversos participantes assumam a liderança e proponham ao grupo diferentes formas de caminhar e de estabelecer contatos.

ATIVIDADE 3

Jogo Cooperativo: Travessia

Objetivo

Exercitar o diálogo para realização do objetivo comum: atravessar todos juntos sobre uma ponte de pedras móveis e encontrar uma solução coletiva num momento de emergência.

Passo a passo

  • Divida a sala em 3 partes (margem 1, rio e margem 2) com 2 pedaços de barbante;
  • Em uma proporção de uma metade de uma cartolina para cada 4 participantes, forme uma ponte com as cartolinas de modo que não seja possível chegar a outra margem pela ponte feita de cartolinas, que nesse jogo  são chamadas de “pedras móveis”;
  • Diga ao grupo que imaginem que em poucos instantes um vulcão que está próximo e eles entrará em erupção e que em pouco tempo as lavas chegarão até eles. Dessa forma, eles deverão atravessar o rio para se salvar, mas não podem ir nadando, pois o rio está cheio de piranhas. Portanto, o grupo todo deve atravessar a ponte, ao mesmo tempo;
  • Como as pedras da ponte são móveis, o grupo todo deve estar em cima da ponte para deslocar a primeira pedra até o final da ponte, de modo que a ponte chegue à outra margem;
  • Nesse momento deixar o grupo a vontade para conversar e combinar uma estratégia para atravessarem a ponte de uma só vez;
  • Quando o grupo se mostrar pronto diga para que atravessem a ponte;
  • A atividade é finalizada quando todos os participantes cruzarem a ponte e se estabelecerem na margem 2.

 

ATIVIDADE 4

Jogo cooperativo: João Confiança

Objetivo

Vivenciar e refletir sobre o conceito de confiança.

Passo a passo

  • Dispostos em círculo, oriente os participantes a testarem seus limites de equilíbrio, inclinando seu corpo para frente, para trás e para os lados. Em seguida, peça para que se equilibrem num pé só;
  • Oriente os participantes a formarem duplas de pessoas com alturas e tipos físicos aproximados;
  • Solicite que as duplas, um de frente para o outro se unam encontrando as mãos na altura do peito, distanciando os corpos até o limite onde não possam se encontrar mais;
  • Na sequência, peça para que formem trios e façam o mesmo exercício;
  • Mude o trio de posição, de modo que uma pessoa fique no meio;
  • Oriente a pessoa do meio a abandonar o seu corpo para frente ou para trás;
  • As pessoas das pontas devem demonstrar que estão prontas para receber e segura-las. Faz-se um rodízio de pessoas que vão ao centro e deixam seus corpos caírem para uma das pontas;
  • Em um momento seguinte, junte dois trios formando um círculo com uma das pessoas ao centro, para que esta seja acolhida por todas as outras, da mesma forma como realizaram em trios.
  • Após todos os participantes terem tido a experiência de abandonar o corpo em direção aos colegas, encerre o exercício.

 

ATIVIDADE 5

Discussão sobre os  quatro pilares da família

  • No plano de aula, “Para quê Família”, desenvolvido pela professora Paula Bourroul (Edição 10 da Revista Onda Jovem) há uma breve descrição do que a autora considera serem os pilares fundamentais que estruturam uma família (Amor, Confiança, Diálogo e Relacionamento). A partir dessa referência, busque identificar com os alunos os conceitos que formam trabalhados nas atividades anteriores.
  • Em seguida, apresente os 4 Pilares e estimule uma discussão a respeito. Algumas sugestões de perguntas para estimular os jovens:

 

- Quais as formas de amor presentes numa família?

- Que outros sentimentos se originam a partir do amor?

- O que determina a qualidade dos relacionamentos familiares?

- Qual a diferença entre o relacionamento familiar e os demais tipos de relacionamento?

- Como garantir um bom diálogo com a família?

  • Finalize relacionando os pilares com os objetivos das atividades que foram apresentadas.

 

ATIVIDADE 6

Preparação da atividade de mobilização 1

A partir da compreensão dos 4 Pilares da Família, pedir aos jovens que, durante os quinze dias, façam registros dos pilares da família das seguintes formas:

  • Imagens digitais: fotos ou vídeos
  • Textos: poemas, redações, contos, músicas, etc.
  • Produção visual: desenho, pintura, escultura, história em quadrinhos, fanzine, colagens, etc.
  • Produções em ambiente virtual: blogs, redes sociais.
  • Artes cênicas ou dança.

 

Peça que tragam as produções na próxima oficina.

 

Dicas

  • Caso o grupo não tenha muita familiaridade, as atividades que envolvem um contato corporal mais próximo devem ser adaptadas a fim de evitar o constrangimento ou desconforto dos participantes.
  • As questões familiares em muitos casos são um ponto sensível para jovens que possuem uma condição pouco estruturada em sua família. Sendo assim, é importante conhecer um pouco sobre a realidade dos jovens que participarão das atividades.
  • É muito importante frisar a ideia de que não existem famílias ideais, mais sim famílias reais.

 

REFERÊNCIAS

BROTTO, Fábio Otuzi – Jogos Cooperativos: Se o importante e competir o fundamental e cooperar. São Paulo: Cepeusp, 1995

BROTTO, Fábio Otuzi – Jogos Cooperativos e a Pedagogia do Esporte. Santos: Projeto Cooperação, 2001

MALDONADO, Maria Teresa e GARNER, Alan – A arte da conversa e do convívio. Rio de Janeiro: Ed. Rosa dos Tempos, 1992

BUSCAGLIA, Leo – Amor. São Paulo: Ed. Record, 2000

Confira a aplicação deste roteiro em uma oficina.

registrado em:
comments powered by Disqus