Você está aqui: Página Inicial Acervo Edição 19 Fábrica-escola é referência em ensino médio

Fábrica-escola é referência em ensino médio

O NATA (Núcleo Avançado em Tecnologia de Alimentos) é fruto de parceria pública e privada no Rio de Janeiro para oferecer educação regular com disciplinas técnico-profissionalizantes

21/07/2011

21/07/2011

Primeira fábrica-escola do Estado do Rio de Janeiro em leite, derivados e panificação, o Núcleo Avançado em Tecnologia de Alimentos (NATA), em São Gonçalo, completou um ano de funcionamento, comemorado com a presença da secretária de estado de Educação, Tereza Porto, em meio a degustação de quitutes produzidos pelos alunos, um “duelo” de confeiteiros, homenagens e apresentações musicais.

Concebida nos moldes do Núcleo Avançado em Educação (NAVE) – escola estadual referência em Tecnologia da Informação, na Tijuca -, a unidade é fruto da parceria entre as Secretarias de Estado de Educação e de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, o Grupo Pão de Açúcar e a CCPL- Cooperativa Central dos Produtores de Leite.

Localizado nas instalações da fábrica da CCPL, o NATA oferece Ensino Médio Integrado a 240 alunos - com disciplinas da grade curricular regular em diálogo com as disciplinas de caráter técnico-profissional. Além da escola referência, batizada de Colégio Estadual Comendador Valentim dos Santos Diniz, o Núcleo conta com a Unidade Consorciada de Alimentos (Unica) e a Unidade Pesquisa Aplicada de Alimentos (Unipa).

A secretária Tereza Porto parabenizou alunos e professores. O índice de aprovação da escola é de 97% e a nota média de 7,4. Recentemente, o projeto conquistou reconhecimento internacional: foi o grande vencedor da categoria Solidariedade do prêmio internacional Prix Special Du Jury, na França. Estavam inscritos 341 projetos, sendo 30 internacionais. Também este ano, a escola participou do 37° Congresso Nacional de Laticínios, em Minas Gerais, representada por 10 professores/gestores; da Exposição de Laticínios (dentro do Congresso), com 30 alunos, e da Feira Internacional de Panificação, em São Paulo, representada pelos gestores e professores técnicos de panificação.

- Podemos dizer que esta é uma escola viva. É visível o amor que vocês têm pelo colégio e a qualidade do ensino que é oferecido aqui. O projeto do NATA nasceu de uma parceria e mostra que temos que acreditar nos nossos sonhos, trabalhando sempre com determinação. Quero agradecer ao Grupo Pão de Açúcar por essa parceria que nos dá tanto orgulho – comentou a secretária Tereza Porto.

Aluna da primeira turma de Leite e Derivados, Letícia Freitas, 16 anos, contou que a escola mudou sua vida.
- Sempre pensei em fazer um curso técnico, mas não sabia qual. Encontrei minha realização quando vim para o NATA. Adoro a escola e tudo o que aprendo aqui. Hoje sinto que estou mais madura e decidida. Quero cursar Engenharia de Alimentos – adiantou a estudante, ao lado dos amigos Lucas Gomes e Jonatha de Carvalho, ambos de 16 anos.

Entre as delícias apresentadas pelos alunos estavam pães, bolos, queijos minas, parmesão e cheddar, iogurtes, doce de leite, quiches de queijos e tarteletes de chocolate com morango. Os alunos produziram ainda um grande bolo para a comemoração – confeitado na hora – e promoveram uma disputa do bolo mais bonito.
Diretora do colégio, Marta Viveiros estava envaidecida.

- Só tenho motivos para festejar: uma proposta inovadora de ensino, professores que vestem a camisa, funcionários dedicados e alunos motivados. Nossos estudantes estão muito animados. Hoje é o dia deles – disse.

De fato, animação não faltou aos alunos, que homenagearam a professora de Ensino Religioso Jussara Gonçalves Dias, o inspetor Aresso Vieira e o gerente do NATA pela Secretaria de Educação, Sérgio Menezes. A secretária Tereza Porto ganhou uma menção honrosa das mãos da aluna Jenyfer Dayanna de Jesus.
Diretor regional do Grupo Pão de Açúcar, Luis Elísio Mello, adiantou que a empresa planeja abrir oportunidade de estágio para os jovens do NATA.

- Temos 88 lojas no Rio e acho importante que vocês estagiem com a gente. Venho aqui reforçar todo o empenho do grupo neste projeto. Vocês estão de parabéns – incentivou o executivo, apresentando a primeira apostila de um kit com outras 14 publicações que serão utilizadas pelos estudantes.
A festa contou ainda com a apresentação do Coral do NATA – com duas composições assinadas pelos alunos da unidade – e da Orquestra do Grupo Pão de Açúcar, com músicas como “Capim”, de Djavan, e “E Vamos à Luta”, de Gonzaguinha, entre outras. O projeto NATA

No primeiro ano de funcionamento do NATA (2009), foi oferecido o curso de Técnico em Leite e Derivados. Em 2010, foi incluído na grade o curso de Panificação. Em 2011, será a vez do curso de Manipulação de Vegetais e, no ano seguinte, de Carnes e Embutidos. Durante o período letivo, os alunos ainda têm noção de gestão e empreendedorismo. O curso, de três anos, adota o horário integral.

A procura pela unidade é intensa, numa proporção de 13 candidatos por vaga. No primeiro processo de seleção participaram cerca de 1600 alunos de diversos municípios, alguns distantes de São Gonçalo, como Rio Bonito, Maricá, Nova Iguaçu, Magé, Niterói e diversos bairros do Rio de Janeiro. As 120 vagas iniciais foram preenchidas por alunos de 52 unidades escolares diferentes. O terceiro processo de seleção acontecerá a partir de outubro deste ano.

Com os recursos viabilizados pelo Grupo Pão de Açúcar – cerca de R$ 6,8 milhões - foram reestruturadas as instalações, montada a escola e comprados equipamentos. O remanejamento interno e reaproveitamento dos espaços da fábrica CCPL permitiram o funcionamento de 20 salas de aula. A área da fábrica foi compactada e otimizada, e a CCPL continua sua produção de lácteos com marca própria e com a possibilidade de industrializar para terceiros. A fábrica é ainda utilizada para visitação dos estudantes para a comprovação na prática dos conhecimentos adquiridos.

No prédio principal existem laboratórios de embalagens, físico-química e microbiologia; laboratórios consorciados de química e biologia; matemática e física; laboratório de informática e usinas-piloto de leite e laticínios. Nos laboratórios da escola, os alunos produzem derivados de leite em escala reduzida durante as aulas práticas. Além disso, a escola possui espaço multiuso para eventos, quadra poliesportiva, biblioteca, sala ecológica para aulas ao ar livre, sala multimídia e sala de artes. Todas as instalações da escola respeitam as normas de acessibilidade.

Fonte: SEEDUC