Você está aqui: Página Inicial Central de Conteúdo Jogos Cooperativos Pessoa pra pessoa

Pessoa pra pessoa

23/08/2011
Atividade visa estimular a vivência de diversas formas de contato

Atividade visa estimular a vivência de diversas formas de contato entre as pessoas, fazendo-as refletir sobre o relacionamento humano.

Duração: 15 minutos

Objetivo:

  • Possibilitar a vivência de diversas formas de contato entre as pessoas, fazendo-as refletir sobre o relacionamento humano.

Ideal para desenvolver quais sentidos/conceitos:

  • Aproximar as pessoas de uma forma lúdica.

  • Em alguns contextos é possível trabalhar a questão da liderança.

Número mínimo e máximo de participantes:

  • Mínimo de 6 e máximo de 40 pessoas.

Espaços ideias para aplicação:

  • Espaço amplo, sem cadeiras, arejado e que permita movimentação corporal.

Faixa etária:

  • A partir dos 10 anos.

  • Idade máxima ilimitada

Materiais:

  • Nenhum

Observações:

  • No momento da mudança de focalizador do jogo, o educador fica ao lado para orientar o primeiro focalizador que foi pego de surpresa.

Passo-a-passo:

1) Inicie incentivando as pessoas a caminhar livre e criativamente pelo ambiente (andar normalmente, correndo, de costas, pulando etc.).

 2) Depois de alguns poucos minutos, fale, em voz bem alta, duas partes do corpo (pé com pé; joelho com joelho; dedo com dedo; dedo no nariz; cotovelo com cotovelo etc.).

 

 

 

 

 

  3) A este estímulo, todos deverão formar uma dupla e tocar, um no outro, as partes faladas pelo educador, o mais rápido possível. Por exemplo: “Pé com pé!”. Cada pessoa deverá encontrar um par e tocar seu pé no pé do outro e vice-versa.

4) Quando todos estiverem em duplas e tocando as partes faladas, reinicie o processo, propondo o caminhar livre e criativo.

5) Após 2 ou 3 dessas combinações, diga em voz alta o nome do jogo: “Pessoa pra pessoa”.

6) Nesse momento, todos – inclusive o educador – devem formar uma nova dupla e abraçar um ao outro.

 

 

 

 

 

7) Com a entrada do educador diretamente no jogo, haverá um desequilíbrio numérico: alguém irá ficar sem par. “E o quê a gente faz com quem sobra?”

8) Diferente dos Jogos convencionais, aquele que sobra não será nem castigado, nem excluído. Quem sobrou virará o Focalizador e reiniciará o jogo servindo ao grupo, ao invés de ser servido por ele.

 

Referências:

Revista de Jogos Cooperativos: www.jogoscooperativos.com.br

Projeto Cooperação www.projetocooperacao.com.br



comments powered by Disqus